quarta-feira, 13 de junho de 2012

Esquizofrenia: mitos e verdades

  Vamos começar com uma piada, para nos divertirmos um pouco, apesar de ser um assunto delicado:
  "Certo dia, um empresário ia dirigindo confortavelmente sua bmw, quando, de repente, uma das rodas se soltou, e então ele teve que parar o carro. Constatou que o motivo eram as porcas que não foram bem apertadas e se soltaram, sumindo no caminho. Quando ia chamar o reboque pelo celular, um cara que estava sentado no muro do hospício deu a dica:
  - É só você pegar uma porca de cada roda e assim vai dar para colocar o pneu de volta!
    O empresário, surpreso com a astúcia do cara, perguntou:
    - Ué, mas você não é doido?
    - Posso até ser doido, mas não sou burro!- respondeu prontamente o cara do muro do hospício. 
    Vou relatar um pouco sobre os mitos e verdades sobre a esquizofrenia baseado em minhas vivências como portador dessa patologia. Como sempre gosto de frisar, a minha intenção é de falar de uma maneira simples sobre a esquizofrenia, pois sites feitos por psiquiatras e psicólogos não faltam na internet, o que é bom também pesquisar, e faço isso sempre, para tentar entender melhor esse transtorno e, consequentemente, a  mim mesmo. Minhas ideias e opiniões são sobre a esquizofrenia paranoide, que é a mais comum e é a que eu tenho, segundo o CID, que é o código internacional de doenças. Ela é classificada com F-20. Costumo pregar uma peça nas pessoas:
    -Eu tenho F-20.
    -Você comprou uma caminhonete?
    -Não, é só esquizofrenia mesmo.
    Depois de algum tempo tentando negar o transtorno, enganando as pessoas e principalmente a mim mesmo, resolvi admitir que tinha esquizofrenia, mesmo não gostando muito desse nome. Bem que poderiam mudar o nome né? Já repararam que, de uma hora para outra, apareceram um monte de bipolares, e que até virou modelo de perfil para o orkut? É que antes o portador desse transtorno era chamado de maníaco depressivo, mas, agora hoje em dia, bipolar virou doença chique, coisa de artista. Até a chata da Rita Lee virou bipolar. rsrsrs
    Voltando ao assunto, não dava para ficar mentindo o tempo todo para todo mundo, tanto no mundo real como no virtual( pois faço da internet uma extensão da vida real). Então, quando falava a verdade para as pessoas, sempre surgiam aquelas perguntas inoportunas. As respostas abaixo eu não dei, só ficaram entaladas em minha na garganta mesmo:
    - Se você é doido, como é que você tá falando?
    - R: Eu tenho esquizofrenia, não sou mudo e nem cortaram minha língua!
    -Se você é doido, então como se lembra das coisas?
    -R; Tive surtos psicóticos, não sofri de amnésia!
    - Se você é doido, então como consegue mexer no pc?
    -R: Sou esquizofrênico, não sou desprovido de inteligência.
    Mas, brincadeiras à parte, essas e outras perguntas me foram feitas realmente. e tentei esclarecer da melhor maneira possível o que é esquizofrenia. A partir dai, senti que poderia ajudar um pouco a desmitificar  um pouco esse transtorno tão cercado de mistérios.
  Um dos principais estigmas é em relação à inteligência mesmo. Muitos ainda confundem esquizofrenia com retardo mental. Um estudo feito por franceses indica que o autismo, o retardo mental e a esquizofrenia possuem as mesmas bases genéticas. Mas isso ainda não passou da fase de estudos e nada foi comprovado ainda.
http://www.bancodesaude.com.br/guia-saude/243908102009-autismo-retardo-mental-esquizofrenia-tem-bases-geneticas-iguais
   Mas, falando por mim, acho que a esquizofrenia não atrapalhou em nada a minha capacidade de raciocínio. Não cheguei a ser um aluno brilhante, pois não gostava de estudar e ficar decorando as matérias. Porém, quando queria, tirava excelentes notas e nunca tomei bomba na escola, enfim, estudava o suficiente para passar de ano. Mesmo após os surtos, não cheguei a sentir nenhuma alteração em relação ao meu raciocínio. Cheguei a fazer um curso de informática mais para checar isso. A única coisa que senti e que talvez atrapalhe um pouco o raciocínio, é que, depois dos surtos, diante de uma questão ou uma decisão a ser tomada, inúmeras informações circulam em minha mente em uma velocidade incrível. Isto chega a me atrapalhar, às vezes, principalmente quando tenho que explicar algo, como foi o que aconteceu nos vídeos do youtube, pois, enquanto falava, inúmeros pensamentos tomavam conta de minha mente. Então tenho que me policiar para saber se o meu discurso não está sendo um pouco confuso. Dai a minha decisão de escrever este blog do que ficar gravando vídeos para o meu canal no youtube.
    Em relação aos meus amigos portadores de esquizofrenia, sinto que, como nas pessoas ditas normais, existam pessoas de todos os níveis intelectuais. O que acho que ocorre, ás vezes, é que o medicamento pode deixar a pessoa lenta, tanto fisicamente como mentalmente. Se ela não achar uma dose ou um outro medicamento que se sinta melhor, acho que pode correr o risco de sofrer alguma sequela.(isso é uma opinião minha, gostaria de deixar bem claro).
    No meu primeiro post, coloquei um vídeo em que o Jô Soares entrevista o especialista em esquizofrenia Rodrigo Bressan, e ele diz que na média os esquizofrênicos tem uma inteligência um pouco abaixo da média. Quem sou eu para questioná-lo, pois ele convive e trata pacientes todos os dias e deve saber bem o que está falando. Mas, e os esquizofrênicos que não se tratam e que conseguem levar a vida sem se medicarem, com medo de serem rotuladas como loucas e perderem seus empregos? Não vou me estender mais sobre o estigma da inteligência, se puderem deem uma olhada sobre esquizofrênicos famosos e inteligentes. Um dos mais conhecidos é o matemático John Nash, que chegou a ganhar o prêmio nobel de ciências contábeis.
http://pt.wikipedia.org/wiki/John_Forbes_Nash
    Um outro mito que cerca a esquizofrenia é de que todos os esquizofrênicos são agressivos e perigosos. Alguns até são, quando estão ensurtados e em crises. Quando estão estabilizados, não representam nenhum perigo à sociedade. As aparências enganam e muito.
Alguém poderia dizer que a dona desse rostinho angelical, que é a Elize matsunaga, seria capaz de matar e esquartejar o próprio marido, por motivo de traição? A solução mais simples não seria a separação? Olhando de perto, parece uma boneca de porcelana, quem diria que seria capaz de um crime tão frio?
Na verdade, os esquizofrênicos fazem mais mal a si próprios do que aos outros. Segundo pesquisas, cerca de 2% a 13% dos esquizofrênicos cometem suicídio, e que os mesmos tem um risco de 10% a 20% maior de que a população em geral de cometerem suicídio.
    Vale a pena também lembrar que grande parte de moradores de rua que vivem isolados são esquizofrênicos. A maioria sai de casa sem avisar nada e muitas vezes não voltam mais, como foi o meu caso. Basta olhar alguns cartazes de pessoas desaparecidas. Se não foram sequestradas, com certeza foi algo relacionado a problemas mentais, basta olhar embaixo no cartaz, geralmente tem escrito: "Tem problemas mentais".
    Um outro mito complicado que cerca a esquizofrenia é em relação a questão espiritual. Infelizmente, por falta de conhecimento e ignorância, muitos pastores confundem surtos psicóticos com possessão demoníaca.
    Então levam o esquizofrênico para a igreja, lhe dizem um monte de coisas e ai tentam expulsar o "amornado" do indivíduo. A pessoa não melhora do surto psicótico, pelo contrário, só piora. Então, o portador chega a pensar que seu caso não tem solução e a igreja acaba lhe vendendo a solução:
    Eu mesmo, durante os momentos difíceis, cheguei a frequentar algumas igrejas para me livrar do "amornado", que, supostamente estava em meu corpo. Em alguns cultos, as pessoas ao meu lado caiam, mas eu continuava em pé. Fiquei pensando que meu caso não tinha solução e que o único caminho seria me matar. Nas, igrejas não recebi nenhum conselho sobre transtornos mentais ou para procurar um tratamento. A única coisa que me diziam que aquilo era coisa do demônio e que deveria insistir mais. Acho que os pastores em geral deveriam estudar um pouco sobre psicologia e comportamento humano também. Acho que até que fazem isso, mas com a intenção de conseguir dinheiro explorando a fé do povo, como no caso do vídeo acima. Espero que os evangélicos não se sintam ofendidos, tenho muita gratidão á eles, pois me ajudaram em muitas ocasiões. Estou falando dos maus pastores, que, felizmente são minoria, mas que causam um dano terrível, devido ao poder econômico que algumas igrejas têm.
    Nesse exato momento, me lembrei do pastor Márcio, de Belo Horizonte, que também é psicólogo. Ele me atendeu gratuitamente e com a maior boa vontade durante o período em que estava nas ruas. Eu chegava sujo e meio fedendo no consultório dele, mas ele me atendia com muita alegria e me ajudou muito. Eu não gosto de ficar só criticando, quando é para se elogiar e falar bem, eu também falo, só não vou dizer o nome da igreja dele, pois a minha intenção aqui não é de discutir religião.
Uma coisa interessante e até engraçada é sobre o número 22. Não sei se isso acontece em todas as regiões do Brasil, mas aqui onde moro esse número é relacionado à loucura. A origem disso não sei exatamente, mas o "Dr. Google" me disse que a carta 22 do tarô é a do louco e significa busca, desapego, impulso e excitação. Talvez a relação com o número 22, venha das cartas de tarô mesmo, pois no jogo do bicho são só bichos mesmo.
  Bem, pra finalizar, a esquizofrenia é uma patologia mais ou menos parecida com a diabetes ou com a hipertensão que, se for controlada, dá para se viver normalmente, realizando todas as atividades que uma pessoa qualquer faz. Digo mais ou menos parecida, por que já ouvi dizer que é a mesma coisa, mas não é bem assim, por que o cérebro humano é bem mais complexo do que um fígado ou um rim, que hoje em dia podem ser transplantados.
   É isso ai, me desculpem se o post foi um pouco extenso, mas falar sobre esquizofrenia é uma tarefa um tanto o quanto complicada, ainda mais para um esquizofrênico como eu, que ás vezes se perde um pouco no meio de tantas informações. Obrigado a todos e até o próximo post.


