quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Nise, uma heroína nacional


Projeto de lei visa tornar Nise da Silveira 'heroína nacional'

    A alagoana Nise da Silveira (1905-1999) ajudou a escrever a história da psiquiatria no Brasil e no mundo. Ela enxergou a riqueza de seres humanos que estavam entre o estigma da loucura e a exclusão total. Por ressignificar o tratamento de pacientes com esquisofrenia, explorando a capacidade criativa e imaginativa de cada um, Nise pode ser tomada como uma heroína. E o Projeto de Lei 9262/2017, da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), quer oficializar esse título.
    Apresentado no fim dezembro do ano passado na Câmara dos Deputados e atualmente em tramitação, o projeto quer que o nome de Nise Magalhães da Silveira seja incluído no "Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria", destinado a honrar "brasileiros e brasileiras que tenham oferecido a vida à pátria, para sua defesa e construção, com excepcional dedicação e heroísmo".
    "São pouquíssimas mulheres que estão no livro. Em outubro, nós fizemos uma audiência pública e conseguimos provar o valor e a importância de Nise da Silveira para a história do Brasil. Agora, no início deste ano, quando a Comissão de Cultura voltar, vamos apresentar para votação e acredito que será aprovado. Nise da Silveira é uma figura muito expressiva", afirma a deputada Jandira Feghali, autora do projeto, em entrevista ao HuffPost Brasil.
    Até o momento, o projeto segue aguardando designação de relator Comissão de Cultura (CCULT) e, caso aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), segue para o plenário da Câmara e depois, do Senado. No texto, a deputada destaca que Nise transformou "tratamentos agressivos e nada resolutivos a partir de um novo olhar sobre os pacientes" já que "havia uma confusão entre hospital psiquiátrico com cárcere".
 Apesar da participação política das mulheres no Brasil, apenas 6 estão no chamado "Livro de Aço", que conta com cerca de 45 nomes. Entre elas estão Jovita Feitosa, voluntária do Exército na Guerra do Paraguai; Clara Camarão, que combateu os holandeses na Batalha dos Guararapes, a enfermeira Ana Néri e as revolucionárias Anita Garibaldi, Bárbara de Alencar e Zuzu Angel.
    No passado, o termo "heroínas" não fazia parte do livro. Em 2017, o Senado aprovou a alteração da Lei 11.597/2007, que criou o documento, para explicitar que ele se destina a registrar o nome de "brasileiros e brasileiras". Anteriormente a Lei referia-se apenas "ao registro perpétuo do nome dos brasileiros ou de grupos de brasileiros" que dedicaram sua vida à pátria.
    O "Livro de Heróis e Heroínas da Pátria" é um registro de personagens que protagonizaram momentos marcantes da história do Brasil e ajudaram a construir a identidade nacional. Com páginas de aço, ele fica exposto no terceiro pavimento do Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília (DF).
    "Nise apontou falhas na psiquiatria, contestou práticas e demonstrou soluções, dando novos contornos e sentidos aos tratamentos e às relações entre psiquiatras e pacientes. Em seus 94 anos de vida, a alagoana publicou dez livros e escreveu uma série de artigos científicos", lembra o texto do PL.
    O texto ainda celebra que "Nise promoveu uma verdadeira revolução não só no tratamento das pessoas com transtornos mentais, mas também na visão que os outros tinham sobre elas. É certo afirmar que ela foi um divisor de águas entre um tratamento desumano e que retirava as pessoas do convívio social para o acolhimento e a humanidade de um tratamento que buscava, verdadeiramente, compreender o universo daquelas pessoas e ajudá-las".

A revolução de Nise da Silveira
    Nise da Silveira foi a única mulher a se formar na turma de 1926 da Faculdade de Medicina da Bahia. Lutou contra terapias de choque nos anos 1940, trocou cartas com Carl Gustav Jung (que, pela distância linguística, entendia o nome "Nise" como masculino e a percebia como um homem), criou um método para tratar pacientes com transtornos mentais por meio da arte, desafiou o Estado Novo, foi presa e enfrentou a ditadura militar. Em seus 94 anos de vida, a alagoana publicou dez livros e escreveu uma série de artigos científicos.
    A história da psiquiatra já foi tema de documentários e em 2016 voltou às telas com o filme inédito Nise – O Coração da Loucura, dirigido por Roberto Berliner e estrelado por Gloria Pires. O longa, baseado no livro Nise - Arqueóloga dos Mares, do jornalista Bernardo Horta, traz um recorte acessível e emocionante da atuação da psiquiatra e sua defesa da arte como principal ferramenta de reintegração de pacientes chamados "loucos".
    O filme se passa em 1944, quando Nise trabalhou no Hospital Pedro II, antigo Centro Psiquiátrico Nacional, no Rio de Janeiro. Ela se recusou a seguir o tratamento da época, que incluía choque elétrico, cardiazólico e insulínico, camisa de força e isolamento. Ao dizer "não", a psiquiatra foi transferida, como "punição", para o Setor de Terapia Ocupacional do Pedro II. A reportagem da revista Cult lembra que esse era um espaço desprestigiado na época.
    Porém, essa transferência foi fundamental para a revolução que Nise provocaria na psiquiatria: foi nesse setor do hospital que ela implementou, junto com o psiquiatra Fábio Sodré, a Terapia Ocupacional no tratamento psiquiátrico e revolucionou a forma como os esquisofrênicos eram tratados. De um tratamento que os transformavam em animais, passaram a ser olhados como seres em (re)construção

Autora do texto: Andréa Martinelli
Fonte:Huffpost
http://www.huffpostbrasil.com/2018/02/07/o-projeto-de-lei-que-torna-a-psiquiatra-nise-da-silveira-uma-heroina-da-patria_a_23354146/?utm_hp_ref=br-homepage

sábado, 20 de janeiro de 2018

Meus vizinhos funkeiros...

autora do "hit"  "Que tiro foi esse". Realmente ela não deve se preocupar muito com tiros com esse colete à prova de balas... E tampouco é necessário comprar carro com airbags

