quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

hackers invadem grupos do facebook para ofender e zombarem dos membros

    Olá leitores. Semana passada disse que iria ser o último post do ano. Mas o que aconteceu no natal me deixou indignado e resolvi postar sobre o que está acontecendo no facebook. Pessoas sem nenhum caráter e falta do que fazer estão invadindo grupos e perfis de pessoas para fazerem ataques e ofenderem os membros dos grupos, como o esquizofrenia e o de transtorno bipolar. Na página desse grupo de pessoas no facebook,  encontrei piadas zombando tetraplégicos, inclusive tem uma pessoa usando um perfil fake se intitulando "Jesus revoltado".
página de hackers zombadores no facebook
    
    Não tem muito o que falar, as imagens já dizem tudo. Eu fiz a minha parte denunciando o grupo. Se por acaso invadirem o meu perfil, farei outro, o que não posso é ficar calado diante de tanta pobreza de espírito e sacanagem. Para denunciar essa comunidade de desocupados, bastar entrar no facebook e acessar o link:     https://www.facebook.com/PNRPrint?fref=ts
   Para denunciar essa comunidade, é só clicar no simbolo da engrenagem ao lado da palavra mensagem e, quando aparecer a pergunta " Por que estás a denunciar esta página?" clique em "está a assediar-me ou alguém que conheço".   Eu já fiz a minha parte, espero que todos façam a sua parte, pois esta comunidade também invade perfis de pessoas também. Você vai esperar que alguém dessa comunidade invada o seu perfil para tomar uma atitude? 
    Olhando hoje a página dessa comunidade, pude perceber que todos os prints que eles colocaram foram deletados, nem eles mesmo sabem como isso ocorreu, talvez seja o resultado das denúncias, mas acho pouco provável, pois, pelo conteúdo dos posts, o correto seria o banimento dessa comunidade. Provavelmente eles ainda estão tentando invadir perfis e grupos para fazerem suas maldades, então prestem bem atenção nas pessoas que vocês adicionam. 