             "A única diferença entre a loucura e a saúde mental é que a primeira é muito mais comum."
              Millôr Fernandes

102 comentários:

  1. Olá Júlio como vc disse acho que a esquizofrenia não altera a percepção de raciocínio e inteligencia, muito pelo contrário, acho que os esquizofrenicos em sua maioria são muito inteligentes, inclusive você que escreve tão bem..não concordo com o que o psquiatra Rodrigo Bressan disse sobre os esquizofrenicos serem inteligentes abaixo da média..muito pelo contrário..bom é isso espero que continue escrevendo pois é um prazer ler o seu blog. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acho o que ele disse um pouco discutível, pois a maioria dos portadores que conheço tem uma inteligência acima da média. Sem contar os que preferem não se tratarem e não são diagnosticados, com medo do preconceito e até mesmo de perder o emprego.

      Excluir
    2. Ja ha muito que tento conversar com alguem portador dessa Pois ha muito que esse disturbio me atormenta, li seu post com muito gosto e reli o varias vezes e concordo com o q voce diz.. se puder me deixe resposta.. atenciosamente

      Excluir
    3. Minha mãe era esquizofrênica em um tempo onde parte do tratamento eram choques... Hoje , temo sofrer do mesmo mal, mas uso minha inteligencia que , modéstia parte é muito boa, para disfarçar, e tenho conseguido até aqui. Contudo por vezes 'viajo" em um mundo paralelo onde sou outra pessoa... É muito difícil viver assim, e temo perder o controle dessa situação. Será que tem alguem aí que pode me ajudar? Sem remédios é claro!

      Excluir
    4. Olá Anônimo! Eu gostaria muito de poder ajudá-lo, pois sofro exatamente a mesma situação. Eu tenho um pai e um irmão esquizofrênicos, cresci longe deles, pois fui adotada, ninguém da minha família sabe que tenho esse problema também, pois escondo bem. Só me taxam de anti-social. Também temo perder o controle da situação. Algo que tem dado certo no meu caso é interagir com as outras pessoas, por mais que seja difícil ou pouco atraente, temos que fazê-lo. Um abraço, cuide-se.

      Excluir
    5. Na minha opinião, quando este médico falou que os esquizofrênicos tem inteligência abaixo da média, ele provavelmente não mentiu. Mas poxa, tem tipos de esquizofrenia (a infantilizada, por exemplo) cujos pacientes de fato tem sua inteligência afetada negativamente, o que levaria à conclusão de que, em média, os esquizofrênicos tem inteligência abaixo da média.
      Pensando em números: se a cada 10 esquizofrênicos, um é infantilizado (e digamos que ele tenha inteligência 50% inferior à média da população), outros 8 esquizofrênicos tiverem inteligência 3% acima da média da população e o outro tiver a inteligência 16% acima da média.
      9 dentre estes 10 são acima da média, mas por causa de um que destoa negativamente, o grupo todo terá, em média, inteligência 1% abaixo da média...

      Excluir
    6. Que troca maravilhosa isso aqui. Cada post e comentários fico mais encantada.

      Excluir
  2. É muito bom ler seus posts e quebrar todos os paradigmas negativos sobre a esquizofrenia! Me sinto muito melhor com as informações vindo de você que é portador do que de pessoas que acham ue sabem como é sentir isso na pele. Como eu disse num post anterior, a menina que eu tava me relacionando tem esquizofrenia. Infelizmente ela chegou a um estágio que teve de ser internada. Ela perdeu 20kg e ninguém conseguia fazer ela se alimentar (sendo que ela já era bem magra)... Fico triste com isso, mas tento esperar a hora de ela sair e conto os dias pra ver ela bem de novo... uma das primeiras coisas que farei vai ser indicar seu blog pra ela se entender. Muito obrigada por ter voz na internet e confortar tanta gente!
    Tenho uma dúvida: Quanto tempo em média dura uma crise de ensurtamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mais uma vez por visitar o blog. Quando ela sair da internação, faça ela se informar sobre o assunto, eu sempre indico o filme "Uma mente brilhante", pois ele é baseado em fatos reais. Conhecer pessoas que tem o mesmo transtorno talvez ajude também, procure se na sua cidade não existe alguma associação para portadores de transtornos mentais. É difícil no começo aceitar o diagnóstico.
      Em relação a duração de uma crise, isso depende do caso. Perguntei a vários amigos meus, e uns disseram dez dias, outros três meses. Isso por que foram internados. No meu caso por exemplo, não cheguei a ser internado pois moro sozinho e não era agressivo nos surtos, e ia então para as ruas, me lembro que o primeiro surto durou cerca de quatro meses para me recuperar totalmente. Mas, como ela está internada, creio que não vá demorar muito, e você irá conversar com ela normalmente.

      Excluir
    2. Sei que é um comentário de 2012, mas se puder responder agradeço muito.

      Meu cunhado, (segundo nossas conclusões, já que não vai a médicos e não temos um diagnóstico), tem esquizofrenia.
      Com o mesmo "detalhe" que a sua - ele não é agressivo. Ele mora na rua há +- 20 meses e evita contato com as pessoas pois estão todos "corrompidos". Como ele não é agressivo, não é visível seu surto, então não conseguimos apoio médico do Estado.

      No seu caso, como foi esse início de tratamento? Como foi que você se convenceu de que precisava ajuda? Em outro tópico você comentou que estava dormindo em frente a um prédio e o porteiro saiu conversar com você e você sentiu confiança. Foi mais ou menos isso? Quando o surto estava passando você conseguiu aceitar ajuda de um estranho? Você acha que é só assim mesmo que seria possível "despertar"? Alguma dica de como identificar quando um esquizofrênico não violento saiu do surto?

      Excluir
    3. Olá, realmente o pessoal do sus só acha que é preciso acompanhamento quando a pessoa está surtada. Não pensam na prevenção, quando uma pessoa apresentam alguns sintomas. Para se ter uma ideia, foi uma dificuldade trocar o meu medicamento que pegava no posto de saúde. Demorou quase um mês. Acho que o seu cunhado deveria antes de tudo passar por um bom terapeuta, mas, como estamos no Brasil acho isso meio difícil. No meu caso, no primeiro surto foram quase cinco meses nas ruas. O processo para sair do surto foi bem lento, acho que a fraqueza causada pela falta de alimentação funcionou como um sossega leão. Eu vi que precisava de ajuda no momento em que sai do primeiro surto. Tive que surtar e passar por situações complicadas para chegar à conclusão de que havia algo de errado comigo.
      Em relação ao porteiro do prédio, ele foi muito importante na minha recuperação, pois foi uma das primeiras pessoas com quem conversei por um bom tempo. É muito difícil identificar se uma pessoa não violenta saiu do surto ou não, acho que só um profissional mesmo. Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  3. http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/esquizofrenia/esquizofrenia.shtml

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa a matéria, principalmente no que diz respeito a dopamina.

      Excluir
  4. Muito bom Júlio, continue sempre postando, pois creio que estás fazendo um trabalho de cunho social importantíssimo! Sempre vou indicar seu blog para pessoas que procuram por respostas! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, fico muito feliz por gostar e indicar o blog para outras pessoas. Isso me dá forças para continuar. Abraços e felicidades por ai.

      Excluir
  5. Faz mais vídeos!!! Os dois que já fizestes estavam ótimos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou tentar continuar com os vídeos, apesar de não me sentir a vontade de ficar em frente à câmera. Algumas pessoas pedem para continuar mesmo, vou ver se acho alguns temas para postar.