    Meus vizinhos funkeiros são legais, ouvem esse tipo de "música" a hora que querem e na altura que querem, e "os incomodados é que se retirem"... Essa deve ser uma das frases mais ditas por eles...
    A maioria usa drogas, mas acredito não ser maconha, pois ficam agitados e chatos pra caramba, às vezes falando palavras desconexas, como podem ouvir no áudio que resolvi gravar um dia para ilustrar o que se passa na cabeça deles... As pessoas que vi usar maconha ficaram relaxadas e tranquilas, mas os caras aqui não sei onde compram essa erva. O cheiro é estranho, muito fedorento mesmo. Só usei a maconha três vezes na minha vida, há mais de 25 anos atrás, e me lembro que o cheiro era suportável...
   Meus vizinhos funkeiros chegam e já tomam conta do pedaço, fazem suas regras e estabelecem seus horários. Não se importam com o vizinho de quarto, não querem saber se alguém precisa acordar cedo no outro dia.
   Ouço meu rock, Yanni e a minha MPB de boas, sempre observando se o som das guitarras distorcidas não está invadindo o quarto alheio, mas meus vizinhos funkeiros preferem carregar uma caixa de som no pescoço e ainda não sabem a utilidade de um fone de ouvido... No meu caso o fone de ouvido está servindo para não ouvir, funcionando como um tampão para não ouvir aquelas batidas repetitivas com letras muito questionáveis. Aliás, nem é questionável, é uma merda mesmo.
    Meus vizinhos funkeiros estão ficando paranoicos, e não sabem disso. Pensam que a maconha, por ser uma erva natural, não faz mal nenhum ao nosso organismo. Pensam que qualquer coisa que falamos é a respeito deles... Sou paranoico, mas tenho consciência do fato, que, se não resolve, já é uma grande ajuda para lidar com as situações do dia a dia.
    Meus vizinhos funkeiros devem pensar que palavrão seja sinônimo de palavra grande... Pois vivem o dia inteiro gritando "baralho", como podem ouvir na gravação, que foi feito dentro do meu quarto. Não peguei um microfone e me aproximei deles, isso o que vocês estão ouvindo é o que eu ouço o dia inteiro dentro do meu quarto...
     Meus vizinhos funkeiros vivem reclamando da discriminação e querem ser respeitados na força e na marra. Para eles o som alto, os palavrões não são falta de respeito, faz parte do cotidiano deles...
 
funkeiros geralmente não entendem a lei do silêncio...

      Meus vizinhos funkeiros entendem de leis, 157 e outras leis de crimes semelhantes, sabem a quantidade exata de maconha que podem andar no bolso, para não serem enquadrados como traficantes... Mas a lei do silêncio não entendem, pensam que até as dez horas da noite podem fazer o barulho que quiserem... 
       Não adianta mudar de bairro, em cidade grande eles sempre vão estar lá, a não ser que você tenha condições de morar em um local mais nobre. Estão nos metrôs, nos ônibus, em todos os lugares com suas caixinhas de som de pendurar no pescoço...
caixa de som para funkeiro colocar no pescoço

      Às vezes chego a pensar que os cantores de funk são os espertos e que na verdade detestam o som que fazem. Afinal, é muito mais lucrativo e fácil botar uma batida repetitiva para rodar, falar um monte de merda e gravar. E nos shows não terá que dividir o cachê com outros músicos. Dizem que o Mr. Catra é um cara estudado... O sucesso depende muito da quantidade de palavras de baixo calão e de baixaria mesmo. Todos sabem o que anda acontecendo por aí, funk sendo proibido no youtube por apologia ao estupro, obrigando o autor fazer uma versão light da surubinha... 
     Não sou racista, meus vizinhos funkeiros não sabem que curto Vander Lee, Gilberto Gil, Seal, dentre outros. O funk não representa os negros, não representa as comunidades ou favelas, seria mediocrizar demais uma cultura tão rica e vasta. Por isso não tenho receio de dizer que funk é um lixo, que vem do fundo do esgoto dos quinto dos inferno... 
    Não sou só de criticar, peço desculpas aos funkeiros educados e conscientes que se sentiram ofendidos com estas palavras. Infelizmente o funk lixo e grotesco é a maioria, e quem quer fazer um som mais inteligente na comunidade acaba se deparando com um enorme preconceito, que convenhamos, os funkeiros lixo fazem a maior força para criar. 
    Sempre luto aqui no blog contra o “pré-conceito”, que, simplificando, é achar alguma coisa sobre alguma coisa sem antes ter um conhecimento mínimo sobre o assunto. E pior do que o pré-conceito é a discriminação, pois muitas vezes o preconceito vem da falta de informação, e nem sempre é possível saber tudo sobre tudo. Mas discriminar é bem mais complicado. Discriminação é ter uma reação adversa à algo que você conhece... E geralmente as pessoas fazem isso para machucar mesmo o próximo.. É como dizer que é melhor do que o outro. 
     Existe um movimento chamado funk consciente que deve ser sim valorizado e gostaria de fazer uma pequena homenagem a esse pessoal. Sou a favor da liberdade de expressão sim, cada um no seu quadrado com suas ideias e pensamentos. Mas é aquele velho chavão, estão confundindo liberdade com libertinagem, vide o vídeo que foi proibido por incentivar o estupro. Abaixo um vídeo de um funk consciente.  

O movimento funk consciente

    
  
   Quem sou eu para dar uma de moralista, tenho minhas falhas e defeitos, mas como relatei, procuro respeitar o próximo e faço o maior esforço para isso. E sei a utilidade de um fone de ouvido...
    Não é raro funks serem retirados do youtube e outros serviços de música. Não vou postar uma letra desse tipo aqui no blog. Todos já sabem o que esse pessoal escreve em suas "músicas"... 
    Ouçam o que eu ouço todos os dias aqui onde moro, saído das entranhas dos meus vizinhos funkeiros.... Não é recomendado para menores de 18 anos ou quem não gosto simplesmente de ficar ouvindo merda. 
letra de funk gerou revolta nas redes sociais 

Meus vizinhos funkeiros 
(imagem ilustrativa, mas as vozes são deles mesmo)
Obs: me desculpem por não caprichar no texto, mas só de lembrar desses vizinhos me dá um desânimo.. Acho que foi a postagem mais rápida que fiz, confesso que tive um pouco de nojo e tentei terminar o mais rapidamente possível, apesar de ser um assunto muito vasto. A maioria das postagens deixo de molho por alguns dias, pois são feitas sob o calor da questão. E os dias se passaram e a minha o opinião e o texto não mudaram. Como disse, só não fiquei relendo várias vezes para tentar melhorar, pois foi mais um desabafo mesmo, e esse assunto chega a me dar náuseas. 
   Estou tentando me mudar para um local mais tranquilo, como podem ver na postagem abaixo. Não sei se vou ter paciência para ficar ouvindo todo dia isso o que vocês ouviram. Infelizmente não tenho o direito para o frete da mudança, quem quiser e puder ajudar é só ler a postagem abaixo ou enviar um email para os seguintes endereços:
juliocesar-555@hotmail.com
juliocesar_555@yahoo.com
Obrigado
Obs: vamos participar das enquetes que ficam no lado direito superior do blog. Aqui todos podem votar pois o blog é democrático. 

