domingo, 19 de março de 2017

Divagações esquizofrênicas -15

O trovão 

    Ontem foi mais um daqueles monótonos sábados que fazem parte de minha rotina atual: acordar tarde, tomar dois copos de água em jejum, esperar meia hora e depois tomar a minha ração matinal (aveia, gérmen de trigo, fibras e leite de soja), Depois cochilar mais um pouquinho e almoçar. Final de semana sempre exagero na comilança de doces e outros guloseimas. Ai, depois do almoço bate aquele soninho e cochilo mais um pouquinho. Por volta das quatro horas da tarde acordo e fico na net até a hora de começar o jogo do meu time, que prefiro não revelar aqui no blog.
    O embotamento afetivo está em um nível tão elevado que não me importo muito com as dificuldades que o meu time de coração enfrentou durante o jogo e não me emocionei muito na hora do suado gol da vitória, já nos minutos finais da partida. Aliás nem me importaria se o time tivesse empatado ou perdido. Ai nem sofreria como antigamente, quando nem almoçava no dia seguinte após uma derrota na  final de um campeonato. Fico me perguntando se isso é uma vantagem ou desvantagem, pois no futebol não tem como um time ganhar sempre tudo em todos os anos. Fico avaliando as alegrias que tive nas comemorações e o sofrimento nas derrotas, e ainda ter que ouvir a zoação dos amigos. Mas chego à conclusão de que vale a pena sim ficar sem o embotamento afetivo, e sorrir, chorar, sofrer e se emocionar.
 Essa ausência de sentimentos até que ajuda em algumas situações. Às vezes sou zoado aqui no bairro onde moro, algumas pessoas jogam indiretas sobre o fato de ser aposentado e não ter que trabalhar. Outros jogam indireta pelo fato de ter esquizofrenia e não raramente me chamam de louco, doido, etc, apesar de ser uma pessoa reservada e não falar muito. Mas passo por essas pessoas sem o menor problema e nem olho o rosto desses indivíduos. Acho que o problema está neles e não em mim, já que não se deve mexer com quem está quieto. É uma indiferença muito grande que sinto nesta fase da minha vida que sinceramente gostaria ser aquela pessoa emotiva como era antes da esquizofrenia aparecer em minha vida, mesmo que os comentários alheios me incomodassem.
    Já são quase dez da noite. Então, depois do jogo, vou assistir TV aberta, para pegar no sono novamente. E como estava demorando muito para "cair nos braços de Morfeu" (não pense que é "bobice" olhe o significado no link), vou procurar um filme no notebook para assistir na TV, graças ao salvador e bendito cabo HDMI de dez metros que comprei na loja de eletrônica, aqui no centro de"Beuzonte". Custou 59 reais, mas o investimento valeu cada centavo...
    Após vasculhar muito na net, achei o filme "Minha mãe é uma peça 2". Como a primeira parte foi muito boa de se assistir, não tenho dúvidas e coloco o player para carregar o vídeo e assim tentar achar graça nesse entediante vida que venho levado atualmente, ainda mais por que não posso andar muito por causa do meu dedão do pé que está detonado e o pessoal do sus acha que é só um probleminha de nada. Na próxima postagem irei mostrar os meus exames de triglicerídeos antes e depois do meu dedão do pé estar arrebentado para ver se é brincadeira. Acho que se eu pegar o caminho da estrada real nessas condições, irei ter logo no primeiro dia um AVC ou então um fulminante infarto do miocárdio.
