domingo, 20 de maio de 2012

Remédios: tomá-los ou não tomá-los?


                                                     

Eis a questão

    Tomar ou não tomar os "maleditos" antipsicóticos? Bem, se lermos as bulas desses medicamentos por completo, provavelmente não iríamos nem pensar em colocar essas pílulas ou drágeas em nossas bocas. As bulas de alguns antipsicóticos e antidepressivos chegam a se parecer com um livreto, relatando uma enorme variedade de efeitos colaterais e reações adversas.     
  Costumo dizer que os medicamentos são um mal necessário em alguns casos, e não tem como apelar para a homeopatia, pelo menos no caso de urgência em um surto psicótico. Particularmente, não me dei bem com nenhum medicamento para esse transtorno. Sonolência, desânimo, acatisia (que é uma vontade louca de sair andando por ai sem rumo), são alguns dos efeitos que senti ao longo desses anos de batalha para uma estabilização.
     Alguns remédios realmente deixaram minha inquieta mente mais tranquila, mas o preço pago foi caro demais: a imensa vontade de simplesmente não fazer nada, de ficar o dia inteiro na cama. A sensação era de que eu estava com uma dengue permanente. Estava me sentindo um robô, tanto no aspecto físico (ficava muito lento), como no aspecto emocional (estava meio sem graça, como se as emoções estivessem sido cortadas em minha mente).  E também não achava graça em nada.... 
  O que faço então para lidar com essa questão? Sigo o caminho do meio, ou seja, não deixo de tomar os remédios, mas também não tomo os mais dopantes e também procuro tomar dosagens bem baixas.  Com isso, me sinto obrigado a andar com uma cartela de diazepan no bolso como um s.o.s em casos de emergência, pois não me sinto bem em lugares cheios de gente. Tento tomar a menor quantidade e dose dos antipsicóticos para ter algum ânimo no dia a dia, mas tenho que me policiar todos os dias para ver se não estou saindo muito da realidade.     
    Faz algum tempo que não tenho surtos graves, mas a mania de perseguição ainda me persegue. Em um outro post, contarei como é complicado viver imaginando que está sendo observado o tempo todo pelas pessoas ou por câmeras. Hoje me conheço razoavelmente bem e sei até onde posso me abster dos medicamentos. Sei as situações que me estressam e procuro evitá-las na medida do possível. Além de querer me sentir mais disposto, também quero continuar a me emocionar, rir ou chorar, coisas que, com os medicamentos mais fortes, eu não conseguia sentir. Não estou aqui fazendo uma campanha contra os antipsicóticos e incentivando as pessoas a fazerem o mesmo que eu fiz. Cada caso é um caso, ainda mais em se tratando de esquizofrenia. 
lobotomia
    Acredito que os medicamentos atuais são uma boa melhora em relação ao que era praticado antigamente em casos de esquizofrenia. Me refiro a lobotomia, uma técnica que consiste em destruir uma parte do cérebro, usando um picador de gelo e um martelo. O procedimento era feito perto do olho, um pouco acima do canal lacrimal. Os resultados não eram tão satisfatórios assim, e era mais usado em casos graves, para silenciar os portadores de esquizofrenia, que ficavam completamente sem nenhum tipo de emoção.
    Espero que a medicina continue avançando para um dia ainda acharmos os antipsicóticos atuais e seus efeitos colaterais um atraso e uma brutalidade, assim como pensamos acerca da lobotomia e outros métodos antiquados para tratar os mais variados transtornos mentais. 
    
    


215 comentários:

  1. nossa,assisti ao video do Jô Soares, bastante esclarecedor; parabens pelo seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, a minha intenção é essa mesmo, de tentar de uma maneira simples informar a pessoa sobre esse transtorno. Achei que o entrevistado do programa do Jô foi bem feliz em responder as perguntas de uma maneira simples e direta.

      Excluir
    2. sera q resperidona e sertralina destroem o figado da pessoa q toma?

      Excluir
    3. onde esta esse video do Jô Soares pra mim ver vc pode me mandar por favor?

      Excluir
    4. Olá Franciele, acho que, dependendo da dose, podem sim complicar o bom funcionamento do fígado, por isso que digo que os medicamentos são um mal necessário. Não é a toa que, em alguns casos, os pacientes são submetidos a exames de sangue periódicos. Em relação ao vídeo, acho que é de algum psiquatra que foi entrevistado no programa do Jô. Não sei se é esse aqui, o Leonardo Palmeira.
      http://www.youtube.com/watch?v=mgA_VYvZRVE
      Também tem os da Ana Beatriz Barbosa, no programa do Jô e no sem censura, que são bem esclarecedores e simples.

      Excluir
    5. Parabens Julio por essa iniciativa, seus esclarecimentos tem ajudado a muitas pessoas. Estou impressionada com sua inteligência, principalmente com a forma de abordar cada questão pessoal com sabedoria e muita responssabilidade.

      Excluir
    6. Obrigado. A sabedoria não sei se tenho, mas a responsabilidade creio que tenho, pois é um tema bastante complicado, principalmente na questão da medicação. Relato a minha situação, mas de uma forma cuidadosa, ao afirmar que fico muito tempo sem os antipsicóticos, mas sem querer a induzir outras pessoas a fazerem o mesmo, pois, como sempre costumo dizer, na esquizofrenia a expressão "cada caso é um caso" tem uma dimensão muito maior.

      Excluir
    7. Gostei dos esclarecimentos. Fico sempre procurando ler artigos para ver se consigo encontrar uma explicação para o suicídio do meu amado esposo.

      Excluir
    8. As vezes da vontade de morrere pelo fato ate dos sintomas dos medicamentos.

      Excluir
  2. Deus continue te ajudando no seu tratamento!!!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado. E o seu tratamento também. Gostei do seu blog, tente adicionar o gadget para que as pessoas possam seguir o blog. Se todos os portadores de esquizofrenia tentassem se expressar sobre o assunto, com certeza o preconceito diminuiria bastante. Tudo de bom pra vc por aí e que as paranoias acabem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ter rever por aqui. Fique com Deus.

      Excluir
  4. Olá.. vc acha que a Olanzapina é muito forte?? Vc já Tomou??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada pessoa reage de uma maneira diferente aos medicamentos. Conheço pessoas que tomam e não ficam muito dopados ou sonolentos. No meu caso, não me dei bem com esse medicamento não, me lembro que tomei a dose mínima e fiquei dois dias com muito sono, não fazendo praticamente nada, só dormindo mesmo. Você conhece a risperidona?

      Excluir
    2. Não Conheço, mais já ouvi falar... Meu irmão tem F20, e ele fez tratamento desde 2005, passou a ter uma vida completamente normal... não tinha nenhum sintoma da doença.. trabalhou, estudou.. só que ele parou de tomar o medicamento há uns 8 meses.. e agora os sintomas estão voltando... ele não tá falando coisa com coisa... fica analisando letras de musica... misturando religião... Graças a Deus não tem manias de perseguição nem ouve vozes... voltamos com o remedio Olanzanpina vais fazer 1 semana.. e ainda não notamos melhora nesse tipo de comportamento... ele não quer tomar o remédio pq ele tem medo de ficar tremendo, ficar que nem um robo... e tbm pq lhe da muito sono.... Nãos queremos que ele fique dopado.. queremos ele agindo normal como ele tava ha uns meses atras.. estamos realmente sofrendo com essa situação... não sabemos mais o q fazer...

      Excluir
    3. pergunta ao medico se pode mudar para risperidona é mais leve e tem menos efeitos.

      Excluir
    4. Meu irmão toma 20 mg de Olanzapina por dia e não tem sonolencia, pelo contrario é agitado . Nao trabalha nem estuda já faz muito anos. Mas tem dependencia do biperideno.

      Excluir
    5. Olá, minha mãe trata há dois anos com Risperidona 2mg e Cloridrato de Biperideno (ameniza ou elimina os tremores), tem uma Rotina normal,e não sofre reações adversas como as citadas.

      Excluir
    6. Que bom, seria ótimo se o mesmo acontecesse com a maioria das pessoas.

      Excluir
    7. no meu caso eu comecei com olanzapina de 10mg a noite, tomei a 4 horas atraz e não consigo dormir estou me sentindo bem telaxado e tranquilo tbm tomei 50mg de quetiapina
      ... vou amanha na minha medica pra ver oq ela diz se ela dobra a mg do olanzapina ou se me passa diazepam obrigado a todos fiquem com Deus

      Excluir
  5. eu tomo risperidona 1.5mg e sertralina 35 mg e me sinto normal com esses remedios

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você se sente bem com esses medicamentos e eles não atrapalham a sua atividade do dia a dia, então é aconselhável que continue tomando. Você deve pesar os prós e os contras, comparando ao período em que você ficava sem os medicamentos. Se o balanço foi positivo, então seria aconselhável a continuar o tratamento, já que as doses não são tão altas assim. No meu caso, como disse no post, todos que experimentei me deixavam muito dopados, e ai cheguei a conclusão de que não valia a pena tomá-los.
      Abraços.

      Excluir
    2. E o que você toma hoje? Não se preocupe, vou apenas conversar com a médica do meu irmão sobre a possibilidade de diminuir a dose do Risperidona. 2 ml pela manhã e 2 ml a noite. Ele custa a dormir a noite e de dia dorme até às 16 hs.
      Karla.

      Excluir
    3. Por favor, assim que puder me responda. É muito triste ver que há tantos jovens adoecendo da mente. Meu irmão, aos 19 anos, universitário, educado, super inteligente também adoeceu. Aconteceu muita coisa na vida dele, da gente, em pouquíssimo espaço de tempo. Morte da nossa mãe no dia em que ele completava 18 anos, um ano depois nosso avô, nossa figura paterna, também morre. Mudança de endereço. Situação financeira apertada. Ele se refugiava nos estudos, estudava muito. E a doença dele causou desespero em todos nós, pois não sabemos como lidar. Hoje ele está com 21 anos e não concorda com os diagnósticos sobre sua doença (esquizofrenia). O médico receitou a injeção de “Piportil”(depot) com a combinação de outros medicamentos. Cinetol pela manhã, Aristab, Haldol e Fenergan a noite. Tomava no dia que queria, pois jogava fora sem nós sabermos. Teve várias crises. Troquei de médico. Então a doutora passou o Risperidon, mas, sinceramente, estou achando o meu irmão mais introspectivo, só quer dormir e fica muito perto de surtar vez por outra. Minha família me culpa por ter trocado de médico e medicação. Não sei mais o que fazer... sem chão, sem luz e sem dinheiro pra tentar tratamentos alternativos. A esperança do meu irmão é que um dia ele possa deixar de tomar esses remédios. O que faço, volto para o médico de antes ou tento uma terceira opinião? Me ajudem. Tenho me sentido tão impotente diante disso tudo. Ouço evangélicos dizerem que é o inimigo e que ele ficará curado se participar de 7 sextas-feiras de cultos de cura e libertação. Minha sogra e um cunhado dizem que pode ser algum espírito encostado e que o espiritismo poderia ajudar. Tenho buscado informações sobre a homeopatia, a medicina ortomolecular, as novas descobertas da medicina tradicional... e nada, nenhuma esperança concreta. Eu só sei que não quero que meu irmão fique doente para sempre... Quero vê-lo livre desses remédios. Aqui em São Luís os Caps são mais para pacientes que já não podem mais voltar para o convívio social. Estivemos lá, e a própria psiquiatra disse que ele não se sentiria bem. Ele não aceita o diagnóstico, não quer ler sobre o assunto, acha que quando completar os 6 meses que a médica propôs, ele, enfim, deixará os remédios. Triste! Lendo sobre o assunto, encontrei reportagens a respeito de vitaminas, que elas poderiam ajudar no tratamento. Estou apostando. Comprei complexo B, vitamina C, ácido fólico e vitamina E, na esperança de ser apenas uma deficiência de vitaminas no cérebro... Será que dá pra apostar nisso??!!! Ou estou ainda na fase da negação e da pura ignorância?
      Atenciosamente e muito triste,
      Karla. (karla.hugo@bol.com.br)

      Excluir
    4. Olá Karla. O que você está sentindo é mais ou menos parecido com o que sentem a maioria dos pais e parentes de portadores de esquizofrenia, quando a patologia não está estabilizada. Em relação a religião, sobre dizerem que o transtorno é de origem espiritual, eu não entro muito nessa questão, respeito a crença de cada um. Mas, na minha humilde opinião, o problema é físico mesmo, pois assim como existe o mau funcionamento do fígado que não produz insulina e causa a diabetes, o cérebro também pode deixar de funcionar corretamente e causar alguns males, dentre eles a esquizofrenia. Também conta o fator psicológico, os traumas, etc. E, pelo que você relatou, a vida não tem sido fácil para ele. Você já tentou um medicamento chamado quetiapina? Muitas pessoas falam bem dele, que tem poucos efeitos colaterais. Tente também o ômega 3, junto com a medicação, é claro. Não custa nada tentar, já que é natural.

      Excluir
    5. Ow, Júlio, fiquei tão feliz por ter me respondido. Estou me sentindo tão sozinha e desorientada... Trouxe meu irmão pra minha casa na esperança de ajudá-lo a melhorar. Mas, o que vejo é um rapaz sem ânimo pra nada. Só quer dormir, quase não come. Só de madrugada assalta a geladeira pra comer besteiras, mas, arroz com feijão não quer comer por medo de engordar. A médica dele está de férias, só volta em dezembro, não sei mais o que faço para tirá-lo dessa apatia. Ele fala que está bem, que se sente bem com o risperidon, que a preguiça é normal, mas, como alguém que prefere viver isolado e dormindo o tempo todo pode está normal e bem? E quase toda noite(umas duas vezes por semana) perde o sono, fica ansioso, irrequieto, quase não fala e eu sem poder falar com a psiquiatra dele, sem saber o que fazer, o que dar pra ele...
      Já vi alguns comentários sobre o remédio que você mencionou, também nada que me deixasse tranquila, mas, vou sugerir à medica, de repente ele se dá bem.
      Obrigada, Júlio, pelo o que você faz. Não pare de escrever, talvez o caminho da tua cura seja esse. Depois que encontrei teu blog me senti mais animada, pena que meu irmão não se interesse em ler. Um abraço,
      Karla

      Excluir
    6. aconselho a tomar responder é leve e os efeitos vão passando como tempo eu tomei no inicio é difícil depois nas sentes mais nada e as alucinações passaram.

      Excluir
    7. Ola Karla. Desculpe a intromissão mas gostaria de ajudar. Sou irmã tb. Meu irmao ficava muito grogue com risperidona e clorpromazina. Mudou para olanzapina e melhorou. Quetiapina tb é muito boa em baixa dose.

      Excluir
    8. Tive delírios de ordem suicida com risperidona, então para mim não foi bom. Graças a Deus, a médica mudou para o Aristab (aripriprazol), com o qual tenho conseguido trabalhar e estudar.