sábado, 30 de dezembro de 2017

O direito de ficar só


     Antes de mais nada irei falar um pouco sobre o meu detonado dedão do pé esquerdo, para assim poder chegar com maior clareza ao propósito do título da postagem.
    Ultimamente tenho falado tanto nesse meu pé que cheguei seriamente a pensar em mudar o nome do blog para "Queixas de um elemento com hálux rigidus"...
    Como a maioria dos leitores devem saber, o máximo de atendimento nessa área que consegui do SUS nesses anos de luta foi uma palmilha, que, além de não aliviar merda nenhuma, acabou detonando o meu joelho, pelo simples fato dela não ser moldada de acordo com o tênis que uso com mais frequência. Os caras simplesmente metem o seu pé no gesso e moldam a palmilha. E ela, como num passe de mágica, terá que servir para todos os tipos de calçados possíveis....
    Então, há cerca de um ano atrás enviei despretensiosamente um email para a rede Sarah, que faz uma atendimento gratuito na área de ortopedia aqui em Belo Horizonte.
    Cerca de oito meses depois, quase sem esperanças, recebo a resposta da rede Sarah, com a confirmação do atendimento, que é excelente. Além das confortáveis acomodações, a rede Sarah tem um ótimo atendimento e organização. Até dormi na hora de fazer a ressonância magnética, apesar de ter um pouco de medo de entrar naquele tubo. Mas o exame foi as sete horas da manhã e ainda por cima tinha que estar em jejum... E colocaram um travesseiro novinho e cheiroso... Então quase dormi naqueles 20 minutos que fiquei ali dentro, no meio de uma barulheira enorme, parecia fogos de artifício...
    Os exames apontaram, além da já falada lesão no dedão do pé esquerdo, uma fratura por stress no dedão do pé direito. Afinal são três anos andando de maneira incorreta, sobrecarregando por demais as articulações, principalmente da perna direita. O corpo mais cedo ou mais tarde cobra esse errado andar. Ano passado tive que conseguir uma muleta através do facebook para ir ao hospital, pois o tornozelo não aguentou a carga.
tornozelo detonado
    Tudo ia muito bem na rede Sarah, até o dia em que mostrei o relatório da "psiquiatra" do posto de saúde onde consulto para pegar o "pan nosso de cada dia".
    Só havia consultado com ela três vezes, e pouco ou quase nada conversei. A função dela no meu caso era apenas preencher a receita do ansiolítico... Mas ela fez questão de mencionar no relatório que não tomo os antipsicóticos e que tenho o quadro compatível com F-20, que não é a caminhonete, e sim a esquizofrenia paranoide. Só assim para pobre como eu ter F-20...
     Essa simples menção ao fato de não tomar o antipsicótico foi o suficiente para impedir a minha cirurgia neste hospital. O SUS, além de não nos atender, de nos enrolar, de nos esculachar, ainda nos impede de ter um atendimento digno em um outro local. Minha qualidade de vida está um lixo, tanto fisicamente como mentalmente, e o início da melhora com certeza não passa pela administração de mais medicamentos e sim a melhora no meu pé para que eu possa voltar a andar normalmente e que as dores sumam. E assim eu tenha a possibilidade de fazer algo que realmente melhora a minha saúde mental: os exercícios físicos, e também me deslocar para ir à um centro de convivência, à um parque, etc....  A dor física parece que consegue fazer liberar em meu cérebro uma substância ou algo parecido que mina a minha energia. Alguns dias que fico em casa as dores somem. E consigo andar alegremente por mais ou menos 1km, quando as dores começam a aparecer, e, no mesmo instante fico pra baixo, como se a bateria estivesse sido descarregada rapidamente.
     Essa psiquiatra do posto de saúde sabia das dificuldades que estou passando por causa desse problema no pé. Ela também sabe como é o atendimento no SUS. Custava ela omitir o fato de não tomar o antipsicótico? Mentir é uma coisa, omitir é outra totalmente diferente....

Cirurgia? Só se tomar o antipsicótico e tiver acompanhante....