    Mas, voltando a película, confesso que fiquei meio decepcionado. Foi o tal do "mais do mesmo". O filme explorou muito o que a personagem principal apresentou na primeira versão: ser esquentada e estressada demais, falando alguns palavrões às vezes. Praticamente uma repetição do primeiro filme, só que agora a personagem principal está rica e comanda um programa de televisão. Devido à esse fato, a sonolência bate forte e então resolvo desligar a TV para dormir novamente. Creio que não estão passando mais aos sábados aquele programa que mostra o trabalho da polícia nas ruas. Acho divertido as situações que os homens da lei têm que enfrentar no dia a dia: brigas de casais bêbados, traficantes negando que a droga não pertencia a eles, etc... Acho engraçado também que os policiais são muito educados com alguns que dão uma má resposta durante a abordagem, tenho quase certeza que se não fosse a câmera o pau iria comer solto, ou pelo menos, iriam dar umas bordoadas no elemento suspeito.
     Mas uma coisa incrível acontece no exato momento em que vou apertar a tecla power do controle remoto: um estrondoso trovão se faz ouvir em praticamente toda a cidade, creio eu. O barulho foi tão forte que a sensação é que caiu em cima do telhado do meu quarto. Mas o barulho foi tão forte que começo a desligar tudo quanto é aparelho elétrico aqui no meu cafofo: o notebook e o cabo de rede (sim, o aparelho pode queimar através do cabinho azul da net), a TV, o frigobar, o home theather da LG que custei a comprar. Só o velho ventilador é que continuou ligado.
     Mas a sincronia entre o som provocado pelo raio e o momento em que desligo a TV foi tão exato que começo a pensar que fosse algum castigo de Deus, ou um aviso, sei lá, assim como pensavam os homens das cavernas. Faço então mentalmente uma lista dos pecados que tenho cometido ultimamente e começo a pedir perdão, apesar de que, devido a pasmaceira que tenho estado não tenho cometido tantos deslizes assim, a não ser o pecado da preguiça mesmo, juntamente com o da gula.
    Mais alguns minutos e mais um raio, e o medo aumenta, pois até então o céu estava extremamente limpo, quase sem nuvens. Fico me perguntando como o tempo pode mudar assim tão de repente. Mas, minutos depois de analisar a situação, me acalmo um pouco: o dia realmente estava limpo, com poucas nuvens, mas, devido ao forte calor, houve uma rápida evaporação da água na terra que se acumulou mais rapidamente no céu e que então fez as nuvens aparecem e dai os raios, que são resultado da colisão das partículas de gelo que são formadas dentro da nuvem (não sei nada desses assuntos, pesquisei tudo no google). E também tem o fato de que fiquei a tarde toda dentro do quarto, não acompanhando a mudança do tempo aqui na capital mineira. Aos poucos fui me acalmando e a sensação de culpa exagerada foi se dissipando aos poucos como as nuvens do céu que caíam sobre a cidade...
nem Jesus escapa dos raios....