      Excluir
    9. Oii Leandro, tdo bem com vc? O meu filho trata de esquizofrenia, devido a doença e me endividei bastante e senti que ele melhorou bem.Gostaria de saber se vc comprando ou conseguiu pela farmácia de auto custo.Ele está usando o aribiprazol de 30mg

      Excluir
  6. Não sei o que fazer, meu filho não aceita o tratamento médico e nem a medicação...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, se ele está em crise, acho que vc deveria tentar colocar o medicamento na comida dele ou então em algo que ele beba. Claro que o ideal seria uma boa conversa, mas só quem passa por essas situações é que sabe como é difícil lidar com uma pessoa surtada. Eu mesmo, quando estava surtado, não era agressivo, mas nada iria me provar que o que eu via e ouvia vinha de minha cabeça.

      Excluir
    2. VC acha que o quetiapina colocado na comida da resultado. Comecei a fazer isso ha dois dias pois meu filho não quer mais tomar o remedio

      Excluir
    3. Conheço algumas pessoas que fizeram isso com seus filhos e comentaram que deram resultado sim. Mas também corre-se o risco de que ele perceba isso, caso se sinta dopado, e ele perca um pouco a confiança em você. Mas, se ele está representando um perigo para os outros e para si próprio, acho que esse é um bom caminho a ser seguido.

      Excluir
  7. Olá. tenho lido seus comentários e gosto muito. Meu filho 18 anos já teve dois surtos em dois anos. Está tomando quetiapina, respiridona, aldol, lítio. Os sintomas negativos melhoraram bastante. Sente-se animado, quer conversar, fazer amigos, mas sente-se ainda perturbado com as alucinações e uma inquitação enorme. Não fica sentado 30 segundos, anda para lá e para cá sem parar. Não sei mais o que fazer, fico estressada, claro que não deixo ele perceber. Será que são efeitos dos remédios, quetiapina por exemplo? Ah, ele troca a noite pelo dia. É muito triste vê-lo assim. Ele quer estudar, ou trabalhar, mas não se sente seguro, pois se assusta à toa, não se sente seguro, gostaria de ouvir sua opinião. Um abraço.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado pela visita ao blog. Acho que esse sintoma de ficar inquieto, ficar andando de um lado para outro é por causa do haldol. Esse efeito colateral se chama acatisia, eu já tive isso também. Na próxima consulta, converse com o psiquiatra sobre isso, e claro, converse com o seu filho se este efeito não está o incomodando muito.

      Excluir
  8. MINHA FILHA VAI COMEÇAR A TOMAR O REMÉDIO ARISTAB .QUAIS SÃO OS PROBLEMAS MAIS FREQUENTES MALÉFICOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, eu não cheguei a tomar esse medicamento. Poderia procurar ler a bula na internet e te dar uma explicação. Mas acho aconselhável o seguinte: tomar o medicamento por um mês e depois ler a bula na internet, pois, quando lemos uma bula, ficamos com receio de tomar o medicamento. Mas é necessário ler a bula, para termos a certeza de que o que estamos tendo é efeito do medicamento ou não. Na web tem vários sites com a bula dos medicamentos, e acho que seria uma boa você consultar depois de um mês, mais ou menos, isso se não tiver nenhuma reação mais grave. Abraços

      Excluir
  9. Amigos,meu filho de 16 anos esta em tratamento com carbolitium,olanzapina, cinetol,porem nao esta respondeno bem a tratamento.Fizemos uma nova consulta com outro psquiatra,passou a ele aristab,retirando o cinetol.
    Porem apresentou tremores intensos e muita euforia.
    Qual medicamento mais eficas e com menos efeitos colatetrais?Abs a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, eu não me sinto capaz de indicar medicamentos. Creio que sua filha seja bipolar, por estar tomando o carbolitium. Muitas pessoas comentam muito bem a respeito da quetiapina, que é usada tanto para esquizofrenia como para a bipolaridade. Acho que você deveria conversar com o psiquiatra sobre isto, já que o litium já é considerado um medicamento um pouco ultrapassado. Obrigado por visitar o blog.

      Excluir
    2. Meu filho toma aristab de 30 e a médica passou o diazepam tira um pouco essses movimentos involuntários.O clonazemam piora muito poi isso resolveu. Substituir.

      Excluir
    3. Olá
      Já conversou com a psiquiatra sobre o biperideno? Talvez ele ajude nesses movimentos involuntários.
      http://clicnervoso.blogspot.com.br/2012/05/o-que-sao-efeitos-extrapiramidais.html

      http://www.medicinanet.com.br/bula/8041/biperideno.htm

      Excluir
  10. Oi Julio sou psiquiatra e queria dizer que gostei muito do que li até agora em seu blog. É raro encontrar portadores de esquizofrenia com capacidade de relatar tão claramente o que sentem e vivem. Em relação à descrição dos tratamentos você não é médico e sim paciente, é claro que tem que descrever do seu ponto de vista e de acordo com seu conhecimento. Curioso que vejo que muitas pessoas lhe escrevem como se você fosse médico e via de regra seus conselhos são bastante sensatos. Uma sugestão: pela descrição dos efeitos colaterais que você sofre é possivel que você seja o que chamamos de metabolizador lento, ou seja, seu organismo demora em processar as medicações e elas se acumulam. Não é doença isto, é uma variação normal do ser humano. Nestes casos doses mínimas tendem a ser melhores, até abaixo do mínimo recomendado. Doses normais para estas pessoas causam muitos efeitos colaterais e não são toleradas. De uma próxima vez que consultar um colega pense em dizer isto. No mais, parabéns e continue!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Miriam. Obrigado pela visita e pelo conselho sobre o fato de possivelmente eu ser uma pessoa considerada metabolizador lento. Creio que seja sim, pois as doses que fazem efeito em mim são um pouco menores do que as consideradas doses mínimas. Mas infelizmente encontrei psiquiatras que só pensam na dose mínima, acho que eles pensam que isso é uma regra e não aceitam opiniões de que a uma dose menor do que a mínima possa ajudar em alguns casos. Eu fico impressionado quando algumas pessoas dizem que tomam o zyprex e estão acordadas antes do meio dia. Eu fiquei dois dias de cama tomando a dose mínima.

      Excluir
    2. Ah! O "saber médico" calando a boca do paciente.
      Infelizmente no Brasil não temos psiauiatras que estejam lutando para esclarecer o que são os medicamentos que estão sendo prescritos.
      Os riscos estão superando os benefícios e já há livros de psiquiatras em inglês além de jornalistas, advogados, pacientes - alguns depois de passarem pelo horror dos manicômios conseguiram ser PhD em psiquiatria.

      Quem já não passou pelas consultas dos psiquiatras que duram 5 minutos no qual eles já dão o diagnóstico - aliás o DSM-5 foi elaborado sob uma enorme luta e houve psiquiatras até que pediram que se acabasse com este absurdo que vem se tornando cada edição.

      Muitos pacientes dão conselhos preciosos aos pacientes e muitos psiquiatras já levaram a morte inúmeros pacientes.

      Iatrogenia que é a palavra grega para "doença causada pelo tratamento" é a terceira causa de morte nos EUA.

      O paciente tem que estar alerta e se observar muito.
      Não entregue sua saúde a uma pessoa.
      Por isso o que o Julio conseguiu é tão importante e deve servir de exemplo para muitos.
      Parabéns por ter participado do controle de sua saúde Julio.
      Aos pais que estão procurando ajuda: é muito doloroso e muito confuso saber qual decisão tomar.
      Não ouçam só um psiquiatra, escutem os relatos de efeitos colatrais - os efeitos colaterais são efeitos dos medicamentos e o que os levam a não querer tomar.
      Uma coisa eu posso dizer: menos é mais em relação à medicamentos.
      A prática atual resolveu fazer uso de "cocktail" de pílulas juntando um monte de coisas.
      No final não se sabe mais o que é da doença, do medicamento e acaba uma verdadeira salada.
      Sim a psiquiatria é que mais mal está causando pois se tratam de problemas em que é tudo complicado de esclarecer e explicar.

      Não acreditem só nos psiquiatras.

      Excluir
  11. eu me sinto bem com o cinetol e se não fosse ele eu sueli ja estaria so na cama este cinetol me deixa bem melhor so que sou dependente dele a seis anos ok

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado por visitar o blog. O cinetol é usado para tirar os efeitos colaterais dos antipsicóticos, principalmente do haldol. Mas que bom que você se sente bem com ele e está mais disposta.

      Excluir
  12. Meu irmão de 24 anos, foi diagnosticado com a doença. Adorei o site, indicarei aos meus pais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Espero que seu irmão esteja bem, e que aceite e tente lutar e viver com a esquizofrenia. É algo complicado, mas também não é o fim do mundo. A informação é uma boa aliada.

      Excluir
  13. Depois de muita luta e matando muitos leões,quero dar aqui um depoimento:Tive um surto psicótico em 2011.A bactéria H.Piloris quase acabou comigo,a partir de muita pressão alta e noites de insônia ganhei uma depressão q veio junto com pânico,fora as perdas de animais de estimação,estresse,ansiedade etc...Hoje posso dizer q to mais calma e uma luz no fim do túnel apareceu com o cinetol.Quero crer q ele elimine efeitos colaterais de outros remédios q tomo e alguns são terríveis,talvez mais até q os sintomas da doença.Tbm a Psícanálise ajuda bastante, é lento o processo mas em se tratando da mente a busca pelo equilíbrio é grande.Espero ter ajudado alguém por aqui e acrescento:Sem a força da fé em Deus através de Jesus Cristo nada se torna possível!Lembrando q Deus é o Deus do impossível!Fiquem com ele!

    ResponderExcluir
  14. Obrigado pelo depoimento. Realmente o cinetol(biperideno) é muito importante para se tirar o efeito colateral de muitos medicamentos, principalmente do haldol. Já me deram injeção de haldol e se esqueceram do cinetol, e o sofrimento foi muito, durou um mês. Ter fé também é muito importante, independente de religião. Queria tentar a psicanálise, mas acho muito complicado para mim, gosto das coisas mais simples, mas infelizmente somos um pouco complicados mesmo. Parabéns e força na caminhada.

    ResponderExcluir
  15. Ola ja ouviu falar do nitroprussiato de sodio? esta provado que trata a esquizofrenia e ainda por cima nao tem efeitos secundarios,infelizmente as industrias farmaceuticas tudo hao de fazer(na minha opiniao) para que nao seja utilizado na esquizofrenia.
    Ouvi falar tambem da minociclina que tratou de pacientes com esquizofrenia,no reino unido ja esta a ser introduzido com resultados muito bons, das pesquisas que encontrei foram estes dois remedios que mais me convenceram.minha esposa tem surtos psicoticos e toma haldol mas os efeitos secundarios sao uma merda!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, não ouvi ainda sobre o nitroprussiato. Vou dar uma pesquisada depois, parece que existe algum interesse na não cura da esquizofrenia, sei lá... Haldol é complicado mesmo, certa vez me deram uma injeção que dura trinta dias e a sensação é de que era um castigo ou algo parecido. Obrigado pelas dicas e pela visita ao blog.

      Excluir
    2. Ola. Gostaria que me falasse do sentimento de "castgo" q teve quando te injetaram Haldol. Meu irmao toma todo mês 4 ampolas, ele acha muito e eu acho que ele nao precisa. Ele sofre demais.

      Excluir
  16. ok quando pesquisar me diga alguma coisa, é que eu estou a pensar em falar com psiquiatra dela sobre o nitroprussiato e a minociclina.obrigado eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hugo
      As duas medicações que você descreveu estão em fase de pesquisa e nenhum psiquiatra vai prescrever esses fármacos, pois ainda não são aprovados pelos órgãos fiscalizadores
      As pesquisas estão ocorrendo na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. O que poderia fazer e dar um pulo até lá e procurar saber mais sobre as duas pesquisas e isso de falar que não tem efeitos colaterais não é verdade.
      Como exemplo digo que o nitroprussiato de sódio é administrado sobre rigorosa observação de hipotensão e efeitos tóxicos , em ambiente hospitalar e tempo rigorosamente controlado.

      MARIA.

      Excluir
  17. quando fizeres a pesquisa no google escreve nitroprussiato esquizofrenia, e tambem minociclina esquizofrenia,ok obrigado.

    ResponderExcluir
  18. Está certo, quando eu tiver um tempo vou pesquisar sim, parece que querem quando aparece algo positivo em relação a cura da esquizofrenia, parece que não existe tanto interesse.

    ResponderExcluir
  19. uma vez foi a um hospital psiquiatrico e um men vai em direcao ao poste de iluminaçao e começa a querer derruba lo pensei q o men estivesse a ter um surto e nao é que era mesmo um tecnico especialista. eu era assim p ele, oh tem calma,entao! as pessoas q estavam ao meu redor comecaram todas ó senhor tenha calma!!!!

    ResponderExcluir
  20. Voce conhece o caps eu fui la procurar ajuda, eles tem aulas la e me pediram para fazer parte de grupos, mas fiquei com medo nao sei o meu diagnostico ainda nao sei se e toc ou esquizofrenia. Mas fiquei com medo era para ter chegado 8hs cheguei 9 30hs tremendo de medo do lugar pois me proporam almocar no local sera que eles colocam algo na comida? La nada e forcado mais sei la ne. Eu estou sem tomar nada sou tecnica em farmacia e sei todas reaçoes que os medicamentos podem causar e pior ainda para mim. Agora estou com mais medo ainda pesquisei sobre alguns geodon que nao engorda estou com medo de engordar e ter todos os efeitos. Estou o dia todo triste chorando com medo de nao poder mais dirigir e trabalhar estou assustada. Terminei a faculdade e passei em dois concursos e acho que tem algo estranho comigo. Estou com muito medo de nao ter uma vida normal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, alguns caps são bons de se frequentar, tem atividades e boa estrutura. Em relação a comida, eu não sou a pessoa mais indicada para dar esse tipo de conselho, também tenho essa desconfiança e não como em muitos lugares. Fico pensando se nesses lugares não se coloca algo na comida para deixar os usuários mais calmos.. Mas você faz terapia? Quem sabe não lhe ajude, e não precise dos medicamentos?

      Excluir
  21. risperidona causa avc isquemico e perda de memoria um veneno e melho nao tuma a isquesofrenia pode se tratada com terapias
    fazeno o isquizofrenico entende o seu problema

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, realmente a risperidona pode causar certos problemas. No meu caso em particular me deu muita fome, e engordei rapidamente. Tive que parar, pois, além de prejudicar a saúde, ainda tinha o prejuízo financeiro devido à comilança. Obrigado por participar do blog.