    Como vocês podem observar pelo áudio acima, só receberei atendimento na rede Sarah se tomar o antipsicótico e ter acompanhante...
    Em relação ao antipsicótico já mencionei várias vezes que não foi por falta de tentativa que não deu certo o tratamento. Não deu certo no meu caso, mas isso não quer dizer que com os demais pacientes o mesmo irá acontecer.
    Já em relação a acompanhante sempre gostei de viver só e curtir a minha solitude, que é a solidão desejada. Não vai ser agora que irei arrumar uma companhia. Teria que me aproximar de alguém com segundas intenções, com interesses além da companhia da pessoa, o que não é do meu feitio. Sempre procurei ser verdadeiro, e até nas perícias que fiz no INSS fui acompanhado somente no início, quando ainda estava morando em um abrigo.
    Não sou um aproveitador, não irei me aproximar de uma pessoa só para ser meu acompanhante no hospital. Sou sincero, e isso gera alguns problemas. Não gosto da maioria das pessoas, as acho fúteis, mesquinhas e algumas são frescas mesmo. E as pessoas que gosto não gosto de vê-las todos os dias....
    E a culpa não é delas, é o meu jeito de ser mesmo.
    Já pensou se eu consigo arrumar uma amiga ou namorada, e, no primeiro encontro pergunto:
     -Vamos?
     - Aonde?-ela pergunta.
     - No hospital, é para me fazer companhia, pois vou operar...- respondo, na maior cara de pau... 
     A impressão que se dá é que é um pecado, uma afronta, uma aberração o fato de gostar de ficar só e curtir a solitude. Parece que é correto ser um baba ovo, um interesseiro, se casar com segundas intenções. Acho que nesse caso a parte financeira seria a primeira intenção mesmo...
o amor é lindo...
     Sempre fui assim, e acho que sempre serei. Posso ter perdido algumas oportunidades na vida por causa disso, mas não perdi a minha liberdade, que não tem preço.
    Não consigo mais enxergar uma luz no horizonte, uma solução para esse meu problema no pé. Até arrisquei a jogar na mega sena, mas esse concurso é engraçado: sempre acumula vários sorteios, para, no final, uma única pessoa sair ganhando...
     Essa situação é uma bola de neve. Primeiro foi a articulação do  hálux do pé esquerdo. Agora é uma fratura no hálux do pé direito, por andar incorretamente. O joelho dói um pouco, principalmente na hora de subir uma escadaria. O tornozelo sofre pra caramba, e os tendões também, já que não consigo fazer a passada completa e correta. Também sinto que as fíbulas podem a qualquer momento apresentar algum tipo de problema. (já estou quase virando um especialista em ortopedia, de tanto pesquisar o assunto na internet...)
    Como não vejo solução, pretendo de qualquer jeito fazer os 910km restantes do Caminho da estrada real que ainda não fiz. Não irei olhar para o futuro, coisa que sempre fiz na minha vida. E fui feliz até hoje vivendo desse jeito Provavelmente irei detonar muita coisa nas minhas pernas, afinal estarei andando uma boa distância e com cerca de 11kg nas costas, num sobe desce danado que são os caminhos da minha querida Minas Gerais. Mas nem por isso vou deixar de fazer o que gosto e no que acredito para ser feliz. E também sempre cumpri minhas promessas, e fazer os quatro caminhos da estrada real é uma delas. Missão dada é missão cumprida....  Nem que seja de muleta irei fazer essa caminhada quando passar o período das chuvas.
   Essa postagem não é uma reclamação, pois sempre assumi os riscos de minhas escolhas. Não reclamo da minha situação financeira atual, tendo que gastar quase metade do meu salário para pagar um aluguel em um quartinho, cercado de pessoas que não sabem respeitar o sono alheio. Que me desculpem os funkeiros educados, mas onde me mudo sempre tem vários para perturbar o ambiente. Sem contar os traficantes e usuários de drogas. Sinto que estou atraindo esse tipo de gente aonde eu vou. Já me mudei várias vezes e sempre é a mesma coisa O local parece um convento quando dou uma olhada, mas, meses depois aparecem os desconhecedores do fone de ouvido para me azucrinar.
   Não reclamo de minha situação financeira pois foi o caminho que escolhi, ser operador de som em firmas pequenas, para poder me divertir e viajar pelas festas principalmente no interior de Minas Gerais. E também tive o prazer de conhecer boa parte da Bahia, Espírito Santo, e as lindas cidades de Recife e João Pessoa.
    Conheci essas lindas cidades sendo eu mesmo, sem bajular ou fingir ser uma outra pessoa. E isso para mim não tem preço. E era um prazer enorme operar uma mesa de som, fazendo parte, mesmo que de forma indireta, da alegria das pessoas, pois, afinal quem tem que aparecer são os cantores.
faz parte do meu ser a liberdade quase que total de ser o que sou...
    Ainda hoje em dia muitos pensam que o ciclo do ser humano é nascer, crescer, casar, se reproduzir e depois morrer. Na minha opinião é nascer, crescer, ser o que é de verdade e aí sim  depois ir dessa pra outra. Casa quem quiser casar e também creio que devemos ter responsabilidade na hora da reprodução, pois hoje em dia devemos infelizmente analisar certas coisas com frieza, pois o dinheiro conta muito, pois temos que procurar dar as melhores condições para nossos futuros filhos crescerem sem os paparicarem muito.
     Você não é casado? Ainda é solteiro? Mora sozinho? Noto um pouco de espanto nas pessoas quando me fazem estas perguntas..
    Mas gosto e desejo a liberdade da solidão. Gosto de não ser compreendido, pois me sinto um pouco escravizado quando sou totalmente compreendido.

Vantagens de morar sozinho

    Gosto de morar só, gosto de beber água na garrafa, gosto de morar só pois não me sinto bem prendendo os meus gases, quero ter o direito de ir e vir para onde bem entender e na hora que quiser. Uma das piores perguntas que me podem fazer é: "Aonde você vai?"....
    Quero ter o direito de ficar calado, ser um pacato cidadão que gosta de passar a maior parte do tempo em seu quarto. Até um serial killer tem o direito de ficar calado quando é preso em flagrante.
Muitas namoradas que tive reclamavam que eu era um cara muito calado, mas o silêncio para mim é quase que sagrado.
    Quero andar pelado pela casa nos dias de calor, sentir o ventilador e não me preocupar se alguém acha o meu bilau pequeno ou normal.
    Quero deixar as coisas desorganizadas, e na organização da minha bagunça saber onde está tudo o que preciso. Essa confusão nem sempre funciona, tem dias que não consigo achar nada, mas já até achei dinheiro que havia perdido dentro do meu próprio quarto.
    E na hora de dormir não quero ter a preocupação se estou puxando demais o cobertor para o meu lado, ou se estou empurrando minha companheira para fora da cama. Às vezes minhas noites são agitadas e não gostaria de ter que acordá-la toda hora.
    Quero ficar só pois não quero engordar como a maioria dos casais. Não sei por que a maioria das pessoas quando casam engordam. Não sei se é acomodação por ter um parceiro (a) garantido (a) ou pelo metabolismo ficar um pouco lento com o passar do tempo. Ou até mesmo por que a companheira faz uma boa comida.
    Mas acredito que seja a primeira opção a maior causadora das gordurinhas indesejadas. Os homens deixam de praticar esportes com os amigos, as peladas do meio de semana ficam para segundo plano, e mal mal jogam a pelada do final de semana ou então vão ao estádio de futebol no domingo, tomando algumas cervejas. Já as mulheres deixam de fazer a caminhada com as amigas?
Mas por que os casais não fazem uma corrida juntos?  O sexo depois de uma boa caminhada é até mais prazeroso, pois as pessoas estão mais relaxadas e o homem não fica com tanta pressa. Quem tem ejaculação precoce deveria experimentar fazer uma "pequena" caminhada de 40km, garanto que iria demorar um pouquinho mais para chegar aos "finalmente"....
     Mas a principal vantagem de morar sozinho é a liberdade de sermos nós mesmos. De ficarmos mal humorados quando estamos de verdade mal. De cantar alto a música que gostamos, de não ter receio de ficar trocando de canal toda hora.
 Obviamente existem desvantagens de morar sozinho. Claro que uns carinhos, uns chamegos fazem falta. Uma massagem, uma boa conversa, sou um cara sapiosexual, pois o que mais me atrai em uma mulher é a inteligência. Não me considero um cara inteligente, sou apenas um cara esforçado e que sempre tentou se cercar de pessoas inteligentes e aprender um pouco com elas. E também me entreter com coisas assistíveis....
    Mas me analisando, cheguei à conclusão de que a melhor companhia para mim é "eu" mesmo. Convivo bem com os meus pensamentos quando estou à noite deitado com a cabeça no travesseiro. Fico sozinho quando estou em meio à multidão...
E assim vou continuar vivendo e lutando pela minha liberdade. Mesmo que custe a minha vida...
Sinto que em minhas veias corre o sangue dos indígenas nativos, que preferiram a morte do que servirem aos portugueses.... 