São Thomé das letras
"pirâmide", em São Thomé
  Uma característica dessas postagens denominadas "Divagações esquizofrênicas" são as temáticas, que são bem diversificadas dentro da mesma postagem, como podem observar. 
Então, resolvi falar um pouco sobre a minha experiência com a mística e encantadora cidade de São Thomé das Letras, no extremo sul de Minas Gerais. 
    Desde criança sempre gostei do sobrenatural, de filmes de terror. E quando cresci e o tédio tomou conta da  minha vida, comecei a querer ter algum tipo de experiências mística, sobrenatural, sei lá. Qualquer coisa que fosse diferente do meu dia a dia eu acharia bem legal. Mas nunca me enveredei pelos caminhos das drogas, já era meio maluquinho de nascença mesmo, não precisando de artifícios para me acharem meio maluco. Achava minha vida tão entediante que não ficava em um emprego por mais de um ano. Mas achava minha vida tão entediante, mas tão entediante que, se por acaso aparecesse um disco voador na minha frente não iria sair correndo, como a maioria das pessoas:
     - E aí gente boa, tem jeito de dar uma voltinha nessa nave? - provavelmente era o que iria dizer para o ser de outro planeta que estivesse pilotando a nave. 
     Queria tanto um encontro intergalático que iria sentir mais curiosidade do que medo no momento em que avistasse um ser de outro planeta. E pelo que já pesquisei em anos remotos, existem várias raças de et's, Tem os tais dos nórdicos, que se parecem muito com os seres humanos.E vai que dou sorte e encontro uma "eteia" nórdica bunitinha? Iríamos dar um rolé pelo espaço sideral e conhecer altas galáxias e quem sabe iriamos fazer um amor intergalático no espaço sideral. Mas também tem os et's maus, que gostam de sequestrar as pessoas para fazerem pesquisas. Mas falando sério já faz um bom tempo que parei de estudar e acreditar nessas coisas, e hoje em dia apenas acredito na possibilidade da existência de vida em outros planetas. 
"eteia" nórdica bunitinha
    Então, como o sul de Minas Gerais é muito conhecido pelas famosas aparições de et's, resolvi fazer uma visita à mística cidade de São Thomé das Letras, muito frequentado pelos hippies e pela galera que curte o som do  Raul Seixas. Aí fica a dúvida se na região aparece realmente as naves ou se o pessoal exagerou nos "chazinhos" né?
     Na primeira vez que fui em São Thomé não encontrei nada de sobrenatural, apesar de me embrenhar pela mata afora. Ficava andando praticamente o dia inteiro sem rumo, pelas cachoeiras, pelos vales, mas nada de encontrar um duende, um ser da natureza qualquer para me alegrar. Mas valeu e muito a pena essa minha primeira visita, o ar puro daquela região renova a alma de qualquer pessoa que esteja estressada, desenganada,...
    Na segunda vez já aconteceram coisas estranhas. E uma delas aconteceu perto do chamado vale das borboletas, que, óbvio tem muitas borboletas realmente. Mas o que me chamou a atenção foi algo que não sei realmente explicar: havia um pequeno veio de água que aparentemente descia para o rio.
O guia turístico de repente se virou para mim e afirmou que a água estava subindo o monte e não descendo, como deveria ser. Claro que achei graça e imaginei que o cara estiva me zuando, mas, para a minha surpresa pude constatar que  ele estava falando realmente a verdade, pois ele jogou um pedacinho de papel na água que imediatamente começou a subir o monte. Não me perguntem como isso acontece, pois nem o guia soube me explicar.
   Um outro fato que me chamou a atenção em São Thomé das Letras foi a ladeira do amendoin. O guia turístico nos levou para o local e afirmou que o ônibus iria subir a ladeira sozinho. Dessa vez não fiquei tanto na dúvida, depois que vi  a água subindo o monte não passei a duvidar de mais nada naquela cidade. Ele deixou o ônibus bem no início da ladeira, desengrenou e sai. No mesmo instante e inexplicavelmente o veículo começou a subir a ladeira. Eu e o grupo de pessoas que ali estava começamos a rir, pois a cena era realmente engraçada. O guia nos explicou que o magnetismo do solo seria a explicação para tal fato. E rapidamente ele teve que ir ao encontro do ônibus, pois já subia a ladeira em boa velocidade.
    Mas encontrar seres de outros planetas não encontrei não, apesar de perambular pela mata até de madrugada. Não achei nada de estranho, nem um ruído sequer, para a minha frustração.  Mas que tem uma atmosfera diferente naquela cidade, isso tem.

