segunda-feira, 3 de julho de 2017

Livro de poesias: Diário de um poeta esquizofrênico


    Acredito que exista uma relação muito forte entre a arte e os mais variados tipos de transtornos mentais. Talvez seja pelo fato das pessoas acometidas pelo sofrimento mental serem um pouco mais sensíveis do que o restante da população "dita normal" pragmática. Talvez pelo fato também de tentarmos enxergar e compreender o que está além do alcance de nossas vistas, de tentarmos entender mais o que sentimos do que o que vimos na rotina do nosso dia a dia.
   Aqui no blog sempre procuro postar a arte de pessoas que de uma forma ou de outra foram acometidas por algum tipo de sofrimento mental. As obras estão na seção que denominei "Galeria de arte". Qualquer pessoa que estiver interessada em divulgar seu trabalho entre em contato comigo, por aqui mesmo no blog, através dos comentários. O único requisito é que tenha algum tipo de sofrimento mental, nada contra os chamados normais, mas é para não fugir da temática deste humilde blog que vos escrevo.
    Neste post exibo o trabalho do poeta e escritor Altieres Rocha, o livro Diário de um poeta esquizofrênico.

Prefácio
Versos esquizofrênicos
    "Com pena ácida, vívida, despida de medos e fragilidades (sensível!) Altieres se faz sentir em poemas que parecem ao mesmo tempo contar e buscar histórias.
    Ele grita "Onde está o meu amor;?" pede "Me dá um colo;" "anda por ruas, reverencia a vida e a morte, o deus e a deusa; faz convites a quem queira conhecer seu mundo repleto de domingos calados, valsas canções, espíritos libertos, dor, vozes e (por que não?) esperança. Ela é sútil, marca o ritmo e o tom dos protestos ditos e não ditos pelo autor.
    Esquizofrênicos são nossos dias, horas, a dor que ocultamos do mundo, a voz que escondemos de nós mesmos.
    Altieres não se cala, não se esconde e nem oculta. Ele é nossa voz.

Roberta Nogueira da Silva Oliveira
Letras (português-inglês), formação em Design Instrucional e estudante de antropologia do feminino e sua relação com o sagrado.

Para maiores informações sobre como adquirir o livro, entre em contato com o autor através das redes sociais:
https://www.facebook.com/alteres.rocha

5 comentários:

  1. Minha filha está com esquizofrenia e ela acha que todos estao contra ela, querendo que ela pense que está louca, ela se recusa a tomar o remédio que o médico passou, não sei como lidar com isso... ela ouve vozes de pessoas que estão sempre a difamando... e diz que ninguém acredita nela... Qual o melhor caminho?? Entrar na loucura dela?? Ou tentar convece-la de que está tendo alucinações?? Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      Não sei se entrar na loucura dela seria a melhor opção, mas também ficar dizendo que tudo isso é coisa da cabeça dela não ajuda e pode até piorar a situação. Tente de alguma maneira passar confiança para a sua filha, seja através de um olhar ou gestos.
      Tem um livro que é indicado para familiares de pessoas que têm esquizofrenia, se chama "Entendendo a esquizofrenia" para baixar é só clicar em "CDE", no lado superior direito da página.

      Excluir
  2. Olá!Bom Dia!meu filho de 12 anos tem retardo mental e esquizofrenia,já se cortou tentou se enforcar e se machuca muito fala q é a voz de um menino todo cortado q veio p se vingar ...pois diz meu filho q se ele n fizer o q o menino pede o menino diz q vai matar a família de meu filho ...ele toma remédios pois passa na saúde mental. ..mas ainda continua ouvindo esse menino...já n sei o q fazer como lidar...já n sei mais o q é real e o q n é. ..pois ele é muito infantil n sabe conversar devido o retardo mental...aleas já nem sei mais o q é e o q n é. ..obrigada por me ouvir...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, eu sofro de transtorno de humor bipolar e faço uso de benzodiazepínico e outros remédios a mais de 10 anos, comecei com diazepan 5mg depois fui para o de 10mg e a mais de 3 uso o clonazepan 2mg. Eu nunca retornei ao diazepan e nem conversei com meu psiquiatra sobre isso no entendo vi vc falar em alguns posts que usa o diazepan não sei a dosagem porem acho que deve ser a muito tempo, seu corpo não já criou tolerância, por exemplo estou em um estado que para me acalmar mesmo, em situações de estresse preciso tomar até 3 clonazepan.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sou dependente do diazepan, tomava 20mg e consegui diminuir para 2mg, mas parar está sendo meio complicado. 2mg de rivotril equivalem a 40mg de diazepan. Não seria uma boa tentar algo mais natural, como uma caminhada, exercícios físicos, diminuir café, chocolate, etc..?

      Excluir