sábado, 23 de dezembro de 2017

Ajudem a manter o blog

     Hoje não irei falar sobre saúde mental, sobre andanças e nem sobre o que costumo postar normalmente aqui no blog.
Serei o mais breve e simples possível. O titulo da postagem se refere à ajuda para a manutenção do blog, mas não é bem isso. A verdade é que não tenho custo nenhum em escrever estas humildes postagens. Faço tudo isso com o maior prazer, sempre gostei de escrever, e se puder com isso ajudar de alguma forma as pessoas, também estará ajudando a mim mesmo, me tornando uma pessoas mais útil para a sociedade.
    Acredito sim que o que escrevo tenha alguma utilidade sim, pois infelizmente no Brasil o atendimento na área da saúde mental ainda deixa muito a desejar, apesar de alguns progressos. Um atendimento mais humanizado, em que a consulta seja um verdadeiro "Diálogo Aberto" é o que sempre desejei que acontecesse. Mas infelizmente o que vejo é a falta de diálogo e confiança na relação paciente e médico. E também deixa a desejar por falta de estrutura, apesar de termos sim bons profissionais e bem intencionados.
   Mas voltando a questão da manutenção do blog, repito que não existe gasto nenhum.  Já houve algum gasto, quando estava fazendo as minhas andanças e aí tinha que pagar pelo acesso à internet em alguns locais. Mas também repito que foi e é o maior prazer tentar ajudar algumas pessoas, quando estou me sentindo bem.
    Então o que peço nesta postagem não é uma ajuda para a manutenção do blog, e sim para mim mesmo. Estou em uma situação financeira um pouco complicada, pois atualmente estou morando em um local um pouco acima do meu orçamento. Estou morando atualmente neste local pois é o que consegui achar, pois os quesitos que mais aprecio em uma morada são: a paz, a tranquilidade e o respeito. Infelizmente tive que sair de dois locais com um aluguel mais barato devido ao fato de não poder dormir direito, devido à bagunça e a falta de respeito ao sono alheio, já que alguns moradores ficavam até altas horas da madrugada conversando e fazendo outras coisas que não são adequadas em um local onde várias pessoas de hábitos diferente convivem.
   Devido à este aluguel em alguns meses a situação fica complicada, mas dá para ir levando. Poderiam me dizer para voltar a trabalhar. Confesso que se tivesse condições para tal, nem teria cogitado a possibilidade de me aposentar. No momento tenho que ir me virando com o salário mínimo da aposentadoria, ou seja, quase metade do salário é para o aluguel. No momento ainda estou à procura de algum quarto mais barato, mas que tenha o mínimo de tranquilidade, pois sei que as horas de sono são muito importantes para a minha saúde mental. Aliás, é para todos.

    Muitas pessoas já me ajudaram desde que o blog foi fundado. Mas não peço nenhum sacrifício por parte dos leitores. Não é uma obrigação, Qualquer valor é bem vindo, pois com todos ajudando com pouco poderei sair desta situação. O valor pode ser depositado em qualquer agência lotérica ou em qualquer banco e até através do internet banking, na seguinte conta:
Caixa Econômica Federal
   Julio Cesar dos Santos de Oliveira
   Agência 2332 Ipatinga MG
   Caixa Econômica Federal
   Operação 013
   Conta 00035331-3
email: juliocesar_555@yahoo.com
           juliocesar-555@hotmail.com
   Atualmente estou morando em Belo Horizonte, a conta ainda é da cidade de Ipatinga, mas ainda a uso para estes fins aqui no blog, pois não uso o cartão que recebo a minha aposentadoria para outros fins. Também a compra do livro que escrevi me ajudaria bastante, no momento estou vendendo somente no formato PDF, que é enviado através do email ou pelo facebook mesmo.
O link para maiores informações sobre o livro Mente Dividida
http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2012/08/mente-divida-memorias-de-um.html

   Caso não tenha condições de ajudar, não tem problema algum. O blog como já  disse é feito com o maior prazer e sem intenção de algum tipo de retorno financeiro. Só o fato de me sentir uma pessoa útil já é o bastante e suficiente para continuar a escrever. A participação de todos pelos comentários também ajuda bastante a enriquecer as postagens.
Obrigado.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

O natal

    O blog já tem cinco anos de existência. De lá para cá muita coisa mudou, inclusive alguns conceitos e conhecimentos meus também. Afinal, prefiro ser uma metamorfose ambulante...
    As postagens iniciais eram de uma pessoa "novata" no ramo da esquizofrenia, buscando respostas para essa condição que nem sempre encontramos nos consultórios de psiquiatria e psicologia.
    Ainda sei pouco sobre a esquizofrenia, mas ela já não é mais um grande mistério em minha vida. Me lembro que no início dos surtos acreditava se tratar de algo puramente espiritual, e ficava pulando de igreja em igreja, na frustrada tentativa de achar uma solução para essa situação. Mas, sempre quando ia na frente do púlpito na chamada do pastor para a oração, mil caíam à minha direita e dez mil à minha esquerda, mas eu não caía de jeito nenhum... O engraçado nessas "caídas" é que boa parte que reparei caíam de uma maneira que não machucassem a cabeça, igual o seu "Barriga" cai quando leva uma porrada do Chavez.. Ou então sempre tinha alguém no local e hora exata para segurar a pessoa supostamente possuída pelo tinhoso... 
     Nesses cinco anos de blog a minha reação ao natal também mudou. No início ainda acreditava que o natal fosse sinônimo de felicidade, paz, harmonia, etc... Se não estávamos felizes, tínhamos que encontrar um jeito de disfarçar e achar um sorriso no rosto para desejar um feliz natal à todos os nossos conhecidos.
    Na época  do começo do blog estava começando a aprender a usar um PC e boa parte do que assistia vinha da programação da TV aberta, que, nessa época do ano não fala sobre outra coisa a não ser o natal e suas festividades. 