      Excluir
  6. Olá júlio!!!
    sou psicóloga e vou dizer...muito bom seu blog, importante vc escrever sobre esquizofrenia tendo o transtorno, uma visão de vivencia mesmo, pois sabemos ou procuramos saber sobre esse transtorno na literatura e nem sempre temos o real significado de tudo isso!!
    Parabéns, continue escrevendo que eu continuarei lendo, rsrsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Elisangela por visitar o blog. Quando ainda estava assustado, depois do meu primeiro surto, inúmeras dúvidas tomaram conta de minha mente. Procurei em livros e depois na internet informações sobre o assunto, e notei que, a esquizofrenia era informada em uma linguagem muito científica. Hoje, depois de passado o pior, e de ter me informado sobre o assunto, resolvi passar a minha experiência(na prática rsrsrs) de uma maneira simples, tanto para quem tem o trastorno como para parentes e amigos dos portadores. A minha intenção é escrever, não só sobre a esquizofrenia, mas também sobre outros assuntos, mas sempre relacionados ao comportamento humano, que é um tema que me fascina muito. Qualquer sugestão, pode postar nos comentários, que eu seu puder ajudar, falarei também.

      Excluir
  7. Oi Julio, vc tem um email de contato.. queria muito tirar um duvida... tenho um membro querido na familia que é F200 eu queria muito falar com vc..

    ResponderExcluir
  8. Eu sempre me senti com uma inteligencia um pouco abaixo da media, mas pelo que eu pesquiso, os esquizofrenicos, tem um problema relacionado ao "processamento" de informação, o cortex prefrontal, em alguns pacientes esta debilitado, e é o cortex prefrontal que vc usa pra tomar decisões, resolver problemas, se emociona, e desenvolver teu raciocinio, eh ali que vc "processa", o que vc le etc, acho que eh uma das areas p isso. mas,nao é nada tao ruim, nada que impessa de uma pessoa com esquizofrenia paranoide, achar uma dose certa pro remédio, durmir bem, e buscar um emprego, estudar, desde que tenha tempo, e vontade, no site entendendoaesquizofrenia.com.br, li um artigo sobre uma professora de direito, ela se formou, tem phd, da aulas, e tem esquizofrenia, e tem a vida independente(tem a grana dela), com algumas limitações que a doença impoe, mais apatia etc, ela se esforçou, e tal, nada impede de alguem mesmo com alguma limitação vencer, pq p mim, a gente tem que lutar com as forças que tem, nao da pra fica olhando pro lado, pra alguem melhor por exemplo, e com isso ficar parado, o que tem que se fazer é lutar com as forças que se tem.. e nao desistir de estudar ou arrumar um emprego, desistir eh burrice, nao é esquizofrenia..

    ResponderExcluir
  9. muita gente tem opinião bem diferentes, li u primeiro comentario do rodrigo desse post, e lembrei dum professor de medicina, que falou, que tinha um rapaz com esquizofrenia na turma dele, e era o que mais produzia artigos p ele, acho que ele tava fazendo mestrado ou residencia, nao recordo. bom, mas ele quis dize, que o rapaz nao tinha limitações, parecia normal e ate bem inteligente pelo que ele falou.. o que a gente tem que levar em conta, é que ninguem é igual, nem por fora, nem por dentro, existem pessoas com esquizofrenia, mais inteligentes, outras menos, outra com limitações, ninguem é igual, nao da pra dize "todos os esquizofrenia tem uma inteligencia abaixo da media", ninguem é a mesma pessoa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você,acho que rotular as pessoas em qualquer caso é complicado. Cada pessoa tem suas particularidades, e os esquizofrênicos não são todos iguais.

      Excluir
  10. Oi Júlio. Tenho 17 anos e já faz dois anos que tive meu primeiro surto.Sofri muito com a doença, pois não pude frequentar a escola normalmente.Passei muito tempo sem sair de casa, só agora estou retomando minha vida.
    Estou adorando seu blog, é muito importante mostrar a visão de um portador, só o esquizofrênico sabe o que é viver com essa doença, e a luta que é não deixar a vida ser consumida por ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, no começo é dificil aceitar, ficamos até perguntando a Deus o que fizemos para merecer ser um portador de esquizofrenia. Não é fácil adquirir forças para continuar, mas não é impossível não. Obrigado por visitar o meu blog.

      Excluir
  11. Boa noite Júlio! estou visitando este Blog pela primeira vez, estou sofrendo muito por ser mãe de um rapaz esquizofrênico. Sou evangélica, e concordo com tudo que você postou: muitas vezes determinados"pastores", confundem esquizofrenia com "demônios", e isto nos entristece muito. Sei que Deus pode curar qualquer doença. Sei também que Ele sabe de todas as coisas. Meu filho não quer trabalhar, não quer estudar, e não quer viver socialmente. É muito triste para uma mãe ver um filho assim. Está fazendo tratamento com RESPIRIDOM e ANAFRAMIL. Graças a Deus não fala mais em se matar. Ele toca teclado, violão, aprendeu sozinho. Tem 25 anos, e já luto há dez anos com isso. Tem dias, como hoje, que cismou em cortar o cabelo que já está curto ( máquina 2), toda hora se olha no espelho. É um rapaz lindo, tem os olhos claros. Se acha feio, e a alto estima é muito baixa. Só Deus para nos dá forças. Adorei seu Blog. Continue escrevendo. Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  12. ...Oi..

    Li seu blog..me interessou....gostaria de poder conversar mais contigo..Fui diagnosticada ha anos atras como bipolar..porem vejo que me aproximo mais de uma esquizofrenia...Tenho problemas cognitivos severos...uma dificuldade enorme de me relacionar a ponto de as vezes nao poder estar perto de ninguem..sou hiperativa demias e minha memoria esta muito afetada..a curta sobretudo...fiz testes com uma psicologa...tenho delirios de perseguicao terriveis.imagino sempre o pior o tempo todo e crio quase que filmes reais em minha cabeca...depois entro em panico pois chega a ser muito real...perco o controle..me isolo..tenho dificuldades em fazer as coisas do dia a dia...minhas coisas sao uma bagunca total...pra sair de casa ...dificil demais...minha cabeca vai rapido demais e eu mesma nao acompanho...tambem tenho fases de euforia total..e por isso achop que confundiram com bipolaridade...nao me encaixo em depressao...se escutar uma mteria sobre meteoros por exemplo..ja comeca..minha cabeca a mil...a tal ponto que ja me imagino morrendo etc etc....
    Pode me ajudar...jackie39@oi.com.br

    ResponderExcluir
  13. Júlio,vc escreve mto bem e seu blog e fantástico.Entre em contato comigo por favor.karla.bello@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Karla, obrigado pela visita ao blog. Já lhe envieu o email, qualquer coisa estamos ai.

      Excluir
  14. Patrícia Gouveia17 de abril de 2013 05:14

    Olá Júlio, bom blog e bom artigo. Sou uma estudante de Jornalismo em Portugal e estou a fazer uma pequena notícia sobre a esquizofrenia. A minha professora sugeriu-me tentar saber se a esquizofrenia tem vantagens, quem são as pessoas com esquizofrenia e o que elas sentem.. Acha que poderia dizer-me algo em relação a isso ara poder guiar-me? Muito obrigada e mais uma vez, bom blog.
    Patrícia Gouveia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Patricia por visitar o blog, fico muito honrado pelo fato de alguém de outro país estar lendo o blog. Se eu puder lhe ajudar, é só me mandar um email, com perguntas mais específicas. O meu email é juliocesar-555@hotmail.com Abraços

      Excluir
  15. Bom dia, Julio certo?!
    Sou um jovem de 22 anos, diagnosticado por Esquizofrenia Paranoide por um tempo, passei varias barras, ninguém sabe até hoje além da família. Sou um cara normal, apesar de ter esses "surtos" indesejáveis. Achei bacana a proposta do blog, porém tem um toque pessoal seu. Como já disseram, e vou repetir. ESQUIZOFRENIA NÃO É RETARDO MENTAL MUITO MENOS MANIACO OU ALGO DO TIPO como a sociedade "tiram sarro' dessa "doença". Tenho amigos, vida social, trabalho e namoro como qualquer outro, resolvi parar de tomar os medicamentos e terapia por conta própria (não aconselho isso a ninguém que tenha o caso parecido), vamos ver no que dá, mas pretendo voltar por razões lógicas. Já confundiram Minha doença com mediunidade (Não que eu não tenha) Mas isso são coisas distintas. Bom, parabéns pela coragem, e como você pode perceber, nem comentei meu nome.
    Bom, vou parar por aqui.
    Se cuida e muita luz no teu caminho!
    Abraços

    PS: Meu caso é basicamente alucinações (voz chamando meu nome e vultos), Ilusões futuras, falta de foco nos estudos, e MUITA falta de concentração em qualquer atividade. Por outro lado, sempre fui MUITO BOM nos esportes, fui da seleção do meu colégio e escolinha de Futebol e nadei minha infância toda.

    Ou seja, respeitem quem passa por isso, pois não desejo a ninguém uma sensação dessas.