      Excluir
  22. Oi Julio li o seu artigo e gostei muito do que vc fala sobre medicamentos. Nossa eu ja estou tão cansada de mudar medicamentos no meu filho, sabe estou descrente de tudo. Já não sei mais o que fazer, nada pra ele funciona e sempre o psiquiatra muda o medicamento. Eu estou tentando com o psiquiatra diminuir as dozes e dar diazepan em casos que ele fique pior. Olha amigo já não sei mais o que fazer, estou desanimada mesmo. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sandra, infelizmente essa é a realidade que muitos profissionais procuram esconder. Através de reportagens, vídeos e sites na internet, muitos profissionais, de uma forma meio irresponsável, afirmam que o tratamento da esquizofrenia é simples, que basta aplicar a medicação e que tudo estará resolvido. Dependendo do caso, pode ser mais simples, mas, em geral as coisas são um pouco mais complicadas. Não estou querendo te desanimar, pelo contrário, continue lutando, procurando alternativas, como o ômega 3, outras terapias, o TCC, etc. Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
    2. Oi Julio obrigado pela resposta, sabe por problemas e aceitação dos medicamentos que causam efeitos graves no meu filho, vou fazer o exame de Genotipagem das enzimas CYP450 no Hc Ipq.
      Nao sei se vc conhece este exame, é pra saber de acordo com o resultado com o medicamento eficaz. Veja como é: Os genes da família CYP450 e o metabolismo de fármacos
      A variabilidade individual na resposta ao medicamento pode ser atribuída a uma consequência de múltiplos fatores tais como: idade, gênero, massa corpórea, funcionamento renal e hepático, terapia concomitante, natureza da doença, etnia, fatores genéticos e ambientais. Estima-se que a genética pode ser a razão de 20 a 95 % da variabilidade na biodisponibilidade da droga e em seus efeitos. O fármaco, uma vez administrado, é absorvido e distribuído até seu sítio de ação, onde interage com enzimas ou receptores sendo metabolizado e depois excretado. Cada um desses processos pode envolver variações genéticas clinicamente significativas tendo a capacidade de influenciar a resposta terapêutica.
      Nos humanos, as enzimas codificadas pelos genes da família CYP450 são encontradas principalmente no fígado, onde são responsáveis pelo metabolismo de drogas, toxinas e outras substâncias. As enzimas P450 modificam esses compostos de forma a aumentar a sua solubilidade e facilitar a sua excreção. Alguns medicamentos precisam ser metabolizados pelas CYPs para só então tornarem-se ativos. Esses processos afetam (facilitando ou dificultando) os níveis sanguíneos dos fármacos. Depois que fizer este exame vou tentar o ETCC no Hc. Um grande abraço e obrigado por tudo.

      Excluir
    3. Sempre achei isso, cada pessoa responde diferente ao medicamento, de acordo com a idade e de suas condições físicas. Infelizmente muitos psiquiatras não pensam dessa forma, padronizando a terapia e dando a mesma dose do medicamento para várias pessoas sem analisar nenhum critério. Passam-se uns dez anos e a dose é a mesma, quando não é aumentada. Parabéns pelas pesquisas e por se informar sobre o assunto.

      Excluir
  23. oi amigos estou na luta cm meu filho a 5 anos atras ele largou os estudos ultimo ano do ensino medio um rapaz lindo com 15 anos na epoca e se fechou pra vida dentro de um quarto escuro,tratamos cm psiquiatra e psicologo por um ano no sameca,nunca mudaram a medicação e ele só piorando,largou o tratamento de vez sem melhoras,a um ano atras pediu pra voltar a se tratar fomos ao psiquiatra particular e começou a luta cm trocas de medicação e efeitos colaterais terriveis vomitos diarreia perda de memoria etc...hoje cm um ano de tratamento ele toma 2 carbolitium de 450, 4 lamitor de 100, 1 atenolol q dis o medico q é pra ansiedade vitamina d pq nunca ve sol ta cm deficiencia e omtem começou cm olanzapina 5 mg, mas o medico ta meio perdido não sabe se é bipolar depressivo ou esquizofrenico e de um mes pra ca virou a se automutilar quer dormir só de dia as vezes não fala cm ninguem nao sai nem na porta,mas não perco a esperança pelo menos ele toma a medicação e aceita ir ao medico coisa q antes era impossivel mesmo ele achando q não vai adiantar estamos assim tristes cm medo mas não desisto apezar da doença ele é uma pessoa calma maravilhoso nunca foi agressivo nem cm palavras,tem aquela fobia de andar em publico parece q todos olha pra ele e as vezes ve vultos por isso medico acha q é esquizofrenico e talvez seja bipolar eu não sei deprssivo sim muito,força a todos q tão nessa luta e acho q meu filho só não se suicidou ainda por causa das medicações são orriveis os efeitos mas nescessarios bjs gente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei é muito angustiado, porque eu me lembro, quando eu tinha 14 anos, realmente me fechou o meu mundo fiquei no quarto escuro por anos com numa depressão grave, começou a tomar 9 antidepressivos diferentes por dia, não melhorou até já mutilava. Depois 5 anos, eu começou tomar bioflorais me melhorou, eu começou sair na cama, fazer coisas que amava, até não sabia queria, então decidi fazer o vestibular da Universidade Federal do Paraná, conseguiu passou 1º lugar um dos melhores alunos de vestibular 2015,comecei estudar, estava sinto muito bem, pareceu curado, mas sem saber depois três meses, o qual me trouxe de um surto euforia grave com sintoma psicótica, fiquei assustado, eu mesmo fui buscou o psiquiatra, lá médica me diagnosticou de transtorno bipolar tipo I e II. Fiquei chocado que medica me falou, mas aceitei o tratamento me ajudar controlar, começou tomar Carbonato Lítio 900 mg, Alprazolam 1 mg, Donaren Retard 150 mg ( eu tomo só 50 mg), dai tudo voltou tudo normal controlado. Mas não demorou muito, 7 meses depois, o meu humor piorou de novo de um episodio euforia de duas vezes mesmo mês mas nada sintoma psicótica. Dai, precisou buscou ajuda da médica psiquiatra, fui obrigado de um aumento o nivel de Lítio para 1.200 mg, fiquei triste, mas aceitei porque eu queria fica saúde. Então começou a tomar, fiquei bem controlado. Mas confesso, episodio depressão grave de um bipolar é muito complicado, precisa de ter muito paciência, chamar um amigo só para chamar ele sair, ou conversar mais. Porque já passei o mesmo situação dele. Imagino quantos crises depressão passa, só Deus mesmo. Lutei um longo episodio depressão grave é muito horrível, dor, choro excessivo, mutilar, oscilação do humor. É muito triste, só abraçar ajudar alivio, mesmo. Tenho 100% que seu filho é bipolar, não um esquizofrênico. Você disse que seu filho parece tem fobia pubico, é síndrome pânico. Humm, Eu já passei igualzinho situação do seu filho, pode acredita que seu filho vai melhorar quando ele sair periodo adolescente, pode acredita.

      Excluir
  24. Tenho 55 anos, tive minha primeira crise com 20 anos, na época as medicações e diagnósticos eram mais complicados na minha opinião. Me tratei com amplictil, haldol e dormonid. Os motivos da crise é que foi muito dificil de lidar. são puramente emocionais, de um dia para outro minha vida virou do avesso, dificuldades familiares descobrindo fatos que não queria, perdi meus herois, consegui me livrar de tudo com terapia e uma ótima psiquiatra. Consegui trabalho, casei, tenho dois filhos e dois netos, mas não me livrei totalmente do transtorno. Novamente por uma grande dificuldade emocional voltei a ter outra crise e muito forte, meu tratamento foi com risperidona e istilnox para dormir. Voltei a fazer terapia e estou conseguindo ficar sem medicações, eventualmente metade do stilnox para garantir o sono que é fundamental. Todos sintomas descritos pelo nosso amigo memorias de um esquizofrênico eu convivi e convivo com algumas delas ainda hoje.
    Ma sei que com tratamento correto da para aprender a conviver com o transtorno e ter uma vida com tudo que ela oferece alegrias e dificuldades. É preciso muita busca interior,e uma vontade de viver que vai além da realidade pois vivemos em vários universos criados por nossa mente e temos que voltar. É possível conviver com a grande maioria de patologia, espero que tenhamos um futuro melhor com diagnósticos, tratamentos, equipes envolvidas em aliviar sofrimentos de pacientes e familiares em desespero. É preciso acreditar e não desistir de buscar ajuda, procure, mude, tente, mobilize os familiares e se tudo isso não for possível, tente novamente. Essa é vida de quem tem um transtorno, não da pra desistir.

    ResponderExcluir
  25. Obrigado pelo comentário. Costumo dizer que os comentários fazem parte do blog, são tão importantes quanto os posts. Você é um exemplo a ser seguido, pena que nem todos têm acesso à um tratamento digno no sistema de saúde. Abraços.

    ResponderExcluir
  26. Júlio, sua ajuda é tão abençoada e você é tão lúcido que nem parece ser esquizofrênico, porque essa doença é tão fatalista que quando fui à médica com meu filho na primeira consulta ela me assassinou, porque ela tanto diagnosticou, como já foi dizendo que a doença era isso e aquilo, o que me deixou tão triste que fiquei com medo de procurar ajuda, e isso fez com que as coisas se complicassem. Agora que as coisas estão piorando resolvi pesquisar mais sobre a doença e estou encontrando forças para procurar ajuda. Claro que meu filho não foi diagnosticado mas os sintomas parecem mesmo ser de esquizofrenia. Quanto sofrimento poderia ter sido evitado se aquela médica "conceituada" porque assim o dizem não tivesse me dilacerado. Agradeço muito a Deus e a você. Esse trabalho que você faz não tem preço. Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado pelas palavras. Infelizmente no Brasil os métodos de tratamento e o próprio tratamento pelo SUS não ajuda muito uma pessoa com um quadro de esquizofrenia. Já na primeira consulta enchem o paciente de medicamentos, e pouco se conversa e se informa sobre o assunto. Isto é um fato, tanto é que resolvi escrever o blog, de início de uma maneira despretensiosa, mas, com o tempo, devido à esse tipo de tratamento que é dado no Brasil, as pessoas ficam com muitas dúvidas sobre o assunto. Aconselho que vc veja o documentário Diálogo Aberto, que é sobre o tratamento da esquizofrenia na Finlândia, onde são obtidos os melhores resultados no mundo. http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2015/03/dialogo-aberto-finlandia.html
      Procuro, da melhor maneira possível, me informar sobre o assunto. Ter a consciência do transtorno ajuda e muito, mas infelizmente não resolve. É muito complicado sair por ai nas ruas, ainda mais nesse mundo estressante e louco em que vivemos.

      Excluir
  27. Adorei seu relato pq me ajudou,tenho alguém MT próxima q é skizo,como chamo.Acho q em alguns casos melhor não tomar remediou pq a pessoa vira um zumbi,doido e ainda gordo?entendo,acredito nas curas alternativas.amei o blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rubi, no Brasil o uso dos medicamentos é muito banalizado, os sentimentos viraram doença. Os melhores resultados no mundo no tratamento da esquizofrenia são obtidos na Finlândia, onde apenas 7% dos portadores tomam medicamentos pelo resto de suas vidas. Já no Brasil se depender dos profissionais, a maioria vai seguir tomando os remédios por toda a vida. Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  28. Ola gostaria de saber se a pessoa com exquizofrenia pode tomar remedios pra abrir o apetite pra engordar.como o buclina...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente pode sim, sem maiores problemas. Se o portador de esquizofrenia estiver tomando antipsicóticos talvez nem precise da buclina, pois grande parte deste tipo de medicamento aumenta o apetite.
      Abraços

      Excluir
    2. Anônimo que quer tomar buclina

      Você ou alguém que está se referindo no texto já foi diagnosticado, não é comum esquizofrênicos precisar engordar. a menos que acredite que estão pondo veneno na sua comida.
      O ideal e tentar resolver esse problema, comer onde ele tem confiança etc, ou ele mesmo preparar sua comida etc.
      O diagnóstico dado por um ou mais psiquiatras é fundamental
      MARIA.

      Excluir
  29. Estive a ler os testemunhos. Eu em Janeiro tive um surto psicótico . Foi-me receitado risperdona e as alucinações desapareceram. A partir daí fiquei apático , não me consigo concentrar ; sinto-me fora da realidade e sem sentimentos. Não consigo ter prazer em nada , ( tudo o que fazia , desde ouvir música conversar etc )sinto me meio robot. Fiquei isolado , afastei os meus amigos actividades sociais. Vou dar um exemplo antes do surto eu dava a opinião numa conversa , era comunicativo alegre .... Agora parece que fui uma pessoa e virei outra. É uma luta interior enorme.
    Fiquei lento. Estes sintomas serão de esquiziofrenia? . O meu psiquiatra perguntou me se ouço vozes e se tenho alucinações. Resposta não . Então ele diz que eu tenho uma depressão major. Tomo antidepressivos mas não vejo melhoras. Vejo os dias a passar ; Penso que sou esquiziofrénico , qual as vossas opiniões? . Sei que diagnósticos à distancia são complicados , mas penso que só quem passou pelas coisas pode dar uma opinião, Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      A esquizofrenia tem alguns sintomas, que são chamados de negativos, em que há o embotamento afetivo, é como se fosse a ausência das emoções. Mas os antipsicóticos também podem causar isso. E muitos outros sintomas da esquizofrenia podem ser causados pelos próprios medicamentos usados para este transtorno, o que pode complicar ainda mais o diagnóstico. Existem vários graus de gravidade da esquizofrenia, talvez a que você tenha seja uma esquizofrenia simples, em que não ocorrem alucinações, só alguns pensamentos de mania de perseguição e outros delírios. Você tem mania de perseguição exagerada? Quais medicamentos está usando atualmente?

      Excluir
  30. Boa noite, eu tomo antidepressivo venfalaxina e alprazolam em s.o.s. Não tenho alucinações apenas sinto-me fora do corpo a toda a hora. Evito as pessoas com medo que se apercebam no estado em que estou ou me façam perguntas. Na verdade perdi os sentimentos e emoções , embotamento. Na próxima consulta vou expor com mais clareza os sintomas ao meu psiquiatra. É horrivel viver assim ... um dia atrás do outro sem me sentir a vida .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo como deve estar se sentindo. Só não entendo como os profissionais da saúde mental não dão à devido importância aos sintomas negativos da esquizofrenia, que são bem parecidos com os da depressão. Não sei qual dos sintomas são piores. Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
    2. É normal, é sintoma depressão que associada ansiedade.

      Excluir
  31. Bom dia.
    Pq esses remédios podem causar diabete (antipsicoticos)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, bom dia.
      Pensava que era pelo simples fato de aumentar o apetite e consequentemente, fazer com que o usuário ganhe peso. Mas não é só isso, os antipsicóticos alteram algo no organismo da pessoa na produção da insulina. Este site é muito bom, para colhermos informações sobre a esquizofrenia. http://entendendoaesquizofrenia.com.br/website/?p=4887

      Excluir
  32. A risperidona engorda muito..... Tomei ela mas não gostei ,porque ela da muita fome
    Engordei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, pelo que pesquisei por "alto" alguns antipsicóticos parecem alterar algo no cérebro responsável pela saciedade. E ai vem essa fome imensa. Além do prejuízo à saúde, vem o financeiro, pois gastamos muito dinheiro com doces e outras bobagens que deveriam ser comidas só de vez em quando.
      Obrigado pela participação.