   A TV aberta me obrigava a pensar que natal era sinônimo de felicidade, alegria, que era obrigado a ter grana para sair distribuindo presentes à todos os meus conhecidos.... Confesso que me sentia deprimido e um pouco culpado por não ter tido sucesso financeiro para presentear todas as pessoas que conhecia e que queria bem.  Ficava sem graça em poder apenas desejar um feliz natal. E ficava mais sem graça ainda quando no amigo oculto ganhava um presente super bacana e dava uma lembrancinha meio sem graça. shasuashuashasuahs (hoje posso rir, mas na hora era complicado pra caramba...)
    Natal na TV também é sinônimo de comilança desenfreada. Me sentia mal também em ir à padaria durante o natal e pedir um simples pãozinho com manteiga e um cafezinho bem quentinho. De querer comer um bom filé com fritas. Os programas matinais da TV aberta passam boa parte ensinando todos os anos a fazer rabanetes e outras delícias para serem comidos nesses dias. Mas, foda-se as datas, me empanturro quando quero, como chocolate quando meus níveis de serotonina estão baixos e não por que é páscoa. Só para constar e só para contrariar, não costumo comer chocolates nesta data...
    Minha felicidade, bem estar ou alegria não está condicionada à datas. Me sinto feliz quando estou bem fisicamente e mentalmente. Estou feliz quando estou em paz. Estou feliz quando estou morando em um lugar tranquilo e onde as pessoas se respeitam.
    Ficaria mais feliz se abrisse as páginas na web e visse menos injustiça e violência. Se visse menos gente do mal se dando bem...
    Antes de conhecer a internet ficava horas e horas grudado na TV aberta e me sentia mal nessa época do ano. Afinal, são quase 24 horas por dia nos lembrando que é natal, que temos que ir ás compras, que ninguém pode ficar sem presente. Os programas falam que é natal, os comerciais também. Não tem como escapar. A TV sempre quer nos lembrar que essa época é de paz, alegria, harmonia entre os povos. Já no dia 26 tudo vai voltando normal aos poucos, como se fosse possível desligarmos da realidade, como se houvesse um interruptor em nossas mentes. Mas a campanha é tão forte que algumas pessoas conseguem fazer isso...
    Hoje em dia uso mais a internet para me entreter, e assim pouco sou lembrado de que é natal e que tenho que ser solidário e feliz.
     Hoje escolho o que assistir e a hora que tiver vontade aperto  o play no reprodutor de vídeo.... Quando estava nas minhas andanças, foi possível economizar grana para comprar uma TV LCD e um notebook e assim ver o que quiser na hora que desejar. Bendito cabo HDMI!!!
     Este ano essa data está passando tão desapercebida que me assustei ao olhar a data no pc e constatar que já estamos na véspera do "aniversário de Jesus Cristo...
    Tento ajudar as pessoas quando posso, independente se é natal, procuro ter esperanças sempre, mesmo se não for ano novo...  Procuro ser feliz mesmo se não for carnaval... 
    Mas também não sou radical, não sou contra as confraternizações de fim de ano. Acho legal as pessoas se reunirem, afinal fim de ano é fim de ano. Principalmente acho válido nas empresas essas festas, afinal nem todo ambiente de trabalho é um ambiente legal, as pessoas têm que manter uma certa discrição e um ar sério. 
     Nas minhas postagens anteriores sobre o natal chamo o mês de dezembro de "deprembro", pois a mídia me impunha a condição de ser feliz por causa do natal. E ficava desolado por não me sentir como boa parte das pessoas se sentiam, ou tentavam se sentir...
    Hoje ficaria feliz o ano inteiro se não houvesse e visse tanta corrupção, se fosse atendido dignamente em um posto de saúde, se pudesse andar tranquilamente pelas ruas depois de comprar um celular razoável....
   Se fosse obrigado a mandar uma cartinha ao papai noel ela seria mais ou menos assim: 
   "Caro Papai Noel, no dia 24 não precisa passar aqui em casa não, pois o presente que quero não cabe em uma simples meia. Você já está um pouco idoso e cansado e poupe o trabalho de suas renas.
    O presente que gostaria de ganhar é um mundo mais justo, onde os maus e aproveitadores não se dessem tão bem. Que os políticos safados fossem todos presos. Que os traficantes entrasse em falência e fossem presos, por não terem clientes em busca de alívio de suas dores existenciais com drogas.  E também acho que não fui bonzinho o suficiente para merecer o seu presente"... 
    Então, além de boas festividades, gostaria de desejar à todos os leitores do blog muita saúde, paz, energias positivas. Gostaria de desejar não somente um feliz ano novo, e sim feliz todos os dias de 2019, 2020, 2021...

Obs: estou sempre postando aqui no blog, nem sempre divulgo o que escrevo nos grupos do face, para não torrar a paciência de todo mundo...
    Esta música achei por aí no youtube, claro que não quero matar o papai noel, mas a letra é bem interessante...


terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Galeria de arte

    Sempre que posso estou postando obras de arte de pessoas que têm esquizofrenia ou um outro tipo de transtorno mental. Como já disse repetidas vezes, acredito que exista uma relação forte entre a arte e a "loucura", talvez pelo fato das pessoas ligadas as artes serem mais sensíveis.
    Desta vez estou publicando um poema do Elon Fábio Ávila.
    Caso queira ter sua obra publicada no blog entre em contato comigo, ou através dos comentários no blog ou pelo email   juliocesar-555@hotmail.com


Passa, vai passando...
O tempo em minha volta.

Folhas dançantes, sob os ventos uivantes...

Condensam-se as chuvas, 
que a seca matará.

E a corrida pelos férteis,
já irá começar...

Pássaros cantantes irão chegar.

O glorioso pavão, 
suas plumas vão mostrar

O majestoso alazão, 
rinchos irá soltar...

As 5 da tarde, o Sol começa a abaixar...
E a linda Sabiá... 
Ainda que sem fôlego, 
Canta, que chega a delirar !

Ao relento da noite a festa continua.

Sob a luz do luar, 
os anfíbios vem a cantar.

E na orquestra dos bichos, 
as cigarras, não podem faltar !

O luar se vai...

E a escuridão se alastra

E nela, 
pequenos pontos cintilantes, 
começam a piscar.