    Muita paz a você e a todos que sofrem dessa "Doença".

    Abraços Fraternos

    ResponderExcluir
  16. Boas.. ha muito que leio este blog e muitos parabens ao autor.. sofro desse disturbio, e como ja mencionado também larguem a medicaçao o que nao aconselho.. namoro e tenho vida social embora precise me isolar por varias vezes sempre tentando q ng repare.. sou mais afligido pela paranoia q alguem me possa estar tramando ou perseguindo, embora quandi me sinta mais aflito trnto por em meus pensamentos q nada disso e real.. Alguem q diga algo era mt importante.. ah esquizofrenico m e retardado.. antes pelo contrario.. atenciosamente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seguir o blog, quando quiser conversar é só me add no facebook, eu publiquei o seu outro comentário, só que não apareceu. Mas é só me add, clicando em contato na parte de cima do blog.

      Excluir
    2. Estou tentanto ver o nome do facebook e nao consigo.. se puder deixe o nome ou o linke.. obrigado pela atençao

      Excluir
    3. https://www.facebook.com/juliocesar.dossantos.79

      Excluir
  17. ola, seu blog é maravilhoso, ainda vou lê-lo inteiro...tive meu primeiro surto aos 22 anos, hoje sou advogada tenho pós-graduação e na minha área e até no meu trabalho as pessoas acham que sou retardada e louca, que tenho problema mental e têm muito preconceito...sempre fui muito estudiosa e adoro ler...só acho complicado assumir como vc teve coragem e depois não conseguir mais emprego nas áreas que atuo q são as que mais tem gente preconceituosa...perdi amigos, alguns tiram sarro de mim e isso me magoa demais...foi muito bom encontrar sue blog e ver que não estou sozinha nesse universo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é complicado assumir que se tem uma patologia cercada de preconceitos e falta de informação. O fato de estar aposentado foi determinante para fazer isso, pois, como você disse, praticamente se torna impossivel conseguir um trabalho assumindo que se tem esquizofrenia. Fico muito feliz por ter conseguido se formar, é um exemplo de que a esquizofrenia não tem nada haver com retardo mental, como a maioria pensa. Você não está sozinha não, a esquizofrenia acomete 1% da população mundial, é muita gente, mas, por causa do preconceito, a maioria, com razão, prefere não assumir.
      Abraços

      Excluir
    2. Nao consigo manter um emprego sempre rodeado com perseguicoes e paranoias mentais.. com avaliação medica e possivel receber algum tipo de pensao, n csg manter um emprego por mais de 3semanas.. minha namorada espera um filho? Estou ainda ms desesperado

      Excluir
    3. Acho que você pode tentar o auxílio doença. É só marcar a perícia, levar o laudo, e, se já tiver sido internado, levar algum comprovante. Leve as provas do seus contratos de trabalho que não duraram muito. E se informe mais também com um advogado sobre mais documentações.

      Excluir
  18. É a primeira vez que leio os próprios portadores falando de si e do que sentem. Os livros sobre o assunto são técnicos e elaborados por não portadores, o que deixa o assunto muito distante de ser compreendido. Tenho um familiar esquizofrênico que trata há mais de 30 anos, hoje idoso, e sempre tive dúvidas sobre o que é de fato sintomas da doença e dos remédios, e o que é mesmo traço da personalidade dele. Eu era criança portanto me pouparam da convivência com as primeiras crises, mas hoje ele ainda ouve vozes, tem constante crises mesmo com as medicações. Não gosta de atividades de terapia ocupacional, se recusa a tudo. Tem um comportamento muito áspero, está sempre reclamando, implicando e tratando um ou outro com comentários críticos e desagradáveis. Sempre levo tudo na brincadeira para não magoá-lo, não repreendo, não chamo atenção porque fico achando que pode ser sintomas da doença. Mas por dentro fico muito aborrecido e querendo entender se ajo certo, ou se esse meu tratamento condescendente só faz piorar. Se alguém puder opinar, agradeço. Pois vejo que aqui tem boas pessoas e esclarecidas também. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog. Realmente alguns livros, sites, videos tratam da esquizofrenia, que já é algo complicado, com termos muito técnicos. Nada como alguém que sente na pele para tentar explicar o que acontece. Os livros e os videos da Ana Beatriz Barbosa são muito esclarecedores e simples de entender também.

      Excluir
  19. Oi Júlio, boa noite! Obrigado por compartilhar este artigo com todos aqueles que têm esquizofrenia. Primeiramente fui diagnosticado como bipolar e depois como esquizofrênico. Procurei em todos os sites relacionados no Google sobre a esquizofrenia e penso que o seu blog ajudará muitas pessoas portadoras desta "doença". Sempre achei e ainda acho que não tenho esquizofrenia, todavia os sintomas apresentados durante as crises levam a uma só direção que é a esquizofrenia. Tive alucinações, acharam que eu era medium e tudo mais...Hoje ainda tomo remédio ( respiridona e abilife ), gostaria muito de não precisar tomar, todavia os remédios são importantes para manter o equilíbrio e harmonia perante os problemas. Ademais os remédios evitam que uma possível crise traga consequências mais graves durante a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. O importante é você estudar sobre o assunto, e conversando com o psiquiatra chegue a um acordo sobre o diagnóstico e tratamento. Parabéns por ter a consciência de que precisa realmente dos medicamentos. Obrigado por visitar o blog.

      Excluir
  20. Oi Júlio, boa noite! Obrigado por compartilhar este artigo com todos aqueles que têm esquizofrenia. Primeiramente fui diagnosticado como bipolar e depois como esquizofrênico. Procurei em todos os sites relacionados no Google sobre a esquizofrenia e penso que o seu blog ajudará muitas pessoas portadoras desta "doença". Sempre achei e ainda acho que não tenho esquizofrenia, todavia os sintomas apresentados durante as crises levam a uma só direção que é a esquizofrenia. Tive alucinações, acharam que eu era medium e tudo mais...Hoje ainda tomo remédio ( respiridona e abilife ), gostaria muito de não precisar tomar, todavia os remédios são importantes para manter o equilíbrio e harmonia perante os problemas. Ademais os remédios evitam que uma possível crise traga consequências mais graves durante a vida.

    ResponderExcluir
  21. Também sou portador...Uso medicamentos há anos! Te aconselho que vá a um bom psiquiatra ( que seja respeitado, pois assim nunca vai te tratar com choques)! Os medicamentos tem efeitos excelentes (quetiapina,etc...não fazem mal algum), tanto é que há anos estou curado de quaisquer sintomas , e me destaco nas mais variadas áreas da vida! Graças a Deus! Tenha fé em Deus e converse com esse ótimo médico...Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma pena, mas eu não tenho condições de pagar esse ótimo médico. Tenho que me tratar no SUS mesmo. Não faltam bons profissionais no SUS, o que falta é estrutura e outras coisas mais. A quetiapina já experimentei e não deu muito certo. No meu caso em particular, pesando os prós e os contras, é melhor ficar sem os medicamentos, pelo menos por enquanto.

      Excluir
  22. Parabéns pelo blog, Júlio, e pela iniciativa e coragem de falar sobre um problema que, infelizmente, a sociedade não compreende! Também sou portador, e Graças a Deus, após muitas lutas, esforços e fé (e tratamento), estou hoje 100%, e dando o meu melhor em tudo que faço! O Sol nasce para todos, tanto é que há muitas pessoas sem problemas psíquicos (teoricamente) e que não têm absolutamente nada que eu não tenha! Abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita ao blog. O que precisamos é de exemplos igual ao de você, que lutaram e conseguiram se estabilizar. Se quiser dar um depoimento para que eu post aqui no blog fique a vontade. Pode ser como anônimo mesmo, e me mande por email ou nos comentários.

      Excluir
    2. Sou filha de portadora de depressão,ansiedade e síndrome do pânico. Vi minha mae ser assediada moralmente e afastada do trabalho e hj ne descobri namorando um portador de esquizofrenia que ate então desconhecia a própria doença, que o fez pedir demissão do emprego público, trancar o curso superior público e fugir de casa no mesmo ano. Nos últimos meses apresentou mania de perseguição e a família chegou a conclusão de que ele precisava de ajuda. Porem, o médico o diagnosticou depressivo, com ansiedade. Os sintomas são semelhantes, dei disso por causa da minha mãe. Mas, as características de desistir de tudo e o medo de o matarem o tempo todo são mais comuns a esquizofrênicos. A família dele pediu q eu não terminasse o relacionamento, porem minha família não aceita que eu continue o namoro, até mesmo minha mãe, por saber o sofrimento. Mas, eu não sei o que fazer. Gostaria muito que ele melhorasse, mas sei da raridade disso acontecer. Só encontro respostas negativas sobre relacionamentos assim. Esse é meu depoimento.