nem crianças com anomalias escaparam da maldade da comunidade

nem Jesus Cristo escapou da comunidade





    Eu fiz a minha parte, espero que todos façam a sua, denunciando essas "pessoas". 
    Obs: algumas pessoas no facebook me disseram que não se tratam de hackers,  e me ridicularizaram por não saber quem são essas pessoas. Alguns dizem que se tratam de "lammers". Pouco me importa o nome que é dado para esses tipos de pessoas. A verdade é que são pessoas que não tem nada o que fazer, pobres de espírito e outras coisas que não seria legal postar no blog. A verdade é que tenho que pedir desculpas aos hackers, pois eles não chegam a esse nível. Alguns hackers até trabalham para empresas devido aos seus conhecimentos. Sinceramente, essas pessoas nem merecem serem rotuladas com algum nome, são simplesmente adolescentes que não tem caráter, para não falar outras coisas. 
Vale a pena ser honesto nesse país?
   Essa semana foi inesquecível, infelizmente pela parte negativa. Hoje(27/12) fui agredido por dois usuários de drogas. Estava no primeiro andar do lugar onde moro, instalando tomadas e consertando uma fiação derretida, pois um quarto pegou fogo no natal. Um usuário de drogas, que morava no quarto incendiado, começou a dizer várias coisas para mim, com uma voz embolada. Mas deu para entender que ele disse que era para eu sair dali. Perguntei por que e ai começou a discussão verbal e se não fosse a intervenção da turma do deixa disso, o pau ia quebrar. Então voltei ao conserto da fiação queimada quando jogaram uma bomba na porta do meu quarto. Com calma, tampei os meus ouvidos para não danificar a minha audição. Foi um estouro bem forte, e fiquei com um leve zumbido no ouvido, mas o barulho me deixou irritado, além do fato de não poder ganhar uma grana extra no final do mês, época em que a grana está meio curta. Então corri atrás da pessoa que atirou a bomba e joguei  uma cadeira na rua, mas não acertou o cara, mas, para minha infelicidade, um amigo desse rapaz veio por trás e me acertou com algo parecido com uma cadeira, não deu para ver o que era, pois fiquei uns cinco segundos meio zonzo. Logo senti o sangue quente escorrendo pela nuca. Tive que ir para o pronto socorro levar dois pontos na cabeça. Não sou de reagir e detesto brigas, mas fiquei indignado, pois estava apenas trabalhando, já que a aposentadoria que ganho não dá para morar em um lugar mais digno. Para simplificar a história, o rapaz, paranoico por causa das drogas, deve ter pensado que eu estava contra ele e por isso me mandou sair do quarto que era dele, pois o proprietário o expulsou de lá. 
    Trabalhei desde os 17 anos de idade como operador de som, viajando por esse Brasil, perdendo várias noites de sono, sem hora para comer, para dormir, trabalhando nos finais de semana e nos feriados principalmente. Conseguia carregar sozinho uma caixa de som que pesava cerca de 120 quilos. Ganhava razoavelmente bem para uma pessoa só, dava para ter uma vida melhor. Já trabalhei com a mão quebrada, com dengue, mancando por causa de contusões no futebol, mas infelizmente não consigo vencer os problemas da mente. Já tentei trabalhar como voluntário na sociedade protetora dos animais, só pra ocupar a minha mente, mas infelizmente não existe um canil na cidade e a sociedade se limita a cuidar de poucos cachorros, levando os mesmo para veterinários amigos da associação.  Confesso que às vezes chego a questionar se valeu a pena ser uma pessoa correta e trabalhadora nesse país, pois, antigamente as firmas de pequeno e médio porte não assinavam a carteira com o verdadeiro salário que as pessoas ganhavam, devido aos impostos, tributos, sei lá. Quando assinavam a carteira, era com o valor de um salário, e esse foi o meu caso e hoje me aposentei com um salário mínimo. Questiono se valeu a pena ter sido correto sempre quando vejo os noticiários, seja pela tv ou na internet, de políticos enriquecendo com propinas e mais propinas. Estou cansado de ver esquema de não sei o que lá mais, de deputado não sendo preso, de pizzas e mais pizzas rolando solta no congresso nacional. Me deu nojo quando fiquei sabendo que deputado ganha 14º salário, que só trabalham de terça a quinta feira. E o inacreditável é que muitos ainda faltam a essa "exaustiva" jornada de trabalho. Não fiquei surpreso ao saber que o Romário, um cara que não gostava de treinar na época em que era jogador, ser o deputado mais assíduo do congresso. 
    Confesso que hoje me imaginei roubando um banco e pegando uma boa grana. Mas, felizmente, ou infelizmente, a minha consciência nunca deixou e nunca deixará que isso não passe apenas de um pensamento apenas, pois acredito que não há recompensa melhor do que poder dormir sem culpa e sem remorsos. Não sei o que vou ganhar alguma coisa material sendo honesto neste país, mas ter a consciência tranquila não tem preço. Não tenho vergonha de falar, sou careta, sou honesto, fui um cara trabalhador enquanto tive condições. O anjinho sempre ganhou do diabinho em minha consciência. 

Caso você seja vítima de um crime na internet, imprima as provas com o endereço do e-mail do remetente, o código da fonte, a 
página da internet ou o endereço do site ou blog. Em seguida, vá até a delegacia mais próxima e leve as provas impressas – e se possível, vá até um Cartório de Notas para registrar uma Ata Notarial do conteúdo hospedado na internet.
Lembre-se de procurar a polícia para formalizar a denúncia e aguarde orientações. Não tome nenhuma atitude sem prévia autorização policial, pois a coleta de informações na Web sem autorização judicial caracteriza crime.
Quando testemunhar algo que viole os Direitos Humanos, denuncie e procure as autoridades. Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com Safernet Brasil (prevencao@safernet.org.br).

https://denuncia.uol.com.br/   Nesse link você pode fazer a sua denúncia, se precisar de imagens, podem usar as do blog. É muito importante não deixarmos que isso continue. 