      Excluir
  33. Sou portador de esquizofrenia, com diagnóstico feito há 7 anos. No começo foi muito difícil, devido à pouca idade, não era possível tomar medicamento, então era sempre no improviso. No começo, eu estava totalmente fora da realidade, vivendo em um mundo paralelo, escrevendo coisas sem nexo e com comportamento bastante estranho. Na época, eu ainda era estudante do ensino fundamental e sofria bullying por parte dos colegas de turma, com apelidos maldosos como "pertubado". Além das constantes ameaças de agressão por parte deles. Até parentes próximos contestavam minha doença, diziam "isso é frescura", "é falta de porrada" já cheguei até ouvir "isso é falta de buceta, come uma que passa". Sim, com esse linguajar chulo. Teve até uma pessoa que indagou com o médico era "burro, porque eu não tinha nenhuma doença". Mesmo, tendo os delírios e as alucinações, o pessoal questionava e tinha dúvidas se era verdade. Eu tinha um comportamento tão estranho, mas nem eu notava, um exemplo disso: comecei a catar garrafas e latas na rua e estocar em casa para vender no ferro velho. Detalhe: minha família tem boas condições financeiras, logo não precisava daquilo. Chegou até a aparecer insetos aqui em casa, devido ao meu "estoque" de lixo. Desconfiança excessiva, não podia ouvir ninguém rir ou falar em voz baixa que já achava que estavam falando ou rindo de mim.

    Agora vamos à medicação: A princípio, o psiquiatra receitou Risperidona 2mg, porém tive uma forte reação adversa à medicação no qual passei vários dias sofrendo, pois era começo de ano e o médico estava de férias para resolver o caso. Passado esse período, foi-me prescrito o Pimozida (Orap), em uma dosagem que não lembro qual. O remédio foi o mesmo que nada, não fez nenhum efeito - com os sintomas da esquizofrenia piorando cada vez mas - então, o psiquiatra aumentou a dosagem do Orap, também sem nenhua melhora. Foi aí que ele receitou novamente a Risperidona 2mg, mas, dessa vez, associada ao Akineton. Nesse período tive uma melhora significativa nas alucinações, embora o comportamento estranho se mantivesse (ainda sem eu perceber que estava agindo de maneira estranha). Posso dizer que a Risperidona acabou comigo (em termos de aspecto físico), essa medicação me dava insônia de madrugada e forte sedação de dia, deitava às 23h e só conseguia dormir quase de 06h da manhã, e acordava de 16h da tarde, Como estudava de manhã, e não conseguia acordar, não cheguei a ir 10 dias à escola em um ano letivo de 200 dias. Conclusâo: fui reprovado por dois anos seguidos, e meus pais ainda reclamavam comigo, pois era chamado de "preguiçoso" e "vagabundo". Foi aí que que falei "Me matriculem no turno da noite, que vou provar que não sou isso". Foi aí que tudo mudou, quando na reunião dos pais, os professores me elogiavam pelo meu desempenho. Eu nem sabia escrever corretamente, sempre com erros ortográficos, e comecei a ler jornais e revistas, e aprendi a escrita correta, coisa que na escola não ensinaram (esse é o ensino público do nosso Brasil) e passei a ser elogiado inclusive pelos jurados de um concurso de redação que teve na minha antiga escola.

    ResponderExcluir
  34. [PARTE 2]

    Voltando à medicação, eu achava que a Risperidona havia controlado a doença, continuava a ter alucinações, mesmo sendo em menor escala. O que piorou bastante, é que a Risperidona estava afetando minha concentração e além da sedação, na época eu estava em um curso técnico integrado ao ensino médio e vi que meu raciocínio estava debilitado e ao explicar isso ao médico, ele trocou a Risperidona - que, na época, era 3mg - por Olanzapina 10mg, um remédio bastante caro que não fez efeito em momento algum. Conclusão: dinheiro jogado fora. Voltei para a Risperidona em 2013, agora na dosagem máxima permitida, (6mg) e adivinhem: as alucinações continuaram! Aí, ao explicar ao médico, ele continuou com aquele medicamento, agora associado ao Melleril, as alucinações diminuíram, mas continuavam em média escala, além dos efeitos colaterais que aumentaram bastante. Nesse ano de 2015, as alucinações ainda se mantinham notáveis, foi quando em uma consulta, indaguei ao médico sobre a sedação e também pelos sintomas da esquizofrenia que ainda me pertubavam. Foi quando ele fez uma proposta: "Quanto você gasta com remédio por mês?" e aí minha mãe disse o valor, foi quando ele apresentou o Aristab, disse que era um remédio caro, mas que poderia fazer melhor efeito, ele cedeu duas caixas de amostra grátis para testar. Passei a tomar a medicação e só digo uma coisa: Voltei a viver, pois antes eu não vivia e sim vegetava. As alucinações SUMIRAM, a insônia acabou e o turno da manhã voltou a existir para mim. Durmo a mesma quantidade de horas que um ser humano saudável. Enfim, minha vida voltou ao normal e vejo que hoje sou capaz de absolutamente tudo. Nada de efeito colateral desagradável, nada de aumento de peso, nada de sonolência durante o dia, nada de insônia durante a noite e nada de perda de concentração.

    Então, se você puder experimentar o Aristab, peço que experimente, pois apesar de ser um remédio caro, garanto que não irá se arrepender, pois esse remédio foi o que de fato controlou a minha esquizofrenia.

    Agradeço pelo espaço cedido para que eu pudesse deixar o meu relato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo seu testemunho, especialmente elo final feliz qe anima ano. DEUS O ABENÇOE

      Excluir
  35. qual sua opinião, o que vc acha sobre o documentário O MARKETING DA LOUCURA ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, assisti esse documentário. Acho também que a psiquiatria pega pesado tentando classificar tudo e todos. Mas também não descarto que o cérebro, assim como qualquer outro órgão, pode vir a ter seus problemas.... Falei sobre isso nesta postagem http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2012/05/psiquiatria-uma-industria-da-morte.html

      Excluir
  36. oi, tenho 20 anos fui diagnosticado pelo psiquiatra com o cid f41.2 e f.29 só trabalhei de carteira assinada apenas 6 meses será que consigo aposentadoria por invalidez com esses atestados ?? o que vc acha pelas suas experiencias ?? obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que ouvi dizer, agora são necessários 12 meses de carteira assinada para se pedir o auxílio doença. Um advogado ou então uma assistente social poderá confirmar isso para você.

      Excluir
  37. FUI NA PERICIA NO INSS, E CONTEI TUDO AO PERITO, QUE OUVIA VOZES MANDANDO ME MATAR E MATAR PESSOAS, QUE ESTAVA A 2 ANOS SEM SAIR DE CASA, QUE HORA SENTIA MUITA TRISTESA E HORA SENTIA MUITO ALEGRIA, LEVEI OS 2 ATESTADOS QUE MEU PSIQUIATRA DEU F41.2 E F.29 LEVEI TODAS SA 15 RECEITAS AZUIS, TODOS OS MEDICAMENTO QUE TOMO, 2MG DE RISPERIDONA 200MG DE QUETIAPINA 150MG DE VENLAFAXINA 20MG DE CLORIDRATO DE PAROXETINA E 15MG DE DORMONID, AÍ QUANDO CONTEI TODOS OS NOMES DOS REMEDIOS QUE TINHA TOMADO E NÃO TINHA FEITO EFEITO, O PERITO DISSE "HUM JÁ TÁ UM DOUTOR SABE TODOS OS REMEDIOS, TAMBÉM DE TANTO TOMAR NÉ rsrs'' ENTÃO COMO VC INTERPRETA O QUE O PERITO DISSE ?? SERA QUE ELE VAI NEGAR MEU BENEFICIO ?? CONTEI TODA A VERDADE QUE SINTO E NÃO INVENTEI NADA COMO MUITOS FASEM DANDO UMA DE DOIDO. obrigado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, você está correto, diga a verdade, não precisa inventar ou simular que é louco. A esquizofrenia não é sinônimo de loucura, é um transtorno mental que chega a ser incapacitante. Os peritos costumam ter a fama de mal, mas infelizmente por causa da corrupção o inss não tem como cumprir o seu papel, e ai os peritos parecem ter uma cota para liberar o benefício, ou então eles concedem e o pessoal que faz "as contas" não libera. Mas continue assim na perícia, fingir não adianta muito. Espero ter ajudado em alguma coisa. Mas em primeiro lugar pense na sua recuperação, para assim tentar voltar a trabalhar um dia. Me aposentei, mas depois de tentar várias vezes voltar a trabalhar, E dá uma depressão, um vazio, ficar sem objetivo na vida e sem ter o que fazer.

      Excluir
  38. Respostas
    1. Só usei por uma noite, me deu muito sono, e devolvi para a psiquiatra, pois é um medicamento caro. Me lembro que dormi praticamente por dois dias. Mas isso não quer dizer que vá acontecer com todo mundo, creio que sou meio fraco mesmo para esses medicamentos.
      http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/2015/01/zyprexa.html

      Excluir
  39. Minha esposa toma risperidona 2 mg já faz 3 anos, até que o remédio controla bem, no começo ela sentia vontade de se matar, e mudava de humor sempre. O problema é que esse remédio incha, cai a sobrancelha e o cabelo, e ela para de tomar aí os problemas vem tudo de novo. Existe algum remédio que não tem esses efeitos colaterais? Que possa substituir risperidona?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente grande parte dos antipsicóticos engordam. Tudo depende também da dose. Relembrei todos os medicamentos que usei, e um dos poucos que não me davam fome era o melleril. Mas parecem que atualmente os psiquiatras só querem saber de receitar quetiapina e risperidona. Posso estar enganado, mas esses medicamentos ainda estão patenteados, e por isso ainda são caros, e algumas pessoas saem ganhando com essa preferência por esses antipsicóticos. Já o melleril é mais barato, por que qualquer laboratório pode fabricá-lo. Converse com o psiquiatra para tentar outro medicamento que não dê tanta fome. Além de engordar, pode aumentar os triglicerídeos, o colesterol, etc.

      Excluir
  40. Olá, tive um surto que demorou 5 dias. Voltei ao normal após tomar muito remédio na veia. O surto foi terrível...perseguição, sensação de poder, discurso. Só não tive visões nem audições. Passado o surto, comecei a tomar Olanzapina e Rivotril. Um mês depois mudei de cidade e de médico, e o mesmo me passsou para Risperidona. A transição dos remédios foi terrível. Tive várias confusões mentais que nem sei explicar. Relatei isso ao médico que retornou com a Olanzapina. Passado alguns meses senti que estava ficando muito tímido e antissocial...relatei isso ao medico, que me indicou novamente a Risperidona. Em algumas semanas senti minha voz mudando de tonacidade o que só aumentou a timidez, fora que estava andando meio esquisito. Relatei novamente ao médico que me passou desta vez para o Aristab. Um remédio caro, mas que não me deu efeito colaterais. O remédio não resolveu a timidez. Entao comecei a fazer Terapia com uma Psicologa e de inicio não senti muitas melhoras. Aos poucos comecei a jogar futebol, fazer academia e visitar parentes, com isso dei uma melhorada. Além do Aristab tom Stilnox para dormir e Rivotril 0,25 somente para SOS ou quando vou em situações sociais boto um Rivoltril 0,25 para dentro. Apesar dos remédios para dormir, ainda sinto muito dificuldade de ter um sono bom. O único dia que durmo bem é o dia do futebol, pois volto para casa bem cansado. O Aristab 10mg é um remédio caro. Se fizer o cadastro no telefone "Cuidados pela Vida" o preço cai pela metade, mas mesmo assim ainda sai caro. A decisão de parar de tomar remédios como do nosso amigo Julio é muito delicada. É um risco ter novamente um surto. Ainda mais um surto forte. Entao vou optar manter os remédios até segunda ordem. Em todos os sites que pesquiso diz que o surto dura no mínimo 4 semanas. O meu durou 5 dias. Por isso as vezes me pergunto se meu surto foi resultado de um Stress apenas, ou trate-se de uma esquizofrenia. A minha avó teve um único surto que durou 3 meses e depois se recuperou. Ela criou 13 filhos e não tenho relato dela ter tomado remédios. Ninguem mais na família teve casos parecidos...e olha que minha família é grande. Mesmo com duvida se é esquizofrenia ou não, eu ainda sinto sintomas negativos e um alguns medos bobos que aos poucos vou superando. Indico aos colegas que façam musculação e tentem jogar um futebol ou vôlei. Tentem sair de casa, se possível estudar e trabalhar. Claro que já pesquisei e existem diversos casos diferentes, diversas situações.
    JULIO, o que acha do meu caso...é uma esquizofrenia, ou é um surto breve que deixou sequelas? Veja este link http://fabiopsiquiatria2.blogspot.com.br/2013/10/quando-ocorre-um-surto-psicotico.html
    Ah! parabéns pelo blog, irei escrever aqui sempre que puder para tentar ajudar. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado pelas dicas e pela participação. Parabéns por não desistir. O aristab realmente é um pouco caro, e é mais indicado para os sintomas negativos. Exercícios físicos ajudam muito, não só na parte física como mental, e se puderem tomar juntamente o ômega 3 irão sentir uma boa melhora. Talvez o seu caso seja uma esquizofrenia simples, onde não existem alucinações e o gatilho foi algum stress que você teve, talvez no trabalho ou na escola. E surtar qualquer pessoa está sujeita, pelo menos aquelas que tiveram algum trauma ou tiveram uma vida estressante. Mas em relação ao fato de pensar que seja uma esquizofrenia simples, continue pesquisando, talvez seja um surto isolado mesmo, ou então causado por depressão ou um trauma. Abraços

      Excluir
    2. Muito bom. Fiz uma pesquisa sobre o Ômega 3 e realmente ele é bom para o cérebro. Conhece o Ácido Glutâmico?? Dizem que é bom para quem tem esquizofrenia. Ele pode ser encontrado em alimentos como ovo e leite, e em suplementos como Levedo de Cerveja e Whey Protein. Segue extrato de uma pesquisa:
      ""O ácido glutâmico pode também ser um tratamento eficaz para a esquizofrenia ou distúrbio bipolar. Um estudo realizado no Instituto de Psiquiatria da Universidade de Illinois-Chicago revelado em um estudo post mortem que os esquizofrênicos têm uma diminuição do nível de ácido glutâmico. Introdução de terapia de ácido glutâmico, de modo a inverter a deficiência pode oferecer uma terapia eficaz para esta desordem.""
      http://www.comicb.com/beneficios-acido-glutamico/
      http://wheyprotein.com.br/acido-glutamico/

      Excluir
    3. Obrigado pela participação e pela dica. O ômega 3 foi a melhor descoberta que fiz depois que surtei e passei a estudar o assunto. E juntamente com exercícios físicos me deu muita disposição, só que me acomodei e parei de tomar. Este ano quando fui voltar a tomar, comprei o da mesma farmácia de manipulação, e notei que a cor das cápsulas estava mais clara. E não senti o mesmo efeito, talvez tenham mudado a concentração da fórmula, por causa da crise e não ter que aumentar tanto o preço do produto. Vou procurar uma outra marca e voltar com os exercícios físicos, pois senti uma melhora tanto na parte física como mental. Sobre o ácido glutâmico ainda não pesquisei não, vou dar uma olhada aqui. Como o ovo é uma boa fonte, até que estou tranquilo, pois é um produto relativamente barato, se bem que o ideal seria consumir o ovo caipira, que é um pouquinho mais caro.
      Obrigado pela participação.