      Excluir
  23. Olá, fui diagnosticada como bipolar, sofro muito, todos os dias, tomo muita medicação, gostei muito do seu blog e ja tive surtos psicóticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, imagino como de ser, pois os sintomas da bipolaridade são bem parecidos com os da esquizofrenia, e os medicamentos também são bem semelhantes quanto aos efeitos colaterais. Mas você toma lítio ou já usa os mais atuais? Abraços

      Excluir
  24. Olá! Não sabe como fico feliz de ter encontrado este blog. Tenho 19 anos, fui adotada, mas meu pai e meu irmão biológicos sofrem de esquizofrenia, e absolutamente ninguém da família com a qual estou agora sabe que também padeço deste mal, é crônico. Eu escondo muito bem e tenho conseguido lidar com o problema por conta própria, ainda tenho muito medo, me sinto insegura, mas ler tudo o que você escreveu foi reconfortante, me ajudou a ficar mais calma e a entender melhor. A propósito, você escreve muito bem. Muito obrigada, fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço por visitar o blog e me sinto bem sabendo que lhe ajudei em alguma coisa. Mas será mesmo que você tem esquizofrenia? Se você consegue levar tudo sem os medicamentos é uma boa, mas tente sempre se vigiar para ver se está tudo bem, se não está tendo problemas, tipo ouvindo e pensando coisas que não são reais. Quanto mais você se conhecer melhor será. Abraços

      Excluir
  25. Olá, boa boite! Gostei muito do seu blog, vc aborda bem o assunto e com isso prova como as pessoas tem uma ideia totalmente errada sobre a esquizofrenia. Eu estou passando por uma situação bastante complicada...sou noiva, e eu e meu noivo acabamos de ter uma bebezinha. Logo após o nascimento meu noivo teve um surto e fomos obrigados a interna-lo pois ele tbm era usuario de droga. No início nos achamos que era por causa da droga, mas ele ja esta internado a 3 meses e apesar de ter saido do surto ainda permanece pequenos vestígio. Eu andei pesquisando e diante de todas as evidências eu acho que ele é portador de esquizofrenia. O diagnóstico na clínica ainda não foi fechado, porém, eu penso nessa hipotese. Eu independente de qualquer coisa vou estar do lado dele, vou apoia-lo e ajudar no que for preciso. Eu tenho um amor enorme por ele, não vou abandona-lo nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá obrigado por participar do blog. Sinto que as drogas ajudaram a desencadear o surto psicótico e que talvez ele já tinha essa predisposição. Mas é isso ai, não desista, o caminho pode ser um pouco difícil, mas se você gosta dele, vai ser muito importante para a recuperação. Mas não deixe de viver para tentar ajudá-lo, tente um equilíbrio nesta situação.

      Excluir
  26. Olá, sou eu novamente. Eu gostaria de saber se posso lhe fazer umas perguntas? Eu tenho algumas dúvida sobre o assunto, seria muito bom conversa com vc. Meu noivo esta internado, temos uma filha bebê, e ainda existem algumas dúvidas sobre a real situação dele, mas baseada em alguns acontecimentos que ocorreram durante o surto e ate antes dele e gostaria de conversar com vc sobre o assunto. Desde ja agradeço!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode fazer sim, mas não sei se lhe poderei ter todas as respostas, mas estamos ai. Imagino como deve estar preocupada, pois os próprios profissionais da área de saúde mental não conseguem dar um prognóstico da doença.

      Excluir
  27. Pois, estou muito preocupada sim...mas vai dar td certo. Ele vai receber alta daqui a duas semanas, vai continuar o tratamento em casa. Vc teria algum e-mail.para q eu entre em contato?

    ResponderExcluir
  28. tenho sim, é juliocesar-555@hotmail.com
    Não sei se poderei lhe ajudar em todas as suas dúvidas, mas estamos ai.

    ResponderExcluir
  29. Vivo em delirios desde que assisti aquele filme tosco a hora do pesadelo em 2002 acho que o freddy vai me pegar eu ouço a voz dele na minha cabeça... Penso em suicidio sempre fui obssesivo compulsivo e tive medo de filme de terror basta eu ver a chamda na teve para começar a achar que eles estão no mundo real para me mtar com muito sacrificio terminei o ensino medio aos 23 anos com milhares e milhare de manias e medos... Tan tos quenem meu medico acreditou que eu escondi por muito tempo so minha familiaa sabe e sofre por minha causa sempre fui esquisito do colegio a ponto de que todas ameninas sempre me rejeitarao... Nunca reprovei por nota baixa mas por falta pois eu fugia das aulas e me trancava no banheiro onde chorava ... Usei a parte racional para confrontar meus medos eas vozes e cosegui frequentar as aulas ppr ignorancia sempre me achei somente um cara estrnaho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai, temos que usar a parte racional em equilibrio com a emocional. Agora não tem nada demais em ser uma pessoa estranha, considero uma ofensa me chamaram normal nesse mundo de pessoas desalmadas. Obrigado por visitar o blog.

      Excluir
    2. Você não é estranho. É apenas diferente... aliás, te achei interessante, deve ser um gato.

      Excluir
  30. tenho meu esposo q é. esquizofrenico e alcoólatra...se recusa a tomar os remédios e bebe tds os dias já deixou de trabalhar..ñ toma banho...só piora tem acesso de ciúme...ameaça sumir c minya filha ...vivi me expulsando de casa...e agora fala em matar ...o q faço?Ele est se tornando um perigo p ele e p famlia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou contra a internação e com o uso excessivo dos medicamentos, mas, quando o portador representa uma ameaça para as outras pessoas e para si mesmo, não vejo outra saída a não ser internação, infelizmente. Mas existem bons hospitais e os maus hospitais, acho que você deve se informar muito sobre o lugar onde talvez precise internar o seu esposo.

      Excluir
  31. Júlio,

    Te agradeço pela sua coragem e lucidez para escrever neste blog, compartilhar suas experiências e ajudar a tirar tantos estigmas da esquizofrenia!

    Parabéns!

    Abçs, Mariana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço a visita ao blog, sem a participação de vocês eu não teria incentivo para escrever. Felicidades.

      Excluir
  32. Parabéns pelo blog. Meu pai tem esquizofrenia, mas ele já está num estado avançado da doença e perdeu quase toda a lucidez. Só come, fica deitado o tempo todo, e conversa eventualmente por no máximo alguns minutos até que sua atenção se volta para sua mente. Estou lendo sobre a doença pois tenho receio de ter a herdado, já que já apresentei quadros de depressão. Obrigada por compartilhar suas experiências, são muito importantes. Meu pai nunca relata o que sente, é bom ter alguma noção do que ele pode estar pensando através de suas palavras. Um grande abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vivian, imagino como deve estar se sentindo em relação ao seu pai. Os psiquiatras até hoje ainda não chegaram à um consenso em relação as causas da esquizofrenia, mas acredito que a genética pode ser uma delas. Mas isso não quer dizer que todo mundo que tem pais esquizofrênicos vá herdar a patologia, pois acredito que o fator psicológico também conta muito, ou seja, esquizofrenia é cérebro e mente. E também cada pessoa tem um tipo de esquizofrenia, para dizer de uma forma simples. Você faz bem em pesquisar o assunto, mas também não deve ficar superpreocupada por pensar que vai adquirir a patologia. Se tiver uma boa qualidade de vida, evitando o stress e tendo bons hábitos, dificilmente terá um surto psicótico.

      Excluir
  33. Só queria te dizer uma coisa: você é nota 10! Parabéns pelo blog, continue sendo esse ser humano sensacional! Torço imensamente pela sua felicidade!!! Um grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, tudo de bom para vc também, mas não sou um ser humano sensacional, tenho muitos defeitos, mas procuro aprender com os meus erros e com as situações difíceis. Abraços

      Excluir
  34. Olá, gostaria de saber se um homem esquizo, sob efeito dorisperidona, sente desejo por uma mulher. E se ama, como todos os demais mortais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tomei esse medicamento, e, dependendo da dose, pode ser que fique dopado ou não. No meu caso, tomei 1mg, e ficava sem vontade de fazer nada na parte da manhã, só melhorando por volta das 13:00 hs. Então tudo depende da dose e da própria pessoa. Alguns são mais sensíveis aos medicamentos.

      Excluir
  35. A esquizofrenia é uma doença progressiva ou tem chance de ela ser menos grave, com a idade, com o tempo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As chances da esquizofrenia progredir variam de cada caso, pois, como já ouvi dizer, não existe a esquizofrenia, e sim as esquizofrenias. Mas um dos fatores que ajudam na melhora do quadro é o primeiro atendimento, a primeira abordagem, se a pessoa tem acesso à um tratamento de qualidade, se tem uma família bem estruturada. Com o tempo e com a idade, pode ser que o portador aprenda a lidar melhor com certas situações, conhecendo melhor a esquizofrenia e também a si mesmo.

      Excluir
  36. Minha dúvida é se após agredir fisicamente outra pessoa, o esquizofrênico lembra o que fez.
    Parabéns pela lucidez e honestidade em abordar o assunto, além de escrever muito bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, no meu caso em específico não agredi ninguém durante os meus surtos psicóticos, ao contrário, fui agredido certa vez ao entrar em um bar. Outros portadores também me relataram lembrar perfeitamente dos surtos psicóticos. Uma minoria (menos de 10% relataram não se lembrar do surtos) Nas crises saímos da realidade, mas não temos lapsos de memória.