E em pouco tempo, 
dezenas destes, 
pairam pelo ar.

E naquele show de luzes, 
a festa continua.

Já são 6 da manhã...E o cacarejo? 
Não há de faltar !

Começa um novo ciclo da vida; 
A corrida por um lar...

O Bem-te-vi 
alguns galhos,
vai precisar !

Já o João-de-barro,
somente do barro, 
irá necessitar.

O Pica-Pau, 
uma árvore irá bicar !

E as iguanas, 
um buraco cavará...

Vai e vem, destes ciclos, 
e eu aqui, 
em minha cadeira.

E ao piscar dos meus olhos, 
volto ao estado a devanear

Solitário sou eu. 
preso estarei, 
a este mundo cinza, em que a minha mente 
se perdeu...

domingo, 10 de dezembro de 2017

A difícil arte da diversão para um esquizofrênico...

                                                              Um cara de sorte....

  Outro dia desses estava de bobeira, como sempre, viajando pelas ondas da internet, sempre deixando a aba do facebook aberta, quando, de repente vejo na página do grande Zeca Baleiro que ele estaria aqui em Beuzonte em um grande show em homenagem ao grande compositor Vander Lee, que infelizmente não está mais entre nós. Quem acompanha o blog sabe o quanto admiro esses dois compositores. 
   Despretesiosamente escrevo na timeline do Zeca que gostaria de ganhar um ingresso para o show, pois a grana estava por demais curta. E continuei a minha navegação na internet, sem esperanças de que o meu pedido fosse visto. Na verdade tinha uma pequenina esperança sim, mas muito pouca mesmo. E não é que, quando retorno ao facebook me deparo com uma pessoa desconhecida me oferecendo o ingresso? 
    E agora? pensei... Sou um grande fóbico social, não vou à um show desde 2004, quando desisti definitivamente de trabalhar. 
     Não vou conseguir ir à este show, mas também seria uma enorme desfeita recusar a generosidade daquela mulher. Então, me dei mais esta missão: ir ao show do Zeca Baleiro, no palácio das artes provavelmente lotado, e sem um miligrama de diazepan na cachola...
    Não gosto de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas, e sei que vou conseguir vencer essa minha dependência química do "pan nosso de cada dia"...


    Dito e feito: domingo saí de tarde para almoçar e fiquei de bobeira até as sete horas da noite, horário combinado para pegar o ingresso com a Fabiana (nome fictício), em frente ao Palácio das Artes. Minha mania de perseguição é tão grande que tenho a certeza absoluta que as pessoas que querem me prejudicar também irão querer prejudicar a quem me dá uma ajuda, por isso coloquei o nome fictício.
    No horário marcado ela apareceu, vestida conforme combinado no facebook. E a foto do perfil dela é atual, então não foi muito difícil reconhecê-la. A cumprimentei e, sorridente me  deu o ingresso que, para minha surpresa era da primeira fila!!! Fiquei sem entender nada, e muito menos consegui encontrar palavras para agradecer aquele gesto. Uma pessoa logo apareceu perguntando se eu queria vender o ingresso, o que recusei, é claro. Dinheiro no mundo nenhum valeria a chance de ver um show com três grandes compositores homenageando um outro grande compositor que é o Vander Lee. Apesar da grana estar curta nem cogitei em vender aquele ingresso, que deveria valer uma boa grana, mas não sou e nem tenho a pretensão de ser um cambista, ainda mais com um ingresso que me foi dado... 
   O motivo desse show é um pouco triste. O Vander Lee gravou um DVD no meio do ano passado, no Rio de Janeiro. Era em comemoração dos seus vinte anos de carreira, mas,  um mês e meio depois veio a falecer, para a enorme tristeza de seus muitos fãs no Brasil inteiro. Então o projeto  não foi finalizado e o Zeca Baleiro e o Maurício Tizumba resolveram fazer esta homenagem para concluir a edição deste DVD. 
ingresso para a primeira flia!!!
    Já tive algumas chances de ir ao show do Zeca Baleiro, até quando morava em Ipatinga, mas minhas paranoias e pensamentos persecutórios falaram mais alto naqueles dias e então resolvi ficar em casa mesmo, como sempre faço todas as noites. Percebi que a situação era grave mesmo quando o meu time foi jogar em Ipatinga e eu não fui ao estádio, que ficava a menos de 1km de onde morava... 
     Entrei no palácio das artes e nem sabia o que fazer com aquele papel impresso. Fui na bilheteria pensando que teria que trocar por um ticket, mas era só apresentar na entrada do teatro que o funcionário com o leitor de código de barras iria verificar a autenticidade do ingresso. Antes havia comprado uma pipoca, pois sempre procuro algo para comer quando estou ansioso. 
   Fui para o meu lugar meia hora antes do show. Obviamente estava tenso e um pouco travado. Então  coloquei o meu disfarce de "gente normal" que acredito ser bem convincente, pois a maioria das pessoas quando me conhecem não dizem que tenho algum tipo de transtorno mental... Mas acho que elas enlouqueceriam se em suas mentes se passasse por alguns segundos o que sempre passa em minha cabeçona...
    Fiquei no meu assento, e feliz por ter encontrado um amigo que não via há uns vinte e cinco anos atrás: o operador de som do show era simplesmente um cara que começou a trabalhar juntamente comigo em uma empresa de sonorização aqui em Belo Horizonte. Como ainda estávamos aprendendo o ofício, passamos momentos difíceis montando e desmontando  equipamentos de som em algumas festas e shows aqui em BH. Mas hoje ele é um grande operador de som e fiquei feliz em saber que está bem e sendo muito requisitado pelas bandas aqui de Minas Gerais. 
    Aos poucos o teatro foi se enchendo até ficar completamente lotado. Afinal, são três grandes artistas reunidos para homenagear um outro grande artista que se foi o Vander Lee.
    Como me havia prometido, nem levei uma cartela de diazepan no bolso. Era um risco e tanto, mas gosto desse tipo de desafio. Eu, que em 2002 estava nas ruas de Belo Horizonte, com 25kg a menos, comendo lixo e pensando que o mundo iria acabar, agora estou no palácio das artes assistindo como um ser humano qualquer um show de seu cantor preferido. 
    Eu que, por volta de 2003 não conseguia sair de casa em uma pequena cidade do interior de minas sem uma cartela de diazepan que logo ficava desesperado e tinha que voltar correndo para buscar o meu SOS. Certa vez quando esqueci e estava longe de casa, corri até a uma padaria e me empanturrei de torta de chocolate até quase não conseguir andar direito. A  "emapanturração" serviu para me acalmar, mas minha barriga também estava a ponto de estourar. O chocolate e as massas realmente me dão uma acalmada...
   Mas voltando ao show,  a campainha soa pela primeira vez, para avisar que o show iria começar em dez minutos. O público não fala muito e a acústica do teatro é muito boa, o que não faz aquele burburinho de vozes ficar quase que insuportável para mim.
    Estou relativamente tranquilo e feliz comigo mesmo. Estava tenso, mas confiante de que não iria sair correndo para fora do teatro durante o show. 
    E a campainha do teatro soou pela segunda vez anunciando o início do show. Silêncio na plateia e o show se inicia com o Maurício Tizumba, que também é humorista, fazer a primeira parte do espetáculo. O som está alto, mas muito bom. Como disse, ganhei o ingresso para a primeira fila, e estava de frente para uma caixa de som. Mas o som mesmo alto não estava ferindo os ouvidos, devido a qualidade dos equipamentos de hoje em dia. E também graças as mãos e ouvidos do meu amigo operador de som. 
Chico Cesar fez um grande show... 