      Excluir
  41. Julio, continuando minha pesquisa sobre se tratar de um "surto isolado" ou não, encontrei um site que fala sobre o diagnóstico que meu médico me deu (f23 - Transtorno Psicótico Breve ), que diz: "A duração de um episódio da perturbação é de, pelo menos, um dia, mas inferior a um mês, com eventual retorno completo a um nível de funcionamento pré-mórbido." link: http://www.acaciapsi.com.br/os-novos-transtornos-mentais-psiquiatria-dsm-v/transtorno-psicotico-breve/
    Apesar do diagnóstico, senti alguns sintomas negativos relativos a esquizofrenia no decorrer dos últimos 2 anos. E, após 2 anos do surto, esses efeitos negativos começam a diminuir. Por exemplo, já consigo malhar, jogar futebol, conversar, e pesquisar na net.
    Os médicos e psicólogas que fui não souberam me dizer ao certo se terei que tomar remédios de forma indeterminada ou se poderei parar algum dia. As vezes tenho a sensação que eles não querem perder um "cliente". Mas vou continuar nas pesquisas e comentar por aqui para ajudar demais casos parecidos. Dê uma lida no link e comente se puder. Para quem é de São Paulo achei ótimo o site, pois integra psicologia com psiquiatria.

    ResponderExcluir
  42. Outro resumo que achei.
    F23 Transtornos psicóticos agudos e transitórios
    Grupo heterogêneo de transtornos caracterizados pela ocorrência aguda de sintomas psicóticos tais como idéias delirantes, alucinações, perturbações das percepções e por uma desorganização maciça do comportamento normal. O termo "agudo" é aqui utilizado para caracterizar o desenvolvimento crescente de um quadro clínico manifestamente patológico em duas semanas no máximo. Para estes transtornos não há evidência de uma etiologia orgânica. Acompanham-se freqüentemente de uma perplexidade e de uma confusão, mas as perturbações de orientação no tempo e no espaço e quanto à pessoa não são suficientemente constantes ou graves para responder aos critérios de um delirium de origem orgânica (F05.-). Em geral estes transtornos se curam completamente em menos de poucos meses, freqüentemente em algumas semanas ou mesmo dias. Quando o transtorno persiste o diagnóstico deve ser modificado. O transtorno pode estar associado a um "stress" agudo (os acontecimentos geralmente geradores de "stress" precedem de uma a duas semanas o aparecimento do transtorno). Fonte: http://www.psicnet.psc.br/v2/site/dicionario/registro_default.asp?ID=46
    Julio, perceba que ele fala em "cura" em poucas semanas. Se cura, então não seria mais necessário remédios, é o que eu entendo, ou quero entender (rss). Mas a verdade é que surtos que cessam com uso de remédios em menos de um mês não seria esquizofrenia e sim transtorno psicótico breve. Não quero incentivar ninguém largar o psiquiatra, mas nota-se que muitos médicos estão desatualizados. A maioria quer apenas se limitar a receitar remédios em poucos minutos para em seguida atender outro cliente. Quanto mais cliente mais dinheiro. São poucos que param para orientar sobre alimentação, tipos de remédios, tipos e níveis da doença. Cada um possui uma especificidade, logo deve ser orientado de forma diferente. Mas não é o que acontece. Eles considerem todos casos iguais e largam a mao na caneta para receitar remédios e mais remédios, sem estudar o histórico do paciente (cliente) tempo de duração do surto, tipo de stress que causou o surto, histórico familiar etc. Muitos não indicam uma psicóloga, com medo de perder o cliente para psicóloga, quando na verdade deveriam trabalhar em conjunto. Eu demorei para procurar uma psicóloga, pois segundo medico ainda não era necessário. Com isso perdi um tempão...pois vi que com a psicóloga (por pior que ela seja) te força a conversar a se abrir... é uma pessoa que torna sua amiga e que serve para perder o medo de conversar. Enfim, se faz necessário um tratamento com psicóloga em um pós surto. Infelizmente nem todos tem condições financeiras de se pagar médicos, psicólogos e remédios. Nesses casos acho que tem que procurar a defensoria pública para entrar na justiça para ter acesso aos melhores remédios do mercado. É uma luta, mas devemos usar espaços como este para trocar informações e pesquisas que levem uma melhor qualidade de vida. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em tudo o que você comentou. Não tenho experiência com psiquiatras particulares, mas os do sus costumam preencher a primeira receita em menos de dez minutos. Não sei se é por que falta estrutura e condições de trabalho, mas pouco se estuda o caso e logo vão medicando a pessoa. Talvez seja um surto breve mesmo, provocado por stress, e isso todo mundo está sujeito a ter. Obrigado por essa e todas as dicas que postou, ajudam e muito a tirar a dúvida dos leitores.

      Excluir
  43. Um artigo em inglês sobre F23. Utilizei o google translator para tradução: http://www.theravive.com/therapedia/Brief-Psychotic-Disorder-DSM--5-298.8-(F23)

    ResponderExcluir
  44. Segue reportagem que fala sobre a suspensão de remédios em alguns casos.
    http://www.einstein.br/einstein-saude/em-dia-com-a-saude/Paginas/esquizofrenia-um-dos-misterios-da-mente.aspx

    ResponderExcluir
  45. Omega 3. Noticia de 2015. http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2015/08/11/omega-3-reduz-risco-de-desenvolver-doencas-mentais-diz-pesquisa.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me sinto bem melhor usando o ômega 3, por isso falo tanto dele por aqui no blog e onde posso ter a oportunidade de compartilhar. Se for aliado também exercícios físicos o resultado é melhor ainda. Não custa nada tentar, além do dinheiro é claro. O máximo que pode acontecer é termos o colesterol e os triglicerídeos diminuídos, o que acontece ao contrário no uso de alguns antipsicóticos.
      Obrigado pela participação e pelas dicas.

      Excluir
  46. Comecei a tomar o Risperidona 2mg ontem a noite e o Sertralina 25mg pela manhã. Estou me sentindo muito mal, só quero dormir e senti palpitação no coração tipo taquicardia, estou muito mole e não consigo comer nada, não sinto fome nenhuma. Eu tive anorexia nervosa e depressão e fiquei internada 3 vezes em 2000, 2002 e 2004. Eu tomei muitos remédios nessa época, depois de 2004 melhorei bastante e o psiquiatra suspendeu o remédio. Nunca mais tive nem dor de cabeça, só que agora parece estar voltando, estou fazendo terapia com psicólogo, nutricionista, mas emagreci muito aí fui na psiquiatra particular ontem e já passou esses remédios. Eu já havia usado o Risperidona em uma dessas internações. Mas é horrível essa sensação. Ela falou se eu emagrecer mais 1kg vou ter que ser internada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complicada a sua situação, e o estranho é que a risperidona costuma dar uma fome enorme, foi justamente por causa disso que parei de tomar esse medicamento. Mas quais remédios você tomou quando melhorou em 2004? Não seria uma boa voltar para esses remédios?

      Excluir
    2. Pois é.. tenho que procurar os receituários dos remedios que tomei em 2004.

      Excluir
  47. Olá, vou relatar meu caso, começei a tomar reperidona no ano de2010 , na primeira semana tomando esse remédio tive a primeira crise (coração acelerado, respiração bagunçada , boca seca), nunca havia tido crise antes de tomar esse medicamento, hoje suspender por conta própria, hoje sofro com efeitoss colaterais da Resperidona. Atualmente nao consigo dormir de jeito nenhum, gostaria saber se procurar um neurologista pra que aconteceu, hoje eu culpo a resperidona, perdi minha coordenação motora tambem,, o que você me aconcen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Sinceramente não tenho um conselho que vá resolver essa situação. Bem que gostaria de ter essa resposta. Hoje sou um viciado em diazepan, graças a um médico que me receitou, sem ao menos me alertar sobre o risco de dependência física e psicológica, além de atrapalhar e muito a memória recente. Só consegui diminuir de 20mg para 5mg. É um grande avanço, mas parar é muito complicado, meu sono era menos ruim quando não tomava diazepan.
      O que posso te aconselhar é fazer exercícios físicos, ocupar o seu tempo com algo que goste, não tomar café depois de um certo horário, bem como outros alimentos excitantes, com o chocolate. Se puder, um chá de erva cidreira ajuda um pouco. Creio que neurologista não seja o especialista mais indicado para esses casos, o da coordenação motora, mas não custa tentar.
      Obrigado pela participação e melhoras.

      Excluir
  48. Minha irmã foi diagnosticada com transtorno bipolar e foi passado Olanzapina Lamotrigina e Lítio. Só que ela tá passando muito mal com a Olanzapina, tendo uma inquietação horrível. O médico suspendeu o Olanzapina porém ela voltou a ter surtos.
    Qual seria sua sugestão? Teria alguma sugestão de medicamento pra diminuir essa inquietação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Em primeiro lugar muito obrigado pela visita ao blog e pela confiança.
      A verdade é que não me sinto capacitado para dar esse tipo de sugestão, mas posso relatar algo que funcionou com uma amiga que é bipolar. Ela não se deu bem com o lítio e passou a usar medicamentos usados para epilepsia. Como disse, não estou receitando e nem indicando algum tipo de tratamento, só estou repassando o que uma amiga bipolar me disse. Este link tem algumas informações sobre este tipo de tratamento. Talvez seria uma boa conversar com o psiquiatra sobre isso.
      http://lucasmantovani.com.br/faq/tratamento/por-que-quem-tem-transtorno-bipolar-toma-medicamentos-para-epilepsia-e-esquizofrenia/
      http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462004000700009&lng=pt&tlng=pt?viewType=Print&viewClass=Print

      Excluir
  49. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo como deve estar se sentindo. Infelizmente a maioria dos antipsicóticos mais modernos tem esse efeito colateral. Se por um lado diminuíram os tremores, a discenesia tardia, aumentaram a sensação de fome e a sonolência. Pelo que me lembro, o melleril não me dava fome, e nem a clorpromazina. Mas esses são medicamentos antigos, e os psiquiatras parecem não aprová-los, só receitando a quem já está acostumado com eles. Mas até que o melleril é um pouco mais novo do que a clorpromazina. Claro que tudo depende também da dose administrada. Existem sim alguns que não dão fome, mas são poucos.
      Espero ter ajudado.

      Excluir
    2. Converse com o medico sobre o Aristab. Tomo este e nao engorda.

      Excluir
  50. Quero lhe parabenizar pela iniciativa do blog e tudo mais...
    Eu sou esquizofrenico desde os 19 anos de idade, hoje tenho 27 anos.
    Experimentei alguns remedios, na época engordei, passava mal depois das 17 horas, tinha dificuldade para urinar, pensamento obsessivo, fotofobia... os remédios que tentei e que causavam isso foi invega sustenna e zyprexa.
    Hoje tomo uma dose baixa de quetiapina, consigo ter uma vida aparentemente normal, sou poeta em Florianópolis, Santa Catarina. Escrevo a muitos anos, mas quando tomava dosagem alta, não conseguia fazer nada produtivo.
    Hoje não tenho mais aquele monte de problema que citei logo acima, apenas ouço, o restante sumiu.
    Eu sou autodidata, ou seja, gosto de aprender sozinho, lendo e isso ajuda.
    Hoje ignoro quando escuto, pensando algo do tipo, aquela pessoa é infeliz e penso outras coisas que são eficazes quase sempre.
    Quem quiser fazer amizade comigo, pois sou uma pessoa boa como o fundador deste blog que também é uma pessoa incrível, posso compartilhar o que sei também, meu whats 48 9912 5580 e facebook Silvio Dagoberto Orsatto Filho.
    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Verdade, um dos sintomas mais inconvenientes é a fotofobia. Nunca falei sobre isso no blog, pensava que sou eu que tivesse esse efeito colateral. Creio que vou ter que usar óculos próprios para isso, já cheguei a usar lentes fotocromáticas, mas quebraram, hoje em dia o ideal para esse problema é o transition, o preço que é um pouco alto, mas é um alívio e tanto.
      Depois vou te adicionar no facebook e se quiser pode me enviar poemas para colocar nas postagens. Tem uma sessão no blog chamada galeria de arte, onde posto trabalhos culturais de pessoas com transtornos mentais.
      http://memoriasdeumesquizofrenico.blogspot.com.br/search/label/galeria%20de%20arte

      Excluir
  51. Boa tarde, minha filha tem vinte anos tomou amplictil ,risperidona olanzapina e tem dois dias que o remédio acabou eu queria mudar por esse Aristab ou equetina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que li o aristab é mais indicado para os sintomas negativos da esquizofrenia, que é o desânimo, a apatia, o embotamento afetivo, etc. Se ela está sentindo isso e tem esquizofrenia, é uma boa tentar, o único porém é que ele é caro, mas muitas pessoas conseguem gratuitamente pelo estado. Já a quetiapina é um pouco semelhante a risperidona, até nas reações adversas, que é o apetite aumentado.

      Excluir
  52. Só lembrando que a mudança nao pode ser abrupta, senão pode causar efeitos adversos. A troca de remedio deve ser feita com orientacao medica e num processo lento. Se fizer um cadastro no telefone "Cuidados pela vida" o preço do Aristab cai pela metade. Boa sorte. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, é sempre bom consultar o psiquiatra tanto na hora de trocar a medicação como tentar diminuir ou até mesmo parar.
      Em relação ao aristab, infelizmente para quem ganha um salário minimo a metade da metade já é caro...
      Mas vou tentando outras alternativas, não vou desistir, posso até perder, mas sem deixar de lutar.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  53. Boa noite tenho um filho de vinte anos que desenvolveu a esquizofrenia com o uso de maconha ficou internado numa clinica 5 meses estava tomando clorpromazina carbamazepina e fluoxetina melhorou um pouco venho para casa não quiz tomar mais os remedios nem ir no psiquiatrs e psicologo com um sintomas negativo muito grave ri sozinho as vezes fala sozinho totalmente alheio a tudo e a todos começou com problemas com a alimentação tudo que vem no plastico não quer comer nem carne nem o que vai no microondas tv não pode ligar implicância com o celular depois não queria tomar banho nem perfumes começo u usar roupas velhas que estavam guardadas com cheiro de mofo negava tudo muito dificil muito medo de deixa lo sozinho então não tive outra alternativa senão reinterna lo só que em outra clinica fazem 8 dias que está la agora esta tomando rispiridona espero que seje bom para ele porque o problema dele agora e psiquiatria esta alheio a tudo desconfia de tudo mas não e agressivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      A maior parte dos portadores de esquizofrenia não são agressivos. Infelizmente criam-se rótulos que só pioram a situação.
      O que posso aconselhar é que tente conhecer bem a clínica onde o seu filho está internado. Algumas são lindas por fora, com belos jardins e tudo mais. Mas por dentro a situação é bem diferente.
      Espero que ele tenha melhoras.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  54. Este site é de Sao Paulo. De uma olhada. http://www.acaciapsi.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Dei uma olhada, bem interessante, salvei aqui nos favoritos.
      Obrigado pela dica e pela participação.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Lá na proesq a consulta é esse preço? É um investimento arriscado esse... Não sabia que era tão caro assim, se soubesse nem teria recomendado.