      Excluir
  37. Olá sou portuguesa e portadora de esquizofrenia paranóide, continuo a trabalhar e minhas limitações tem mais a haver com os sintomas negativos da doença, é uma luta diária para combatê-los. Fui perdendo amizades ao longo dos anos devido a minha mania de perseguição e desconfiança exagerada, NÃO PODIA IMAGINAR QUE ESTAVA DOENTE. Vou tentando um dia de cada vez recuperar minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá parabéns pelo depoimento e sua luta. Realmente os sintomas negativos são complicados, e os medicamentos indicados pelos psiquiatras para esse tipo de sintoma geralmente dá sonolência, o que acho um pouco contraditório, pois, se estamos sem energia, como podem nos dar medicamentos que nos deixam sonolentos?
      Abraços

      Excluir
  38. Vou escrever como anônimo. Faz dois anos que fui diagnosticado pelo meu psiquiatra com esquizofrenia sei lá o que (tenho que ler o laudo, e não gosto de fazer isso). Tenho hoje 23 anos. Pode até ser que fui diagnosticado de forma errada, pois nunca li um caso de uma pessoa 100% curada, e eu me considero curado. Eu acreditava que todo mundo sabia algum segredo e que eu era o único que não sabia (tanto no bairro quanto no trabalho). Cheguei a acreditar que a TV da Semp Toshiba vinha com uma câmera dentro onde os asiáticos estavam assistindo a minha vida e rindo disso. Muita coisa aconteceu naquela época, e lembro que tudo começou porque eu tinha mudado meu modo de se alimentar, e chegou a trazer estranheza para familiares. Minha mãe vivia dizendo que ia me levar ao psicólogo, o que acredito que foi a pior coisa que poderia ter me acontecido. Eu lembro de bastante coisa, praticamente tudo. Desenvolvi uma intoxicação do trabalho a qual não me deixava dormir direito, pois meu corpo todo coçava 24h por dia. Sendo assim eu só dormia quando estava realmente exausto. Talvez eu tenha surtado por estar mal alimentado (perdi 20kg só comendo vegetais e exclui o sódio da minha dieta) e também por trabalhar de madrugada e dormir em média 3 horas por dia devido a diversas coisas, inclusive a coceira infernal. Eu acreditava que minha pele nunca mais seria a mesma, e isso me desesperava. Os psicólogos que fui só queriam me ouvir, e no cansaço da situação eu tentava mostrar que era inteligente e tentava convencer de que havia algum segredo que queriam me revelar, que alguma sociedade me queria como membro e que tudo era um teste (como se eu fosse um escolhido). Aí no momento que era para ser de esclarecimento, o(a) psicólogo(a) dizia: "conte-me mais". Aí que eu falava mais besteira mesmo... É nunca nenhum psicólogo abriu o jogo para mim, nem para me deixar mais tranquilo nem nada... Apenas ouviam e foda-se o que se passava. Enfim, não recomendo psicólogos para mais ninguém e os julgo inúteis. Tomei muitos medicamentos que deixavam toda minha musculatura fraca, mal conseguia conversar ou fechar a boca. Hoje mantenho contato social com diversas pessoas e elas nem sabem o que passei. Seria uma pequena esquizofrenia? Ou talvez nem cheguei a ter isso?
    Muita coincidência também me ocorreu naquela época como por exemplo eu estar pensando em um assunto e ele passar na TV após alguns minutos ou horas. Porém meu cérebro pensava em mil coisas ao mesmo tempo. Houve um momento em que aquelas mensagens falsas de sorteio que chegam no celular de qualquer um me influenciou a fazer algumas coisas. Cheguei a responder aquilo e estava disposto fazer o que me mandassem fazer. Algumas horas depois meu celular foi roubado no vestiário do trabalho, e hoje não tenho como saber se realmente eu estava viajando ou se de fato meu celular me mandava fazer algumas coisas estranhas/absurdas que quase fiz. No trabalho muitos estavam me tratando como algo engraçado, inclusive chutavam a porta do chuveiro do vestiário para me assustar... Cheguei a me machucar com a fechadura da porta que bateu na pele do meu braço, que já não estava aquelas coisas (tenho cicatriz até hoje). Lamentável, pois isso tudo só piorava minha condição.
    Como o autor do post diz, hoje em dia, quando vou descrever algo ou fazer alguma escolha, me passa muita coisa na cabeça, muita informação, porém não chego a falar besteira, pois seleciono a tempo o que falar/fazer. Meu psiquiatra e familiares ficaram surpresos com a minha cura rápida de 4 meses. Quase um ano depois eu já sem emprego, me vi numa situação depressiva e a vida não tinha mais graça alguma, então voltei a buscar algumas realidades alternativas a força (a pulso), mas não é algo que entra mais na minha cabeça nem que eu queira. Talvez isso mostre o como estou curado.
    Hoje ando sozinho de carro, frequento lugares cheios, fico sozinho em casa, vou a praia etc... Vida normal.
    Ja viram algum caso semelhante ao meu? Fui diagnosticado de forma errada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Toda pessoa está sujeita a surtar em algum momento de suas vidas, principalmente por causa do stress. E infelizmente os profissionais da saúde mental parecem não pensar nisso e logo vão ministrando os antipsicóticos. A minha primeira consulta durou cerca de sete minutos e já sai diagnosticado e com a receita dos medicamentos, e hoje estou viciado nesses medicamentos, e posso surtar se ficar sem eles.
      Casos iguais ao seu provavelmente acontecem, e infelizmente a maioria já entra nos antipsicóticos e ai é difícil se livrar deles. Como disse, um momento difícil, um trauma, o stress podem deixar uma pessoa em surto ou então com pensamentos paranoicos, mas isso não quer dizer que ela tenha esquizofrenia. O que a maioria dos portadores de esquizofrenia tem, os "considerados normais" também podem ter, só que em menor grau, e, devido à algum acontecimento, trauma e stress podem surtar. Você está de parabéns por não aceitar os rótulos que queriam te colocar e assim está seguindo a sua vida.
      Espero ter ajudado em alguma coisa.

      Excluir
    2. Olá, anonimo! Não deixe de procurar ajuda profissional. Essa é imprescindível para seu tratamento e bem-estar. Confie nos profissionais, pois, são capacitados para entender seu diagnóstico e indicar tratamento para sua melhoria e até sua cura. Tudo de lindo para você. Maria.

      Excluir
  39. ola! só uma curiosidade, em alguma fase da sua doença você se esqueceu de ter conhecido alguém? conversa com tal pessoa mas diz não conhece la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso nunca aconteceu comigo, não tive lapsos de memória, fiquei fora da realidade o que é um pouco diferente. Algumas pessoas eu esqueço quem são, ou melhor, não consigo reconhecê-las depois de muitos anos, mas isso é normal.

      Excluir
    2. Voltando no tempo, me lembro que durante o meu primeiro surto psicótico fiquei muito fora da realidade, e às vezes não prestava atenção no que as pessoas me diziam e nem olhava para elas. Muitas situações foram bem estranhas, me lembro que um cara deve ter pensado que eu era mudo e ai ficou gesticulando, tentando se comunicar comigo. Me lembro que outras se aproximaram de mim como se me conhecessem, mas eu não prestava muita atenção na fisionomia das pessoas, principalmente quando estava nas ruas neste primeiro surto psicótico.

      Excluir
    3. Júlio, me amarrei na sua iniciativa. Há muito tempo venho observando as pessoas com esquizofrenia e, tenho sentimentos puros em relação a pessoas com estas características. Eu mesma só consegui "me salvar" porque desde a adolescência faço estudos independentes por conta de Papai do céu. Eu não acredito que a esquisofrenia seja uma doença ocasionada sem a culpa ou contribuição social. Eu ainda não adquiri esta doença mas eu estive por um triz. Como eu já estudava algumas coisas consegui desarmar o processo que estava se desenvolvendo. Acredito nos seres humanos que enfrentam esta doença. O meu ponto de vista, por último, não é o da psicologia, me recusei a fazer psicologia por isso, pois vi falhas, então eu tenho a tese de que há uma falha de comunicação do diálogo interior, de modo que a pessoa perde a capacidade de entender-se. Meu ponto de vista é da formação da linguagem como algo que precisa ter TANTO um impulso elétrico que envia a mensagem QUANTO um outro impulso elétrico que absorve a mensagem. A quebra da psique com a sua desestruturação é ocasionada então quando não há o retorno, SEM o impulso que absorve você não consegue dar curso ao pensamento e aí a linha de raciocínio não se estabiliza fazendo com que vários significados sejam lançados explosivamente numa tentativa de estabilização. Em razõ disso acredito que a memória fique algo comprometida pois memorizar tem a ver com decifrar um código também, e aí o que há é uma quebra de código.
      Eu culpo o outro na relação do esquisofrenico porque a perseguição é uma tática largamente empregada pelas pessoas que acreditam na dominação, aí tentam dominar o outro perseguindo e esvaziando significados do ser humano que está sendo atacado até que a doença acabe se desenvolvendo e se instalando. Pra mim há uma solução da reestruturação eficiente da psiquê. Vou passar a visitá-lo no seu blog. Muito prazer.