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Divagações esquizofrênicas 4

  Como final de ano é uma época de reflexões, vamos a mais uma série de divagações esquizofrênicas.            Ontem me deparei com um post que falava sobre a profecia maia. Até ai, nada de anormal, pois esse é um dos assuntos mais comentados nesse fim de ano. A diferença desse post é que tinha referências do Nostradamus(ele mesmo) anunciando mais um fim do mundo. Como sempre, não dei muita atenção, mas resolvi dar uma olhadinha, e a coincidência numerológica me deixou um pouco apreensivo. Olhem a matéria e tirem suas próprias conclusões.
http://www.jornalciencia.com/inusitadas/inacreditavel/2292-nostradamus-confirma-fim-do-mundo-dia-21-e-o-cantor-coreano-psy-e-o-mensageiro-do-apocalipse
    Confesso que isso mexeu comigo, apesar de não dar muita bola as profecias deste cara. Mas as coincidências me fizeram refletir, apesar de acreditar que achar que o próprio homem é que está se encarregando de acabar com o mundo. Hoje(20/12) dei uma olhada no vídeo oficial do cantor psy e as visualizações chegam a 989773461. Nesse ritmo, facilmente chegará a casa de 1 bilhão até amanhã.
    E se o mundo acabasse realmente amanhã? O que você faria? Estouraria o cartão de crédito?(já fiz isso há muito tempo),  falaria algumas "verdades" para o seu patrão que te escraviza?, se declararia para o seu grande amor antes do fim? Esqueceria o orgulho e pediria desculpas as pessoas que você magoou? Quais os seus desejos mais secretos, proibidos ou não?
    Eu faria muitas loucuras se tivesse a certeza que o mundo acabaria amanhã. Como não tenho, prefiro acreditar que se trata de apenas mais uma das milhões de profecias que esse cara já fez e que não se concretizaram. Já pensou se fizéssemos todas as loucuras de nossas cabeças e o mundo de repente não acabasse? Iria aparecer muitos santinhos e santinhas do pau oco com um sorriso meio amarelado no rosto e então perceberíamos que o mundo tem muito mais pessoas fora do padrão da normalidade do que imaginávamos ter.
    São as máscaras, as eternas máscaras. Quem não as tem? Quem nunca mentiu? Quem sempre diz a verdade? A mentira é um mau necessário? As pessoas, quando bebem e ficam chatas e agressivas, foram transformadas pela bebida ou soltaram a fera que estava dentro delas? Particularmente, no caso da bebida, necessariamente não era um chato, fazia muitas palhaçadas, e, pra falar a verdade, nem bebia, apenas fingia que bebia, pois meu estômago não se dá bem muito com o álcool. Assim, supostamente bêbado, tinha um pretexto para dar vazão aos meus sentimentos e fazia muita palhaçada, imitando pessoas, falando demais, mas já tinha a resposta preparada quando no outro dia alguém me dissesse:
    - Nossa cara, ontem você tava muito doido, você fez isso, aquilo, etc..
    - Ah! É que eu tava mal né cara, tava "bebaço" né?
     Acho que essa é a desculpa de muitas pessoas que bebem e fazem coisas horríveis por ai. Não sou moralista, nada contra quem bebe o seu chop ou um vinho e não incomoda ninguém. Mas, o que  vemos em muitas reportagens são pessoas usando a bebida como desculpa para algumas atitudes.