      Excluir
  55. olá sou escrisofenico e leio bastante sobre a doença tomo risperidona a cinco anos e não surto a cinco anos,li sobre um novo antipsicoto de última geração o palmitato de papeliridona ele não é fornecido pelo sus dos que os efeitos colaterais são mínimos e proporciona melhor qualidade de vida so que e bastante caro..vou tentar conseguir judicialmente pelo estado alguem sabe mais sobre este medicamento alguem já tomou ele voce pode me informar mais Júlio? obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      A risperidona é um bom medicamento, só que dá muita fome, dentre outras reações adversas. Também senti as pernas pesadas, principalmente na parte da manhã. Já esse medicamento que você citou não cheguei a usar, mas as referências são muito boas, e aconselho você a tentar sim pelo estado. Dependendo do lugar onde você mora terá boas chances de conseguir. Infelizmente em Belo Horizonte, onde moro, está faltando até rivotril e outros medicamentos básicos nos postos de saúde.
      Converse com o seu psiquiatra, creio que será necessário que ele preencha um formulário, para que você envie para o órgão competente. Depois retorne quando conseguir.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  56. Olá, meu filho tem 5 anos e meio e toma risperidonpa desde 2014. Qdo começou a frequentar pré escola com 3 e meio, a psicóloga da escola me chamou e disse q ñ estava entendendo meu filho e perguntou como era em casa. Eu disse q era normal como todo menino, faz mto barulho gosta de bateria e fala e canta mto alto. Acharam q devia ter problemas auditivos, e ñ tinha, passa na fono, faz TO e tbm psicóloga. Ele é filho único e ñ teve interação com crianças com a mesma idade. Tenho uma sobrinha com a mesma idade, mas ñ aceita ele. Sofro mto pq ele é mto amoroso mas é intolerante a frustração. Ainda acho que ele precisa trocar de medicação. Ele é mto extrovertido q passo vergonha. Qdo vê crianças, sai correndo atrás... ñ tem limites em todos os sentidos. Porém na escola faz td e obedece a professora. Ano retrasado tive mts problemas com ele na escola... vai para o primeiro ano e tem uma professora q pediu até pra dar aulas pra ele novamente... Eu fiquei feliz pq com ela deu certo. Mas ainda tem dificuldades. Gostaria de uma sugestão de qual medicamento seria melhor pra ele... já q ñ tem limites e é intolerante a frustração. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Será que ele não tem TDAH, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade? Meu filho apresentava esses mesmos comportamentos e foi diagnosticado aos sete anos. Dá uma olhada nesse site: http://www.tdah.org.br/
      Cristina

      Excluir
  57. Olá
    Obrigado pela visita ao blog e pela confiança em me pedir uma orientação.
    Gostaria muito de poder lhe ajudar, mas é um pouco difícil com base nos seus relatos.
    Na minha opinião, criança ser "bagunceira" "hiperativa" é normal. Seria estranho sim uma criança ser muito quieta, que não brinca, que não faça bagunça, enfim, que explore o mundo para conhecer melhor tudo e a todos.
    Acho muito estranho medicar uma criança com apenas três anos, você procurou uma segunda avaliação de um outro profissional?
    Obrigado

    ResponderExcluir
  58. Olá! adorei seu blog! tenho um irmão de 27 anos que teve um diagnostico de psicose leve, porém ele não aceita e não quer tomar a medicação, parou de tomar risperdal por conta propria, depois de 20 dias começou a ter sintomas como dores nas pernas, peito e dentes, voltamos c a medicação sem ele saber, porém ouve melhora do quadro, mais apresentou um sleve sondrome do panico! os efeitos adversos ele sente, diz que tem vontade de sair da cama mais n consegue, ficamos todos muito triste c essa situação, mais estamos lutando e sei que tudo dara certo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser um pouco difícil mesmo,ajustar a dose e a medicação mais adequada para cada caso. Tem que ter muita paciência e se informar o máximo possível, para também aprender a lidar da melhor maneira possível com o seu irmão.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  59. Oi, eu tive um surto psicotico no final de 2013/inicio de 2014 qndo estava fazendo intercambio. Desde então, tomo olanzapina. As consequências foram ganho de peso, engordei 20 kg, e desânimo e sonolência. Agora, que ja faz 2 anos que estou tomando esse medicamento, gostaria de parar. Até troquei de psiquiatra pra ver o que essa nova fala, ainda nao fui. Queria muito parar, pois pretendo prestar concurso pra policia e acho que acusa no exame de sangue o medicamento. Desde que comecei a tomar o remédio não tive mais nenhum surto. Tomo a dose mínima, 5mg. Não fui diagnosticado com esquizofrenia nem transtorno bipolar. Será que eh possivel parar? Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço algumas pessoas que pararam com os medicamentos, algumas vão levando a vida, e outras surtaram. Recomendo que caso tente parar, que faça isso gradativamente. Se parar de uma vez talvez possa surtar, mas cada um deve se conhecer ao máximo para sentir que o surto está chegando. Mas fiquei curioso, se não foi diagnosticado nem com esquizofrenia e nem com bipolaridade, qual o motivo da medicação?
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
    2. A antiga médica dizia que é só por precaução. Ela comparou a uma pessoa que teve epilepsia. Disse que essa pessoa passaria a tomar antiepileptico para evitar uma crise por tempo indeterminado. Não me convenci muito com a analogia dela, por isso creio que vou conseguir parar.
      Obrigado pela resposta e parabéns pelo blog

      Excluir
    3. Estava lendo outro tópico seu, "O esquizo responde", e confesso que me identifiquei muito. Quando surtei achava que armavam complo contra mim, cheguei a desconfiar que minha namorada queria me matar. Também achava que tinha o poder de ler mentes, e que determinadas pessoas podiam ler a minha. Juro que não entendo. Hoje isso é tão descabido para mim. Fico pensando "isso jamais vai acontecer de novo, pois tenho consciência do que é real e do que não é"... Você chegou a pensar assim também? Obrigado de novo

      Excluir
    4. Se surto levou de 1 a 30 dias trata-se de um Transtorno psicótico breve. Se levou de 30 dias a 6 meses é um Transtorno Esquizofreniforme. Agora se foi mais de 6 meses de surto é Esquizofrenia. Fonte DSM 5.

      Excluir
    5. Não confio muito nesse DSM não, que quer classificar tudo e a todos...
      Existem vários tipos de esquizofrenia, mas elas não são definidas de acordo com a duração de um surto psicótico. São definidas de acordo com uma série de outros sintomas.

      Excluir
    6. Bruno Santos, realmente a mania de perseguição é um dos sintomas clássicos da esquizofrenia. Quem tem mania de perseguição não necessariamente tem esquizofrenia, mas o contrário creio que dificilmente pode acontecer, quando falamos de esquizofrenia paranoide. Também tenho consciência do que é real e do que não é, mas quando estou mais ou menos estabilizado. Na hora do surto tudo vira realidade em nossas mentes.
      Espero que esteja bem.
      Obrigado por mais essa visita ao blog.
      Esse sintoma também de ler a mente da pessoa e que as pessoas também podiam ler a nossa mente também. E é bem complicado, gera um stress muito forte, pelo menos no meu caso aconteceu isso, pois a minha mente não parava um minuto sequer de ficar dialogando "telepaticamente" com as pessoas. Até que isso já passou, e hoje também penso que não tem como acontecer, já ouvi dizer que os extraterrestres se comunicam por telepatia, mas os seres humanos já acho um pouco improvável.

      Excluir
  60. Alguem aqui ja usou luvox para TOC, gosyaria de saber dos efeitos , reações adversas!
    Meu filho tem 25 anos e autista e esta tomando esse medicamento ha 15 dias!!
    Como ele não fala , não sei o q acontece com ele!!
    Ate agora , com 15 dias, nao vemos nenhum mudança de comportamento.....
    E olha q junto com luvox ele toma as doses minimas fe quemiatepina e olanzapina!!
    Tudo ha 15 dias....
    Mas queria saber sobre Luvox..
    Agradeço

    ResponderExcluir
  61. Boa noite Amigo. Eu também fui diagnosticado na adolescência com Esquizofrenia. Tenho tomado o Piportil L4 25mg. Porém devido a problemas de ordem contextual em que vivemos (dinheiro, família, trabalho) percebi que tive um declínio na qualidade de via. Ao procurar um médico e relatar o meu problema atual (depressão, irritabilidade, ansiedade, mais ganho de peso) o médico me passou um remédio chamado BUPIUM(Cloridrato de Bupropiona) . Ao ler a bula do mesmo me espantei com a proibição do mesmo ser prescrito para quem tem depressão e pressão alta ... duais coisas que tenho. Além de poder provocar alucinações e delírios. Concordo plenamente com o que disse a Ana (Ana 6 de maio de 2015 14:26). Eu me pergunto como pode um médico me receitar tal medicamento... resolvi parar completamente e ficar somente com o Piportil L4 . Você sabe de alguém que chegou a tomar BUPIUM e que tem esquizofrenia ? Vou procurar um Psicólogo pois creio que no meu caso uma terapia me ajudaria bastante. Deus tem me dado graça de ter vivido com isso até aqui. Tenho que fé que irei melhorar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Desculpe pela demora em lhe responder.
      Em relação ao bupium, não conheço nenhuma pessoa que use esse medicamento no controle da esquizofrenia. Pelo que li na bula, ele é indicado para a depressão, e também ajuda a diminuir a ansiedade e ajudar a parar de fumar. Talvez tenha algo a ver com o seu caso, e não tenha sido indicado para controlar as alucinações, por exemplo. Espero que a terapia dê resultado e depois volte a comentar aqui no grupo como foi.
      Sempre fui da opinião de que o psiquiatra deveria pedir um hemograma completo da pessoas e outros exames também, para avaliar a condição física do paciente. Por exemplo, uma pessoa pode ter algum problema de tireoide e sentir cansaço, e pensar que está com uma depressão, mas não, alguns psiquiatras vão logo receitando os antidepressivos.
      Obrigado pela visita ao blog

      Excluir
  62. Parabéns pelo blog, é a primeira vez que li tenho TB diagnosticada há 10 anos tomando atualmente 3 carbonato de litio e 3 gotas escitalopram, donaren 50 a noite e 8 gts de rivotril, só que de um ano pra cá vivo oscilando entre depressão e irritabilidade então resolvi trocar de psiq, já passei varios com espereança de nã ser bipolar este do dia 18/02/16 passou quetiapina 25 comecei a tomar e fiquei muito mau humorada depressiva antes com os outros até que era mais simpatica, resolvi ligar para o medico ele mandou reduzir para metada por uma semana interessante como somos cobaias e hoje me sinto um pouco já que na noite passada tomei meio e donarem, acho que vou parar e ficar assim me conheço e sei quando um remedio não me faz bem.Temos que nos policiar para encontrar o melhor caminho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado
      Como você disse, é um pouco complicada mesmo a questão dos medicamentos. No Brasil eles são a parte principal do tratamento, quando não é a única alternativa. Costumo dizer que os medicamentos são um mal necessário em alguns casos e mesmo assim são coadjuvantes e não a alternativa principal no tratamento. Se dependermos da opinião de alguns psiquiatras, em pouco tempo iremos tomar um coquetel de comprimidos, um para eliminar o efeito colateral do outro.
      Como a nossa opinião quase nunca é levada em conta no tratamento, é como você afirmou, temos que nos policiar e autoconhecer para descobrirmos a melhor forma de ficarmos em um bom estado mental.
      Espero que continue na batalha e que fale como está por aqui no blog.

      Excluir
  63. Boa tarde!
    parabéns pelo blog. preciso de uma ajuda sua estou com problema com meu irmão ele sempre teve uma vida normal amigos faculdade namoradas etc... começou a estudar para concurso e tomou Ritalina por um ano mais ou menos, chegou a passar em algumas provas e ficou reprovado no psicotécnico. foi ai que as coisas desandaram. ele estava com uma namorada terminaram ele voltou de viajem falando que ela tinha dopado ele que tinha feito bruxaria e que ele não conseguia se lembrar das coisas. estávamos notando ele muito deprimido e calado estava ríspido brigando e com mania de comprar botas e dar presentes para todo mundo. ficou devendo coisa que ele nunca fez. ai ele resolver pedir para leva-lo ao medico pois ele não tava aguentando mais de ansiedade. foi quando levamos ao medico e contamos esta historia para o medico, e então passou para ele deplim e quetros, ele tomou durante uns 60 dias melhorou a depressão ai ele parou por conta própria e não voltou mais ao medico. ai ele virou católico fervoroso começou a comprar imagens de santos e disse que é devoto de são miguel,ai as coisas pioraram pois ele surto mesmo chegou a cortar a mão e se queimou com vela, diz ouvir Deus falando com ele. ai resolvi procurar o medico que passou o quetros e o deplim para ele. mais este medico não é psiquiatra mais nos ajudou muito contei a historia a ele e me disse que na época nao deu o diagnostico pois estava na duvida se era depressão ou surto esquizofrênico. mais que ele agora podia falar que realmente é esquizofrenia falei que ele não aceita ir ao medido nem tomar remédio, pedi que me ajudasse nao sabia o que fazer, ele me deu uma caixa de atrissab de 10mg e disse para dar uma vez ao dia antes durante a noite. e procurarmos um psiquiatra minha mãe esta dando o remédio a noite no meio da alimentação, notamos que ele ja melhorou pois não fica mais trancado ouvindo missa nem vendo filmes de roma antiga. e esta dormindo bem a noite e esta chegando cedo no serviço e nem esta mais brigando com os clientes. hoje fomos ao psiquiatra que tratava dele quando era criança pois ele tinha defict de atenção,contamos toda historia para ele. mandou continuar com o atrissab e marcar uma consulta. mais fiquei chocado com ele por nos dizer que é muito serio a doença dele e que existe até tratamento eletro magnético para estimular o cérebro. será que ele não poderá mais ter uma vida normal? nao gostei desse medico o que você acha pode me ajudar com algum comentario.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Hoje em dia existe um tratamento sim eletro magnético para estimular o cérebro, mas não tem nada a ver com eletrochoque. Até pela internet são vendidos esses aparelhos sem prescrição médica. Até cheguei a cogitar a montar um circuito desses, pois estudei eletrônica e até é barato a montagem, mas desisti por não ter maiores informações sobre o assunto, pois até hoje não encontrei quem fez esse tratamento para saber o resultado. Mas até o eletrochoque hoje em dia não é tão prejudicial e perigoso como antigamente, mas muitos disseram que tiveram sérios problemas de memória.
      Aconselho a continuar com o medicamento que está dando certo, e tentar um diálogo com ele, tentar conquistar a confiança dele, o que no começo pode ser muito difícil. Aconselho também a não dizer a frase "isso é coisa de sua cabeça" para ele, pois nos surtos todas as nossas paranoias acabam se tornando realidade em nossas mentes. Recomendo que leia o livro "Entendendo a esquizofrenia", é só clicar em CDE, na imagem no lado direito superior da página para fazer o download.
      Obrigado pela visita ao blog e espero ter ajudado.
      Ah! Tem o meu livro também, se quiser adquirir é só mandar um email para juliocesar-555@hotmail.com

      Excluir
  64. Boa Tarde pessoal, não sei se já foi comentado. Dia 21 de abril irá estrear no cinema o filme brasileiro Nise, ela foi a pioneira e revolucionou o tratamento a pacientes esquizofrênicos, adicionando tratamentos alternativos como pintura, música, e o principal, ouvindo.
    É chamado de terapia ocupacional. Meu diagnóstico ainda não foi claramente dito esquizofênico, mas psicótico e neurótico a caminho da esquizofrenia, dito pelos médicos. Hoje, adicionei pintura, música, leitura e exercícios físico em meu tratamento, e vivo apenas com 5ml de Zopix, " Olanzapina ", me trato a 12 anos, já passei por Lítio, lexotan, risperidona, e outros...
    Hoje meu maior problema são as perseguições, os olhares das pessoas, também evito lugares cheios. Com a ajuda de um trabalho voluntário a cuidar de animais, estou me sociabilizando novamente e me tornando mais confortável na presença das pessoas, o principal é o espírito, cuidar da alma contribuiu muito para o encontro da paz e da calma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai Carlos, todas as pessoas, independente de terem ou não algum tipo de transtorno mental devem ocupar a mente e o seu tempo com coisas agraváveis e produtivas. Parabéns pela iniciativa, também acredito que os medicamentos deveriam ter menos importância que têm no tratamento da esquizofrenia aqui em nosso país, mas isso é um pouco complicado de se mudar, iria atrapalhar o lucro de muita gente.