      Excluir
    4. Olá seja bem vinda.
      Gostei do seu comentário, enriquece e muito a postagem. Concordo em quase tudo o que afirmou, principalmente a questão social. Já ouvi profissionais da saúde mental afirmarem que a esquizofrenia é doença endógena que causa os sintomas e pensamentos de perseguição, paranoias, etc.
      Parabéns também por tentar achar o seu caminho, através da informação, que creio ser um aliado muito importante no combate da esquizofrenia. É uma pena muitos não pensarem assim, e por isso o alto consumo de antipsicóticos no Brasil.
      Também concordo quando afirma que o outro na questão da esquizofrenia, infelizmente algumas pessoas tendem a procurar um ponto fraco em seus desafetos e ai tentam de todas as maneiras desestabilizá-las.
      Mais uma vez obrigado pela visita ao blog e pelo excelente comentário.

      Excluir
  40. Primeiramente, parabéns pela postagem! Quero dizer à todos que estão lendo esta página, o seguinte: Fui diagnósticado com esquizofrenia em 2012 quando tive um surto piscotico (foi o que os médicos disseram), aconteceram coisas que somente pessoas que estavam comigo podem acreditar, sinto um enorme alívio por estar junto com a minha família, amigos e PASMEM minha linda namorada que hoje é advogada(EU sou engenheiro), em momentos que tive as supostas "alucinações". Então, desde criança sempre me senti melhor conversando com idosos e adquirindo um pouco do seu conhecimento, achava as outras crianças muito idiotas, sempre fui extremamente bom em ciências exatas, por vários anos consecutivos obtive nota máxima em algumas matérias, os conteúdos de humanas e biologicas são simples, apenas leitura nada de construir uma lógica para chegar a uma solução. Após me formar no segundo grau com apenas 15 anos , ingressei no ensino superior e sempre estive entre os melhores da turma, com as melhores notas e assim fui conseguindo muitas amizades. Diferente das outras pessoas, não tenho vontade de fazer festa todo final de semana, prefiro ir ao litoral com amigos ou família, ou namorada. Falam que temos dificuldade comportamentamentais sociais! ? É o caralho que temos! Apenas não gostamos de conversas fúteis, mesquinhas e que não valham a pena, assim como não gostamos de lugares fúteis e banais. Alguns parentes distantes já me trataram de maneira estranha, como se eu fosse "louco" , isso nos dá uma raiva gigantesca, ao ponto de se estivermos armados com certeza faríamos besteira. Um psiquiatra muito conhecido me explicou, após análise e testes, o motivo da nossa inteligência a qual é um pouco SUPERIOR e sim eu disse SUPERIOR a de pessoas comuns. Essa inteligência se dá devido a forte interação entre as ligações sinápticas , o processamento de dados e informações entre nossos neurônios são maiores do que pessoas COMUNS. Podemos pensar, criar, PROJETAR várias coisas ao mesmo tempo. É incrível mesmo! E tudo com muito perfeccionismo. Foi por isso que escolhi há 8 anos atrás a engenharia como carreira profissional. Não vou dizer que é uma dádiva, pois alucinações são terríveis, parece que estamos em outro mundo. É diferente ! E acontecem coisas inexplicáveis. Para as pessoas tentarem entender melhor, assistam o filme "Sem Limites" , é parecido em aspectos sociais, comportamentais e psicológicos com o protagonista do filme. Afinal para quem ainda está com dúvidas, encontrem uma criança de 8 anos e as coloquem a fazer um teste famoso de QI do Albert Einstein, controlem o tempo e vejam se conseguem fazer em pouco mais de 20 min. "VOU FICAR COM CERTEZA MALUCO BELEZA"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal o seu depoimento cara.
      Concordo com você, as pessoas acham estranho alguém ser introvertido, pensam que é timidez, que é frescura, que é antipatia, que é coisa de "mascarado", "míntido", de quem se acha superior, etc... Mas não é nada disso, é apenas não achar graça em certas situações e tipos de conversas.
      Sei muito bem o que é isso, não sei por que fazem tanto alarde quanto a este fato, acho que ser introvertido não é nada demais.
      Vou dar uma olhada no filme sim.
      Obrigado pela participação e desculpe a demora em lhe responder, final de ano é uma época meio complicada para mim, mas já passou essa fase.

      Excluir
  41. Eu tive meu primeiro surto a mais ou menos a uns seis meses.E bem difícil mesmo.Eu quero saber se tem como o portador voltar a ter uma vida independente,morar sozinho,trabalhar e segui a vida?
    Ou sempre vai ficar perto da família com medo de outro surto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso depende da gravidade do caso e também da qualidade do atendimento. Isso é muito importante, principalmente quando é o primeiro surto. Procure se informar, e se não concordar com o diagnóstico, procure uma segunda opinião, pois surtar todo mundo está sujeito, e infelizmente alguns profissionais da saúde não pensam assim ou não querem pensar, e logo vão diagnosticando a pessoa e passando a medicação.
      Já vi pessoas que tiveram surtos e hoje moram sozinhas e estudam.
      Não deixe que o medo de ter outro surto paralise a sua vida. E é bom também ter essa consciência de que está se estressando muito, pois isso pode ajudar a prevenir um surto.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  42. Hey, Brother...
    Parabéns pelo blog

    Só uma observação: John Nash ganhou o prêmio Nobel de economia e não de ciências contábeis. Rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado
      Em relação à John Nash, você tem razão, dei uma olhada aqui na wikipédia.

      Excluir
    2. Olá! Amigo, primeiramente parabéns pela iniciativa! Tenho uma dúvida, que não sei se já foi comentada aqui ou não, mas vamos lá. Tenho uma filha de 13 anos. Ela, na verdade, não sabe quem é o pai biológico. Morou até os 8 anos com tios, que, mais tarde descobriu-se que batiam nela. E dos 8 aos 11 com a mãe biológica, que depois descobrimos se prostituía em casa. Minha esposa, dinda da menina, e eu, resolvemos ficar com a guarda. Adquiri um amor imenso por ela e para mim é filha. Como guardava muita revolta, fez acompanhamento psicológico e psiquiátrico e está fazendo tratamento com fluoxetina. Quando chegou, há dois anos, dizia não gostar de abraço e tinha dificuldade de enturmar. Hoje vive dando abraço, dizendo que nos ama e está cheia de amigas. Enfim, talvez não venha ao caso...apenas para dar uma introdução. No início deste ano ela respondeu para uma professora e quando chamada na direção disse que sofria de depressão e que tinha vontade de se matar. Então mostrou arranhões (arranhões mesmo, pois não chegavam a ser cortes)que fez no braço bem antes do fato. Entendemos a atitude como um mecanismo de defesa. Porém ontem, depois de uma situação de estresse na escola (o menino que ela gostava viu ela beijando um outro menino), teve atitudes que nos deixaram preocupados. Primeiro se trancou no banheiro da escola, dizendo que iria se cortar. Depois as amigas arrombaram o banheiro e ela correu, sentando-se então nas escadas. Depois vimos o braço. Mais uma vez não eram cortes, mas arranhões, feitos mais na parte de cima do antebraço, não no pulso. Depois disso começou a dizer que fazia tudo errado, que tinha que morrer,que tinha tomado 10 comprimidos da medicação (isso não era possível pois ela estava apenas com os últimos 4 comprimidos na cartela), que estava ouvindo vozes, que iria obedecer, etc. Ficamos sabendo quando ligaram do hospital informando que a haviam levado para lá. Quando chegamos ela, como se estivesse em surto, ficou dizendo algumas coisas como "eu sei o que tu tá pensando" (depois me disse que era porque eu tinha a orientado a cuidar com os guris e ela não havia obedecido). Deram um diazepan para ela se acalmar. Minha esposa sentou do lado dela e começou a puxar assunto de como havia sido a festa de são joão da escola. Neste momento ela começou a conversar normalmente, tranquila, lúcida. Então eu disse a ela (não me culpem). Filha, olha só... agora você já está conversando normal, você mentiu para o pessoal que tomou 10 comprimidos, fez arranhões no braço...por que tudo isso? Aí ela começou de novo a responder com agressividade, dizendo que eu não era pai dela, etc. Eu saí, a pedido da minha esposa, que passou a conversar com ela novamente. Cerca de 10 minutos depois eu voltei, e ela já havia contado, com calma, o que aconteceu para a minha esposa e me pediu desculpas por ter me tratado mal. A partir daí ficou bem. Hoje ela contou tudo o que havia acontecido durante o surto, com certos detalhes. No hospital, uma enfermeira disse que havia trabalhado três anos em hospital psiquiátrico e que tinha certeza que era esquizofrenia. Já a médica, que não era psiquiatra, disse que não era possível saber e encaminhou para um psiquiatra. Vai na segunda. Um detalhe, que falamos para a médica, é que a mãe biológica dela sempre tentava resolver as coisas dizendo que iria se matar e fazendo cena. Mas não dizia que ouvia vozes. Mas vamos, finalmente à pergunta: pelo descrito (e procurei ser o mais parcial possível), parece um quadro de esquizofrenia?