     O show tem um leve clima nostálgico, mas até que o Maurício Tizumba com o seu humor faz a plateia rir por diversas vezes. Saiu muito aplaudido e logo depois entrou o Zeca Baleiro. O som ficou melhor ainda, pois a voz dele é mais para o grave e não tanto aguda. Ele falou pouco, creio que pelo motivo da homenagem ser o DVD das músicas do Vander Lee. Mas foi muito aplaudido também. Timidamente tiro o meu velho celular para tirar umas fotos, os vizinhos de acento estão filmando com celulares muito melhores e mais modernos. Até que tinha um celular razoável, que acabei vendendo, pois a situação aqui em Belo Horizonte está complicada e estão matando quem reage à assalto de celular. Agora posso andar tranquilo pelas ruas pois o celular não está muito e para completar, uso um papel de parede que simula uma tela quebrada... 
  Depois que perdi a timidez do meu velho celular tiro mais fotos e até gravo um trechinho de uma música. O áudio saiu bem distorcido, pois como já relatei, estava bem em frente de uma caixa de som. Afinal, não vou à um show há bastante tempo e esqueci que tinha que diminuir o volume do microfone. Mas logo coloco o celular no bolso, não consigo curtir um show e filmá-lo ao mesmo tempo... Temos que sentir o som, os instrumentos, a atmosfera do show... 
   Já no meio do show estou um pouco menos tenso e até bato palmas para acompanhar as músicas. Mas o desconforto ainda é muito grande, não adiantando dizem em pensamento para mim que as pessoas foram ao teatro para ver o show e não ficar me observando. E ainda tem as câmeras que estão gravando o show, o que aumenta e muito a sensação de estar sendo observado.  Rapidamente uma timeline se passa em minha mente e relembro dos shows que via antes dos surtos... Ficava completamente distraído, não reparando em nada à minha volta, somente os olhos voltados no palco e os ouvidos nos instrumentos... Meus olhos ficam um pouco marejados ao lembrar desses bons tempos e também por causa da lembrança e das homenagens ao Vander Lee, que parecia ser um cara tipicamente mineiro, pelo seu jeito de falar nas entrevistas que eu vi.
    Incrível como a plateia interage com os músicos, não sabia que  o Vander Lee tinha tantos admiradores, o que me faz sentir melhor, pois é bom ter um gosto musical diferente da maioria, mas também nem tanto diferente, para não me sentir um grande extraterestre.

    O show vai chegando ao fim, e para deixar meus olhos mais marejados ainda, a última música quem canta é o próprio Vander Lee. Não, ele não ressuscitou, é que o telão do teatro  foi abaixado e rodaram um vídeo com ele cantando, e a banda acompanhou a música ao vivo, ou seja, foi uma música ao vivo com o falecido cantando,  acho que expliquei bem a situação...
   Muitas e demoradas palmas no final.  Olho ao redor e vejo que há um misto de emoções na plateia. Deu para notar algumas com os olhos marejados, e outras sorridentes, por causa do grande show que tinham acabado de ver. No meu caso estava também com essa mistura de sentimentos. Triste por saber que não existirão novas composições do Vander Lee, e alegre e aliviado por ter conseguido vencer mais este pequeno desafio. Espero calmamente sentado no meu banco a maior parte da plateia sair para poder ir embora. Estou um pouco mais leve, pode parecer pouca coisa, mas não é para quem estava praticamente morto por volta do ano de 2003 e que desde então não conseguia ir a um show. 
   Antes de sair do teatro, vou a mesa de som e cumprimento o meu amigo operador de som pela qualidade do áudio. Técnico de som é igual juiz de futebol, é muito importante mas não pode aparecer para a plateia. Se aparece é por que algo não está acontecendo do jeito que deveria estar acontecendo. 
   Vou para casa a pé. Foram quatro quilômetros que andei sem maiores problemas, parecia que estava 10kg mais leve. Analisei o meu comportamento durante o show e acho que o meu disfarce de gente normal foi realizado com sucesso, foi difícil esconder o meu entusiasmo, pois parecia uma criança quando vai à praia pela primeira vez ou então um cachorrinho quando ouve o barulho da corrente quando seu dono a pega para passearem juntos...
    Infelizmente sei que nem sempre vou ter esse tipo de diversão, acredito que mais dia menos dia a mania de perseguição e algumas vozes irão tirar o prazer de uma saída de casa. Mas não vou desistir, a vida é feita de desafios. E ultimamente tenho voltado a gostar dos desafios, do bom combate e da boa luta... Quem sabe um dia se o Yanni voltar ao Brasil eu consiga ver um show desse cara. Quando estive em São Paulo, no ano de 2014,  cheguei a ir ao ginásio do Ibirapuera, mas resolvi não comprar o ingresso, pois não saberia como iria me sentir. 
    O "show homenagem" foi demais, recomendo a todos que assistam quando os caras estiverem em sua cidade. Me considero um sortudo, apesar de tudo. Afinal ganhei um ingresso para assistir um dos meus cantores prediletos e ainda na primeira fila... 
   A luta continua, um passo de cada vez e acredito que ainda terei mais desafios pela frente.
   Abraços à todos e até a próxima postagem.