      Excluir
    2. Obrigado pela atenção, esqueci de parabenizá-lo pela iniciativa em criar uma página onde possamos compartilhar experiências e nelas ajudar outras pessoas indiretamente. Belíssima atitude.. Até mais pessoal.

      Excluir
  65. Fiz tratamento com invega sustena, injetável, uma vez por mes. Acabou meus sintomas, na primeira injeção. È o melhor remédio do mercado. POrém muito caro. A unimed paga a injeção. Para quem não tem unimed, deve-se pedir o Minestério publico para pagar o tratamento. Aconselho a todos conversarem com seus médicos sobre o invega. Ele oferece pouquissimos efeitos colaterais. Desejo Boa sorte a todos para que se livrem dessa doença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o invega sustenna é realmente um medicamento de primerira linha, no meu caso teve "só" uma reação mas foi a mais prejudicial possível. Mudou a minha esquizofrenia de paranóide onde tinha algumas sensações, psicoses "manejáveis" (digo isso pois não me prejudicam em nenhum aspecto) pra esquizofrenia hebefrênica. Passei a ter comportamento infantil e pasmem não consigo sentir mais nenhum tipo de emoção(chorar, sentir "frio na barriga", arrepiar, nada :( ). Quando o remédio "fazia efeito" sentia uma confusão tendendo ao surto, depois passou esse efeito e não sinto mais nada relacionado ao remédio. Mas vale ressaltar também que a substância acentuou uma ginecomastia já presente mas era bem mais sutil.Não obtive nenhuma melhora com o uso desta medicação. Enfim sofri essa grande derrota. O único ponto positivo é que felizmente não sinto mais nenhum efeito colateral da medicação. Preferia ficar com a esquizofrenia paranóide e buscar outras medicações que pudessem me tratar, e quem sabe ter resultados melhores.

      Excluir
  66. Olá,
    Primeiramente parabéns pelo seu blog.
    Meu irmão foi diagnosticado com Psicose no começo de março, teve um só surto e foi internado em uma clínica psiquiatra por 7 dias e até hoje graças a Deus não teve mais surtos e nem comportamentos estranhos. O psiquiatra receitou respiridona, lorax e biperideno. Na segunda consulta o médico cortou o Lorax da manhã e deixou só o da noite e depois disso ele se sente muito mal, não tem forças, só quer ficar deitado, angustiado, tristeza e etc...nós notamos que ele quer sair dessa pra voltar a vida normal mas n tem forças, conversamos bastante que ele tem que reagir de alguma forma que ele se sinta estravazado mas esta cada dia pior.
    Nós não sabemos mais o que fazer, pois temos muito medo dele ter um outro surto, estamos fazendo de tudo pra ajuda-lo mas ele não reage.
    Ontem (12/04) ele chegou na minha mãe e falou que quer parar com a medicação pois prefere enfrentar as vozes que ele ouvia do que se sentir um inutil dependente dessas medicações,ficamos desesperados pois ele estava totalmente irredutivel mas minha mãe conversou com ele e ele tomou as medicações numa boa como sempre.
    Hoje 13/04 ele retornou ao Psiquiatra e ele acrecentou mais uma medicação que é o Sertralina e vamos ver qual será a reação dele.
    O que você sugere que façamos?? Ouvi falar sobre vitaminas, quais seriam? Como podemos anima-lo? Estamos sem chão e buscando forças em Deus pra lhe dar com isso sem que ele se sinta um estorvo por depender da gente com 30 anos, coisa que ele nunca foi.
    Ainda não foi diagnosticado qual a psicose mas estamos confiantes que ele pode sair dessa pra sempre e se livrar dessas medicações sem que o prejudique.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Em relação ao desânimo creio que seja por causa dos medicamentos mesmo. A esquizofrenia tem alguns sintomas, chamados de negativos, que também causam um desânimo e apatia. Mas a risperidona, dependendo da dose, causa sim muita lentidão e desânimo. Não sei se seria uma boa tentar o caminho do meio, ou seja, não parar de tomar os medicamentos, mas também não tomá-los em grandes doses, como os psiquiatras costumam receitar. Para eles a dose mínima pode ser alta para algumas pessoas, eles tratam todos os pacientes como se fossem iguais, sendo a dose mínima para todos a mesma, independente da idade, condição de saúde, etc.
      Existem alimentos bons para a mente, tem o ômega 3, os alimentos ricos em vitamina b, e exercícios físicos.
      Bem, é isso o que posso falar, obrigado pela confiança.

      Excluir
  67. Olá, obrigado pelo blog. No caso de pessoas que sentem falta de ar, coração acelerado e tosse com risperidona, seria interessante uma redução na dose? O médico receitou in iniciar tomando 1,5 mg por sete dias e depois tomar 3 mg, mas a partir daí, tomando 3 mg, os sintomas que mencionei começaram a aparecer. Isso passa ou reduzir a dose seria uma boa? Vou avaliar com o médico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor conversar com seu médico mesmo, mas eles sempre acham que a dose mínima é a mesma para todas as pessoas. Mas como estava se sentindo com 1.5mg por dia? Se estava se sentindo bem, por que aumentar a dose?

      Excluir
  68. O antidepressivo Sertralina deixa a pessoa mais extrovertida? Alguém saberia responder?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, no meu caso, acho que deixou sim. A principal reação que tive foi ficar rindo á toa, fiquei preocupadíssimo quando me peguei rindo da programação dominical da TV aberta. Por isso, parei, não é normal achar graça em programas como esses que passam aos domingos, prefiro um outro tipo de humor, parecia que estava usando uma droga alucinógena, sei lá...

      Excluir
    2. Hum..bom...Quanto tempo demorou pra fazer efeito?

      Excluir
    3. Uma semana mais ou menos, mas parei, não achei bom ficar achando graça em coisas que não costumo achar graça, ou seja, é como se tivesse fumado maconha, ou uma outra droga. Creio que só deva ser utilizado em último caso mesmo, pois, é claro, tem seus efeitos colaterais, não existe a pílula mágica que vai nos fazer sorrir para tudo e para todos.

      Excluir
  69. Eaae Julio estou aki de novo pra te fazer uma pergunta. Espero que quando possível possa me responder mais num quero te incomodar muito, mais VC me ajuda muito e a outros tbem. Estou com efeitos cognitivos e vou iniciar o tratamento com ritalina aquele pra déficit de atenção só que na bula diz causar alucinações e na net diz que pessoas propensas pode causar surto psicótico. Será que causa mesmo só tomando por alguns meses ? Vlw ae

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Não precisa se importar com as perguntas. Se estiver ao meu alcance respondê-las, o farei com o maior prazer. Em relação à ritalina, não cheguei a me aprofundar no estudo desse medicamento, mas uma amiga minha disse que já usou, afirmando que o médico receito pois ela tinha depressão profunda. Creio que a ritalina seja indicada também para esses casos. E ela relatou que ficou muito agitada, falante, como se estivesse usado alguma droga estimulante. Particularmente só usaria a ritalina em último caso mesmo. E em relação ao fato de tomar por apenas alguns meses, é prudente estudar um pouco se o medicamento não causa dependência.
      Você já tentou o ômega 3 juntamente com algum tipo de exercício físico? Comigo funcionou muito bem, mas o problema maior é encontrar um ômega 3 que não seja falsificado, um bom teste é colocar o conteúdo de duas cápsulas de ômega 3 no congelador. Se virar gelo, é falsificado, e se continuar na forma de óleo, é original.
      Espero ter ajudado e obrigado pela participação no blog

      Excluir
  70. Tenho sindrome de tourret bem avanćada com tiques vocais e grito muito me bato chamo palavroes com as pessoas balanco a cabeça mto forte me tremo todo com depressao tbm n consigo sair nem trabalhar gritando nem fazer nada e tbm quebro tdo dentro de casa por motivos suteis sou muto agressivo,ja tomei rivotril, risperidona, fluoxetina, haldo,agora estou com bup,quetiapina e alprazolam mais so sinto sonolencia mais ou menos vontade de fazer nada na vida e quase nenhuma melhora.a unica coisa q me acalma um pouco é ambientes com sons de passaras sitio chacara enfim natureza e msm assim sozinho é a unica coisa q amo fazer ir a algum lugar sempre assim.alguem sabe por favor alguma coisa boa para tourrete, outra medicação sei la...e tbm ja fiz estimulacoes magneticas transcraniana mais to na msm.peço socorro....a vida ta passando e eu parado na msm, tenho 26 anos 7 anos de casado e uma filha de 5 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma situação complicada, imagino como deve ser ter esses tiques. Vi em um filme de comédia, e cheguei a pensar que era uma brincadeira o fato da pessoa ter esse sintoma de falar palavrões meio que sem querer. Os medicamentos geralmente mudam o nome mas o efeito é o mesmo, que é o de "acalmar" o paciente. Isso não é uma solução, é apenas um paliativo que é nos dado como se fosse a cura ou o controle dos transtornos, tanto mentais como neurológicos.
      Espero que alguém que leia essa postagem tenha algo para lhe dizer sobre esse assunto, pois, como disse, não conheço muito bem.

      Excluir
  71. Ola tenho um filho com 12 anos é seguido por uma pedopsiquiatra desde os 6 anos ja tomou varias medicações rubifen,concerta, aripiprazol,risperidona diplexil ��enfim ja a medica ja experimentou varias medicações neste momento tomava 500mg de diplexil a noite e 500mg de manha e aripiprazol 10mg e agora vai trocar o aripiprazol por 2.5 de olanzapina como é este medicamento? �� sinto.me triste e impotente para ajudar o meu filho ele nao se consegue relacionar com outras criancas pois elas se afastam dele, mente a toda a hora e esta sempre com uma ansiadade enorme é horrivel ve-lo tomar isto tudo. Será k ah alguma mãe com um caso parecido para conversar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Você mora em qual cidade? Em alguns municípios existem grupos de familiares de pessoas que têm algum tipo de transtorno mental. Talvez você se sinta bem indo à algumas reuniões desses grupos.
      Fiquei impressionado com os vários medicamentos que seu filho já usou. Com quantos anos ele começou a tomar esses medicamentos?
      Talvez a leitura do livro "Entendendo a esquizofrenia" lhe ajude um pouco, apesar de nem saber qual tipo de transtorno seu filho possa ter, se é que tem, pois às vezes pode ser um pouco difícil dar algum tipo de diagnóstico, ainda mais em uma criança. Já pensou em ouvir uma segunda opinião, de um outro profissional?
      O livro você pode baixar na CDE, Central de Downloads do Esquizo, é só clicar na imagem no lado direito da página.
      Seu comentário está publicado e espero que encontre pessoas para conversar e trocar ideias e experiências.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  72. Oi eu sou o q tem tourette,vc sabe me dizer se conhece pizamida(clozapina)meu médico me passou mais estou com muito medo pelad questoes de globulos brancos, esse medicamento pode causar leucemia? Se sim em qual porcentagem, ele sempre causa essas quedas da defesa do corpo ou em alguns casos, desde ja muito obg...

    ResponderExcluir
  73. Sobre clozapina alguem conhece ja tomou? Ela pode causar leucemia.

    ResponderExcluir
  74. Tenho 16 anos e comecei a tomar risperidona faz algumas semanas. Inicialmente senti muito sono e cansaço, depois de um tempo passou e apenas sinto uma leve sonolência. Tem me ajudado bastante em relação as minhas crises de ansiedade, porém eu me sinto tão vazia, tão sem ânimo, sinto como se tivesse um peso no meu estômago, como se tivesse algo pressionando o peito. É a minha única saída, não deixarei de tomar, apenas gostaria que os sintomas fossem mais leves.

    ResponderExcluir
  75. Olá. Meu filho de 14 anos está passando por tratamento, ele teve surto psicótico agudo e ainda não foi diagnosticado como esquizofrenia . A médico no começo passou rispiridona 2mg, e depois passou para 3 mg, pois ele estava ficando em estado catatonico, então após um mes meu filho começou a ter comportamentos q não são aceitáveis (como palavrões e mau convívio com os colegas) agra a medica passou olonzapina 10mg. Depois 5 dias ele começou a ficar quieto de novo, estou muito preocupada não é fácil lidar com essa situação. Mas fico muito feliz por poder ver q não estamos sozinhos nessa luta

    ResponderExcluir
  76. Olá, comecei a ter mania de perseguição em um jogo no orkut. Até hj, mesmo com medicação, acredito que tenha algo de errado e que coisas da minha vida passam na televisão.
    no começo cuspia o remédio, depois comecei a tomar vários e passei um ano praticamente deitada no sofá. Ia por algumas horas numa amiga, mas sentia muito cansaço, e agitação, ficava rodando a mesa sem parar. Tinha fotofobia, às vezes, e ficava olhando para cima, era muito ruim. Depois cansei disso e cuspia fora os medicamentos, mas aí a cada 4 ou 6 meses vinham as crises, cada vez piores. Fui internada num hospital psiquiátrico por 15 dias porque não queria tomar a medicação. Aí, o medico receitou uma injeção (invega) e torval. As reaçÕes diminuíram, mas ainda diminuição da libido, um pouco de fadiga e fotofobia. Queria voltar a estudar, fazer medicina e ser psiquiatra, mas, hoje, me deu mais uma vez fotofobia. Assim não dá! Estou muito triste. Alguém sabe com tratar a fotofobia causada pelo invega???????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Desculpe a demora em postar o seu comentário.
      Em relação à fotofobia causada pelo antipsicótico, também gostaria de saber uma resposta. Antes de começar a tomar esses medicamentos, já tinha uma foto sensibilidade e me lembro que cheguei a usar óculos com lentes fotocromáticas, que eram bem caras, mas parei de usar por que um amigo meu quebrou as duas lentes ao deixar o óculos cair, pois queria experimentar.
      Essas lentes não tenho certeza se ainda são fabricadas, mas davam um alívio muito bom. Creio que atualmente para esse caso são indicadas as lentes transitions, que automaticamente escurecem de acordo com a claridade. Também costumam ser um pouco caras. Mas é um problema é tanto a fotofobia.
      Espero ter ajudado e quem sabe apareça alguém que entenda do problema para te ajudar por aqui.