    Bem, como disse no início, apenas fiquei um pouco apreensivo e não estou ligando para essa data e vou tocando a vida normalmente, mas, no meu caso, sempre fui assim, como se não houvesse amanhã. Nunca economizei dinheiro, sempre fui meio cigano, não parava em emprego nenhum, não que eu fosse um mau funcionário, mas o tédio sempre acabava tomando conta de mim e então não conseguia trabalhar mais do que um ano em uma mesma firma. Hoje, com essa tal da mania de perseguição que me persegue, estou mais em casa mesmo. Mas, por causa dela, às vezes penso em me mudar, pois ainda acho que as pessoas estão contra mim, e com o tempo, acabo sentindo a necessidade de me mudar. Moro no centro da cidade, perto da crackolândia. Área meio complicada, com tráfico de drogas, e, junto com ela, a violência. Atualmente, estou com uma sensação estranha. Se, por um lado penso que os traficantes pensam que eu sou um "caguete", por outro lado penso que os policiais acham que eu sou um traficante, ainda mais por não trabalhar.(me apontei há dois anos). Sinto que já está na hora de me mudar. O stress não faz bem a ninguém, e sei quando ele já está me atrapalhando.
    Mudando de assunto, já fazem doze dias que estou tomando a sertralina, e a minha avaliação é positiva, apesar da bula não ser muito amigável no que diz respeito as reações adversas. Mas, tirando um pouco de insônia no início, não tive problemas com esse medicamento. Só quando fico deitado é que sinto umas contrações involuntárias nos músculos das pernas e dos braços. É como se eu tivesse tomado um choque, uma sensação bem estranha. Me lembro que tinha isso quando tomava haldol e, na época em que estava surtado, pensava que era alguém que havia feito um bonequinho vodoo meu e que estaria me espetando com um alfinete.
    Mas hoje estou dormindo razoavelmente bem e sair nas ruas não está sendo um martírio, apesar de me incomodar um pouco com aglomerações de pessoas. Estou me sentindo melhor fisicamente e estou menos ansioso, não sentindo tanta necessidade de comer chocolates e doces. Não recomendo as pessoas que tomem o medicamento, só em último caso mesmo, por favor, não confundam tristeza com depressão. Eu procuro tomar muito cuidado quando falo de medicamentos, acho que não é correto ficar incentivando as pessoas a tomarem esse ou aquele remédio, dizendo que o mesmo é milagroso e que irá acabar com todas as nossas angústias e tristezas, que são comuns no ser humano.
    Porém, se melhorei em alguns aspectos, em outros já estou meio preocupado. Nesses dias em que estou tomando a sertralina,  em duas oportunidades ouvi  pessoas fazendo comentários a meu respeito, e não sei se foram verdade ou produto de minhas paranoias. Mesmo com o fone de ouvido e com a música relativamente alta, eu ouvi pessoas falando mal de mim enquanto andava por uma avenida. Como sempre, ignorei essas vozes, pois tenho receio de que me chamem de louco ao indagar aos supostos críticos a razão de estarem falando mal de mim. Só sei que na hora os comentários são muito reais e me deixam um pouco assustado, mas confesso que já estou acostumado com isso. Sinto que existe uma relação entre o meu estado de ânimo e essas pequenas alucinações auditivas. Quando estou mais animado, tenho mais propensão a tê-las, e o inverso também ocorre, mas, como não sou agressivo e sou um cara caladão mesmo, prefiro não tomar os antipsicóticos que me deixam num estado parecido com o de uma pessoa com dengue, ou seja, eu teria que ter uma dengue permanentemente eterna para controlar esses sintomas. Não estou aqui dizendo que é para os portadores fazerem  o mesmo, pois, cada caso é bem diferente um do outro, tem que se avaliar os prós e os contras, e creio que eu sou meio fraco para esses medicamentos mesmo, me fazem mais mal do que bem.
    Acho que o melhor que faço é ignorar os comentários, sendo reais ou não. Falar é a coisa mais fácil do mundo e muitos aproveitam o poder que a palavra tem para detonarem as pessoas. Tem um provérbio na Bíblia que diz que a língua é a arma mais letal que o homem tem. E, concordo plenamente com isso, pois, o um dos fatores desencadeantes dos meus surtos foram a calunia e as fofocas. Como diz o ditado: a língua é o chicote do povo. Nunca imaginei que teria inimigos de verdade, pensava que só quem gosta de brigas é que tem inimigos. Hoje eu sei, que, para isso, basta estar feliz e em paz consigo mesmo para desagradar algumas pessoas.