8 comentários:

  1. oi nem sei por onde começar tenho esquizofrenia deis dos meus 18 anos faiz um bom tempo estou tomando remedio para nao ter alucinaçoes tomo haldol biperideno e clonazepam mais sinto que estou desligado do mundo da vida tenho muitas ideias de suicido passo metade do dia dormindo tenho tratado no caps da cidade onde moro esta sendo bom para se desligar um pouco mais ta sendo dificil para mim conviver com a medicaçao pois me deixam muito desanimado queria algumas dicas de remedio para ver se consigo falar com o psiquiatra e mudar to tomando 4 comprimidos de haldol e 3 de biperideno e 1 de clonazepam e horrivel mais e um bem necessario faze o que ne e a vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Não tenho o costume de dar dicas sobre medicamentos, pois sou apenas uma pessoa que também tem esquizofrenia e vários problemas decorrentes das paranoias. O que posso aconselhar é a você a conversar com o seu psiquiatra sobre o haldol, que é um medicamento um pouco antigo. Os atuais tem menos efeitos colaterais, sendo um deles a fome exagerada. Os medicamentos mais novos também dão muita sonolência, mas tudo depende da dose administrada.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  2. Olá! Como vai? Sou uma namorada de um doente esquizofrénico. Estamos a passar uma fase muito má. Quando comecei o relacionamento ele escondeu-me a doença mas alertou-me que possivelmente nos iriamos chatear pois ele sempre sentiu que não me podia dar o que preciso. Eu não desisto dele mas ele tem 33 anos não se quer medicar e está cada vez mais confuso distante e o embutamento é cada vez maior. Sinto que não me quer sentir mais. Já falamos várias vezes e ele não acredita nos tratamentos. Ele está assim desde os 18 anos ou mais. Quando está um pouco melhor ele apesar de viver uma tristeza constante é super meigo e compreensivo quando está pior, isola-se não fala com ninguém evita tudo e todos e passa dias a jogar computador ou a dormir. Eu não sei​ mais que fazer. Sinto-me muito triste disse que eu nunca desistiria dele e não desisto mas a verdade é que não sei mais que fazer. Eu a família e os amigos tudo exausto. E principalmente ele que já pouco espera da vida e fala muito na morte. Desculpa o desabafo... Mas há uma necessidade louca de procura de respostas e a impotência leva-nos a procura-las em todo o lado. Sou portuguesa não assino pois receio tudo com medo de o fazer sentir inseguro. Há dois dias que não me fala e não me quer ver pois a última ideia dele é que não pode nem deve relacionar-se com ninguém e deseja e fala de morte constantemente. Está a fazer um ano que um amigo dele com o mesmo problema se suicidou após ter abandonado a medicação e eu temo tudo. Queria que uma luz me iluminasse! Obrigada e tudo de bom! Ah verdade. Gosto de ler os teus posts e a maturidade com que falas de tudo. Adorava que alguém fosse assim! Alegria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Pelo que me parece os chamados sintomas negativos estão mais fortes do que os positivos. Dizem que tem um medicamento que está sendo muito usado para os sintomas negativos, não posso opinar pois não usei, pois aqui no Brasil ele ainda é muito caro. Se chama aripripazol e quem usou disse que obteve uma boa melhora nos sintomas negativos. Também é uma boa usar ômega 3, usar suplementos de vitaminaB (com acompanhamento médico, é claro) e tentar fazer alguns exercícios físicos, mesmo que leves. Viajar, fazer o que gosta, enfim, tudo o que o faz sentir bem.
      Espero ter ajudado em alguma coisa.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir
  3. Oi! Conheci seu canal no YouTube ano passado e dei uma lida em algumas de suas postagens aqui também. Hoje, por acaso, encontrei um Link de uma postagem sua sobre o Complexo Messiânico. Só passei aqui nos comentários para elogiar seus textos, que são bem feitos e muito esclarecedores pra mim. Também queria falar sobre os triglicerídeos, pois tenho problema com eles desde os 8 anos de idade (tenho 18 agora). Você tem cortado as massas na comida? Sei que é difícil, mas como acompanhei nessa noite, você parece se importar com sua saúde, então você consegue! Enfim, por enquanto, é isso. Agradeço de coração por você compartilhar suas experiências e sua vida aqui, ajudando, explicando e livrando de preconceitos muitas pessoas, creio eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado
      Em relação aos triglicerídeos diminuí um pouco as massas e os doces, mas, devido ao meu sedentarismo, a taxa aumentou para 720mg no último exame. Vou ter que recorrer ao ômega 3 novamente.

      Excluir
  4. OLá Julio Cesar. Cara pra que esconder o seu time? Pra quem te acompanha a um tempo como eu sabe que você é flamenguista rsrs. Mais um texto muito interessante e muito bem escrito. ABraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, obrigado pelas palavras, procuro nos textos de alguma maneira não tão direta mostrar que alguns tipos de comportamentos exóticos podem indicar ou não algum sintoma de um transtorno mental. No caso a predileção por temas místicos e exotéricos. Na minha opinião acho normal ter esse tipo de interesse, mas em alguns casos pode ser sinal de que algo não está tão bem assim.
      Em relação ao time, você acertou, era Flamenguista fanático desde 1978, agora só sou um Flamenguista saudável.
      Obrigado pela visita ao blog.

      Excluir