      Excluir
    2. no meu caso, tenho sensibilidade à luz artificial, geralmente depois das 17h...

      Excluir
  77. Minha mãe está tomando risperidona a 26 dias, irei ficar sem o medicamento faltando um dia para a nova consulta dela com o psiquiatra. Será que se ela fixar apenas um dia sem o medicamento pode trazer algum prejuízo grave ao seu tratamento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Isso depende muito de cada caso e da pessoa também.
      No meu caso, em particular, quando acontece essa situação, prefiro dividir um comprimido ao meio e ficar dois dias alternados tomando a metade da dose. Creio que isso seja melhor do que ficar um dia inteiro sem o medicamento.
      Converse com sua mãe sobre a situação e pergunte qual das duas situações ela escolhe: ficar um dia sem o medicamento, ou então dois dias(de preferência não um atrás do outro) tomando metade da dose.
      Creio que, dependendo do caso o prejuízo seja tanto psicológico como físico mesmo.
      Já cheguei a quase surtar quando uma vez esqueci o diazepan em casa, pois há alguns anos atrás não saia de casa sem uma cartela.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  78. Oi, Júlio, espero que esteja bem e parabéns pelo blog.
    Fiz tratamento pra depressão/transtorno de ansiedade por um ano com citalopram 20mg,depakote 250mg e alprazolam 1mg.Fiquei bem até demais,me sentia eufórica.Sofri um baque, tive recaída. Reiniciei o tratamento com uma nova médica,com Reconter 15mg,depakote 250mg rivotril 5gotas.Depois mudou pra depakote 500mg, tirou o rivotril e passou alprazolam 0,25mg.Durante esse tempo cheguei a ter uma síncope(desmaio) visitando meu tio doente.A médica que me socorreu no hospital,chegou a comentar que os remédios que eu tomava eram fortes.
    Logo em seguida, esse meu tio faleceu.
    Pouco tempo depois, tive uma crise nervosa ao pensar ouvir a voz do meu ex namorado gritando coisas sobre mim lá fora, pensar que tinham grampeado meu telefone(coisa que eu podia perceber através da minha audição hipersensível).Mudei de psiquiatra, que passou citalopram 20mg,depakote 500mg, riss 2mg (e rivotril 2mg como SOS).
    A dra retirou primeiro o depakote(que fazia meu cabelo cair horrores, engorda e me deixa eufórica).
    Depois o riss,depois o citalopram.Disse para eu voltar a tomar o citalopram em caso de SOS.
    Pouco depois de parar com as medicações, comecei a ter calafrios, perder o apetite, pensar que "Deus e o mundo", por assim dizer estavam conspirando contra mim, me vigiando, falando coisas horríveis a meu respeito pra todo mundo ouvir... Resultado:tomei injeção de haloperidol.Melhorei.Me senti muito cheia de energia, entrei pra academia, fiz 6 aulas, fiquei exausta, fiquei resfriada e...começou tudo de novo, eu não queria nem sair na rua com medo das pessoas, entre outras coisas...
    Outra injeção de haloperidol e depois reinício do tratamento, com citalopram 20mg e risperidona 3mg.A risperidona me deu síndrome extrapiramidal.O médico não quis trocar a medicação,acrescentou akineton que ajudou, mas não cortou os efeitos colaterais.
    Mudei de médico.Agora tomo citalopram 20mg e olanzapina 2,5mg.Me sinto bem dentro do possível.Não tenho alucinações,nem mania de perseguição.
    Eu penso que tive síndrome da retirada dos medicamentos ou isso:
    "Episódio depressivo grave com sintomas psicóticos

    Ocorrem, além dos sintomas existentes na depressão grave sem sintomas psicóticos, alucinações, ideias delirantes, lentidão psicomotora ou estupor. As atividades sociais normais tornam-se impossíveis."
    fonte:www.galenoalvarenga.com.br
    Qual sua opinião a respeito?
    Desde já agradeço o feedback.
    Obs:Depois de tantos médicos e medicações, o que eu mais queria era saber o que realmente tenho é, se possível ficar bem sem remédios.

    ResponderExcluir
  79. Olá pessoal, eu só tenho 13 anos mas conheço de muito perto todos os dramas de ter um parente esquizofrênico.Na minha família tem oito parentes próximos com esquizofrenia,e garanto que não é fácil,para o esquizofrênico e nem para quem está cuidando, mesmo porque não é toda a família que se integra do problema e fica arrumando mil soluções, quando não se omitem.Digo uma coisa o remédio que dá certo pra um não é o mesmo que serve para o outro.Não pode é desistir, pois encontrará o seu.Passamos por muitas fases: desconhecimento da doença,acreditar que era possessão demoníaca, até que encontramos bons psiquiatras que foi ajustando os remédios para cada um deles.Mas a grande dificuldade mesmo está em eles acharem que já estão bem e que podem ficar sem a medicação.Pois é só se estressar um pouquinho e volta a surtar. Meu tio teve um AVC semana passada, hoje fiquei sabendo que minha tia já voltou a ouvir vozes depois de 3 anos.Obs.NÃO ESTAVA TOMANDO OS REMÉDIOS ADEQUADAMENTE.Tentem tomem os remédios os diabéticos tomam, os hipertensos tomam e tantos outros, conscientizem que é preciso ser medicado, se não está tão bom com um remédio diz para o médico, vai ter um que vai dar certo, e não terá efeitos colaterais.

    ResponderExcluir
  80. Oi Júlio! Conheci seu blog ao pesquisar sobre a quetiapina. Moro perto de BH e me senti bem ao saber que é de Minas. Tenho 30 anos e sofor de síndrome do pânico, ansiedade gemetalizada grave, síndrome do stress pos traumatico cronico. Resumindo: não sei o que é sentir bem. Não sei o que é viver sem passar mal. Fico com medo e suas sensações 24hrs, tenho conversões físicas de todas as formas. Cheguri a ter convulsoes. Hoje estudo Psicologia. Mas durmo praticamente o dia todo. Passo mal o tempo.todo. já fiz todos os exames do mundo várias vezes. Não sei quantas fui ao hospital em crises de pânico. Tomo agora oxalate de escitalopram 10mg (depois de 15 anos tomando paroxetina),4 gotas de rivotril (depois de 12 tomando 1 mg) e oxcarbazepina 300 mg 2x ao dia. Por não sessarem as sensações corpóreas de medo (taquicardia, sufocamento, falta de ar, sensação de desmaio, sudorese, desrealizacao, horror eTC etc) o psiqiatra sugeriu 25 mg de quetiapina. Estou aterrorizanda.nós sabemos o que é passar mal..o que é desmaiar, acaricia, falta de ar, despersonalização etC. Mas do jeito que eu estou meu namoro não vai pra frente nem minha vida. Não sei mais o qur fazer. Tenho desânimo tremendo. Fico chorando. Amei seu blog e ele me fez sentir que não estou tão sozinha. Só um pouco . Obrigada. Vanessa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Realmente é uma situação complicada. Os medicamentos podem até ajudar a "botar" a mente no lugar, mas os efeitos colaterais são tão complicados que fica difícil estudar, trabalhar, enfim, realizar simples atividades do dia a dia.
      Também o fato de não sentir sozinho nessa luta me ajudou bastante, pois no começo pensava que se tratasse de algo puramente espiritual.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  81. Existe algum remédio q pode ser substituído o aristab?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Não sei dizer com precisão essa informação. Dizem que esse remédio é muito bom para os sintomas negativos da esquizofrenia, mas infelizmente ele é muito caro. Não sei se ele ainda tem o prazo da patente, mas dei uma olhada aqui e tem outros laboratórios que fabricam. Acho que com a quebra da patente daqui a alguns anos ele irá ficar bem mais em conta.
      https://pro.consultaremedios.com.br/busca?termo=similar+aristab
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  82. Olá! Encontrei este blog ao pesquisar mais sobre os efeitos da risperidona. Tenho 35 anos e já fui internada 3 vezes em decorrência de uso de droga. Da última vez foi por causa de maconha, tive um surto. O que senti na ocasião foi um pânico generalizado com tudo e todos e isso só piorava, daí a necessidade da internação pois eu me recusava a tomar medicamentos via consulta psiquiátrica. Nas duas primeiras internações me foram receitadas Olanzapina, e eu notei um ganho de peso bastante acentuado. Conforme foi passando o tempo me senti bem, e fui diminuindo a dose aos poucos até parar. Isso sem orientação médica. No ano passado caí na besteira de fumar maconha e tive o terceiro surto, e nesta última internação me receitaram Risperidona. Senti também um ganho acentuado de peso decorrente do aumento de apetite, mas também desânimo e sonolência. De 6mg estou tomando somente 2mg, e pretendo diminuir para 1mg somente para administrar e ver como me comporto. Me custa acreditar que terei que ficar dependente de remédio, creio que se eu me equilibrar e não mais usar drogas isso pode ser revertido, mas só saberei testando. E é o que vou fazer. Só queria compartilhar isso com vocês que também passam pelo mesmo problema. Abraços e saúde a todos.

    ResponderExcluir
  83. Eu andava louco de vez passei em uma pisiquiatra ela passou OLANZAPINA é a mesma coisa de ressucitar um defunto do tumulo nunca vi remedio tao milagrosos quanto esse,tomo 10mg pena que é carissimo, palavras palavras de um cara que passava na cabeça sair matanto todo mundo ou me matar, remedio nao tem um efeito colateral nem dor de cabeça faz, dorme noite toda sem sonhar e acordar e no outro dia fica com efeito dele 24 horas na maior animaçao com a vida e paciencia com problemas, vai a dica +500,00 temer golpista e muito caro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez seja realmente um bom medicamento a olanzapina, mas também não é essa maravilha toda. Tomei somente um comprimido e senti muita sonolência durante o dia.
      E em relação ao preço, ele sempre foi muito caro, em 2008 custava cerca de 600 reais.
      Mas procuro sempre publicar todos os comentários.

      Excluir
  84. Nossa, amei a sua página, pois a minha mãe tem esquizofrenia e estou na luta para fazê-la aceitar... A religião dela é espírita e ela acha que é obsessão de algum espírito ruim. Por enquanto eu estou administrando os remédios e fazendo ela beber. Então achei sua página na internet e estou buscando informações, pois ela se sente da mesma forma que você. Parabéns, muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez seria uma boa você ler o livro "Entendendo a esquizofrenia", que é mais indicado para os familiares das pessoas que têm esquizofrenia. Para baixar é só ir na CDE, clicando no ícone no lado direito superior da página.

      Excluir
  85. bom,eu gostaria de saber algumas coisas,tenho esquizofrenia paranoide f20 e desde que tive essa doença eu tenho alguns problemas e nao consigo saber o que fazer,tenho isolamento social e coisas faceis de resolver me torna dificil e falta de atençao e concentraçao.tomo olanzapina 5mg e ja tenho 8 anos que tenho essa doença,vc acha certo baixar a dosagem minima para 2,5mg pode resolver um pouco?existe alguma maneira de um dia eu parar de tomar antipsicotico,posso um dia em voltar no meu normal um dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      É um pouco difícil responder algumas perguntas baseadas em apenas um breve relato. Mas em relação a diminuir o medicamento, na minha opinião a melhor pessoa para decidir é o próprio paciente. Mas é preciso fazer uma análise de como você está se sentindo no momento, se sente que está estabilizado realmente. Converse com o psiquiatra para tentar diminuir da melhor maneira possível. Acho que seria uma boa diminuir para cerca de 3.5mg (metade do comprimido mais um pedaço da outra metade que sobrou), depois diminua para 2.5mg, caso esteja se sentindo bem. Mas tudo é conversado com o seu médico e, claro, vc tem que saber ouvir o que os sinais do seu organismo, se não está ficando muito agitado, nervoso, etc...
      Já vi muitas pessoas se recuperarem e terem uma vida bem próxima do normal, alguns inclusive são bem comunicativos.
      Obrigado pela visita ao blog e pela confiança.

      Excluir
  86. obrigada pela resposta,me sinto bem sim.o que me incomoda mesmo e que parei no tempo,nao consigo colocar os pes no chao,isso e pelo efeitos colaterais que tenho como falta de concentraçao,atençao,isolamento social,e coisas faceis me tornam dificeis,mais em aspecto de delirios e alucinaçoes,eu nao tenho. tenho algumas perguntas que gostaria que me respondesse se puder.. eu so voltaria normal mesmo,quando eu parar de tomar medicamento ou com a dosagem minima me ajudaria tb?se eu parar de tomar o medicamento pode voltar tudo ou existe possibilidade de nao ter mais nada,ja que tenho 8 anos de tratamento,na verdade comecei tomar respiridona e depois nao deu certo e 5 anos atras eu troquei com olanzapina 10mg. e 8 meses atras eu estou tomando com dosagem de 5 mg,e agora quero baixar. enfim espero saber certo o que fazer,ja que devo ir no mes que vem no meu psiquiatra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      São perguntas bem difíceis de serem respondidas, como sempre gosto de repetir aqui no blog não existe a esquizofrenia, e sim "as esquizofrenias". E como é algo que mexe com a nossa mente, fica ainda mais difícil de se prever a reação de uma pessoa ao parar com os medicamentos. Uma regra sei que vale para todos: se tiver tomando os antipsicóticos há algum tempo e caso deseje parar, tem que ser aos poucos, não tem como parar de uma vez.
      E você tem que procurar se policiar, se vigiar quando for tentar parar com a medicação. Fazer uma análise quase que diária de como você está se sentindo com a diminuição dos antipsicóticos. Tipo à noite, fazer uma análise de como foi o seu dia, como foi sua reação, como está o seu estado de ânimo, etc...
      Existem antipsicóticos para pessoas que já estão bem estabilizadas e quase não fazem efeito no organismo, como o orap. Talvez dê para você usar quando estiver bem estabilizada e com a dose mais baixa da olanzapina. Mas tudo é conversado com o seu psiquiatra, mas, claro que ele está ali apenas para te ajudar, a consulta é sempre um diálogo, ele tem que te ouvir para depois sugerir algo.
      Espero ter ajudado em alguma coisa.

      Excluir