      Excluir
    3. Olá! Amigo, primeiramente parabéns pela iniciativa! Tenho uma dúvida, que não sei se já foi comentada aqui ou não, mas vamos lá. Tenho uma filha de 13 anos. Ela, na verdade, não sabe quem é o pai biológico. Morou até os 8 anos com tios, que, mais tarde descobriu-se que batiam nela. E dos 8 aos 11 com a mãe biológica, que depois descobrimos se prostituía em casa. Minha esposa, dinda da menina, e eu, resolvemos ficar com a guarda. Adquiri um amor imenso por ela e para mim é filha. Como guardava muita revolta, fez acompanhamento psicológico e psiquiátrico e está fazendo tratamento com fluoxetina. Quando chegou, há dois anos, dizia não gostar de abraço e tinha dificuldade de enturmar. Hoje vive dando abraço, dizendo que nos ama e está cheia de amigas. Enfim, talvez não venha ao caso...apenas para dar uma introdução. No início deste ano ela respondeu para uma professora e quando chamada na direção disse que sofria de depressão e que tinha vontade de se matar. Então mostrou arranhões (arranhões mesmo, pois não chegavam a ser cortes)que fez no braço bem antes do fato. Entendemos a atitude como um mecanismo de defesa. Porém ontem, depois de uma situação de estresse na escola (o menino que ela gostava viu ela beijando um outro menino), teve atitudes que nos deixaram preocupados. Primeiro se trancou no banheiro da escola, dizendo que iria se cortar. Depois as amigas arrombaram o banheiro e ela correu, sentando-se então nas escadas. Depois vimos o braço. Mais uma vez não eram cortes, mas arranhões, feitos mais na parte de cima do antebraço, não no pulso. Depois disso começou a dizer que fazia tudo errado, que tinha que morrer,que tinha tomado 10 comprimidos da medicação (isso não era possível pois ela estava apenas com os últimos 4 comprimidos na cartela), que estava ouvindo vozes, que iria obedecer, etc. Ficamos sabendo quando ligaram do hospital informando que a haviam levado para lá. Quando chegamos ela, como se estivesse em surto, ficou dizendo algumas coisas como "eu sei o que tu tá pensando" (depois me disse que era porque eu tinha a orientado a cuidar com os guris e ela não havia obedecido). Deram um diazepan para ela se acalmar. Minha esposa sentou do lado dela e começou a puxar assunto de como havia sido a festa de são joão da escola. Neste momento ela começou a conversar normalmente, tranquila, lúcida. Então eu disse a ela (não me culpem). Filha, olha só... agora você já está conversando normal, você mentiu para o pessoal que tomou 10 comprimidos, fez arranhões no braço...por que tudo isso? Aí ela começou de novo a responder com agressividade, dizendo que eu não era pai dela, etc. Eu saí, a pedido da minha esposa, que passou a conversar com ela novamente. Cerca de 10 minutos depois eu voltei, e ela já havia contado, com calma, o que aconteceu para a minha esposa e me pediu desculpas por ter me tratado mal. A partir daí ficou bem. Hoje ela contou tudo o que havia acontecido durante o surto, com certos detalhes. No hospital, uma enfermeira disse que havia trabalhado três anos em hospital psiquiátrico e que tinha certeza que era esquizofrenia. Já a médica, que não era psiquiatra, disse que não era possível saber e encaminhou para um psiquiatra. Vai na segunda. Um detalhe, que falamos para a médica, é que a mãe biológica dela sempre tentava resolver as coisas dizendo que iria se matar e fazendo cena. Mas não dizia que ouvia vozes. Mas vamos, finalmente à pergunta: pelo descrito (e procurei ser o mais parcial possível), parece um quadro de esquizofrenia?

      Excluir
  43. NÃO ATRAPALHOU MESMO , ESCREVE MELHOR QUE EU!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      É que desde pequeno sempre fui muito de ler livros, e acho que isso ajudou bastante.
      Acho que as coisas que aprendemos quando crianças dificilmente esquecemos ou perdemos a habilidade.

      Excluir
  44. amigo, eu não sou esquizofrenico, mas talvez eu teria alguem muito querido a ter esse problema,o que voce escreveu é maravilhoso, coerente e está ajudando muitas pessoas, estou sendo super sincero, continue, voce é um excelente ser humano, aceite meu abraço, muito obrigado, que Deus sempre esteja ao seu lado ajudando o a diminuir a dor das pessos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, fico muito feliz em saber que estou ajudando de alguma forma algumas pessoas. Infelizmente ainda não tenho a resposta sobre como se livrar desse transtorno, mas pelo menos estou tentando fazer uma pequena parte que é tentar tirar um pouco o preconceito e o estigma que cerca a esquizofrenia. Se não houvesse tanta discriminação provavelmente seria um avanço e tanto para se melhorar a condições das pessoas com algum tipo de transtorno mental em nosso país.

      Excluir
  45. Tenho 16 anos, descobri a um dia que tenho esquizofrenia,após um surto, minha mãe não está aceitando oque tenho,ela diz que é falta de Deus, que é frescura, e tudo mais. Meu pai está aceitando, já estou agendada para uma visita a um psicólogo. Admito estar com medo,estou bem perdida, pois não sei mais oque é e oque não é, sempre fui uma aluna excelente,e confesso que isso acabou me abalando muito.
    Enfim, gostei muito do seu post, ele me ajudou, me deu uma certa esperança,eu estava pensando em suicídio, pois vi meus planos para o futuro, irem por água a baixo, pensem que estivesse tudo acabado, mas vi que isso não vai me impedir de seguir em frente. Obrigada Júlio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas já pensou que todo mundo pode surtar um dia?
      Não sou um profissional da área da saúde mental, mas na minha opinião é precipitado diagnosticar uma pessoa como esquizofrênica se baseando em apenas um surto psicótico. Creio que o seu médico deve ter se baseado no seu relato sobre a sua vida antes do surto também.
      Talvez seria uma boa você tentar fazer uma auto análise sobre o motivo de ter surtado, se foi por causa de um evento traumático, stress, etc...
      Mas, tendo ou não esquizofrenia lembre-se que você não é um diagnóstico, e sim uma pessoa como qualquer outra, com suas qualidades e defeitos.
      Continue sim a sua vida, os seus estudos, procure se conhecer para tentar descobrir o que causou esse surto para assim estar mais preparado para que outros não venham.
      Obrigado pela visita ao blog e espero ter ajudado em alguma coisa.

      Excluir
  46. Ola eu me chamo maykon tenho 26 anos primeiramente quero te parabenizar por criar esse post me ajudou bastante e creio que muita gente que está nessa situação. eu tenho alguns desses sintomas, acho que estou com esquizofrênia pois tenho depressão e alucinaçoes quando isso acontece me sinto muito mal fico triste com medo de que nunca passe eu eu fique assim para sempre é horrível só deus sabe oque passo 5 minutos parece não ter fim parece que eu perco a realidade fico sem chão nesse momento me Isolo é depois de alguns minutos consigo voltar a realidade na minha família não tem histórico de esquizofrenia nem meu pai nem minha mãe quando era mais novo tive envolvimento com a maldita cocaína talvez seja isso que desencadeou esses problemas mais de fato não sei pq isso acontece eu nunca tive coragem de contar pra ninguém nem pra minha própria mãe essa é a primeira vez que eu divido esse sentimento que eu carrego a mais de 1 ano sofrendo sozinho eu sou uma pessoa normal muito inteligente tenho uma facilidade incrível de consertar e arrumar as coisas tipo carro moto maquinas e não tenho nenhum curso simplesmente eu vejo uma vez e pronto já trabalhei com pessoas que não conseguia ter um bom desempenho igual o meu sempre fui muito esforçado e dedicado sou calmo porem muito sério tenho a personalidade muito forte sou muito sincero se for pra magoar prefiro magoar com a verdade dq com a mentira odeio gente falsa ou que se ache melhor que os outros não gosto de muita brincadeira mais trato todos bem com respeito gosto e me sinto muito bem quando posso ajudar as pessoas. não sou agressivo não tenho muitos amigos prefiro andar sozinho com Deus gosto de ficar sozinho isolado não me sinto confortável em lugares cheios com muitas pessoas gosto de ficar sozinho eu espero que um dia Deus me livre deste sofrimento e me cure definitivamente não só eu mais todos nós e digo pra você que esta passando pelo mesmo problema que eu ou pior não desista dos seus sonhos lembre se que existe um deus que tudo pode que não tem doença nem nada que não tenha solução Deus é contigo com todos nós e em nome de JESUS vamos sair desse sofrimento AMÉM... fiquem todos com DEUS

    ResponderExcluir