    Na semana passada estava refletindo sobre algumas coisas que aconteceram nos meus surtos e cheguei a me indagar: Surtar foi bom? Respondendo a pergunta, claro que não foi, é óbvio que não, essa seria a resposta de todo portador de esquizofrenia, com certeza absoluta. Mas também não posso esquecer as inúmeras demonstrações de solidariedade, principalmente no primeiro surto, em que fui morar nas ruas de Belo Horizonte. Sem contar ainda o fato de podermos tirar boas lições dessas coisas negativas que acontecem na vida da gente.
   Como disse antes, não fico agressivo durante os surtos. Acho que, por causa disso nunca fui internado, apesar de achar, ou melhor, ter a certeza em minha mente de que o mundo estava contra mim.  A minha reação era sempre fugir desses supostos inimigos. Pedi demissão da firma onde trabalhava no interior de Minas Gerais e fui para a capital. Mas os inimigos estavam por toda a parte! A solução que encontrei então foi de perambular pelas BR's, até chegar a conclusão que o único lugar seguro para mim era no meio do mato. Não sei com precisão quanto tempo fiquei escondido no mato, mas creio que foi questão de poucos dias a minha sobrevivência, pois havia ficado muito tempo sem me alimentar, e, o que é pior, andando de um lado para outro para fugir dos meus inimigos. O que me fez sair do mato não foi a fome, aliás, até hoje não compreendo por que não senti tanta fome durante os surtos, é como se a região do cérebro responsável pela sensação de fome estivesse desligada. Sentia muita necessidade de beber água, e por sorte havia encontrado uma pequena nascente. Mas o que me fez sair do mato foi uma situação bem estranha. Dois urubus pousaram em uma árvore bem próxima de mim e ficaram me olhando. Isso já foi o suficiente para achar que eles também estavam querendo me pegar e, caso isso acontecesse, eu seria uma presa fácil, pois estava bastante debilitado e havia perdido cerca de 25 quilos. A solução que encontrei foi voltar para Belo Horizonte, ou seja, indiretamente fui salvo pelos urubus. O medo, às vezes é bem conveniente em algumas situações.
    A debilidade física funcionou como um sossega leão para mim. Não tinha mais forças para ficar fugindo das pessoas. À media em que me aproximada de Belo Horizonte, eu avistava as pessoas e já não estava pensando que elas estavam contra mim. Pessoas, ao verem o meu estado físico, me ofereciam comida. Não posso reclamar, fui muito ajudado, tanto na parte da alimentação como na parte emocional também, pessoas paravam para conversar comigo e me davam palavras de incentivo e força. Engordei 20 em cerca de um mês e voltei a fazer uns bicos, mesmo morando nas ruas. Estava relativamente bem, e assim fui trabalhar durante o carnaval, em uma pequena cidade do interior de Minas. O serviço de operador de som é estressante, dias e noites acordado direto, e não deu outra: surtei novamente. Mesmo surtado, consegui trabalhar no carnaval, apesar de ter a certeza que as pessoas iriam me matar. Não sei como nunca reagi com agressividade em nenhum momento em que estava surtado, acho que queria que as pessoas realmente me matassem para acabar com toda aquela confusão. Depois do carnaval voltei para as ruas, e, após duas tentativas frustadas de auto extermínio e muitas situações perigosas nas ruas de Belo Horizonte, consegui me recuperar desse meu primeiro surto. Acho que esse surto demorou cinco meses para acabar, pois não fui medicado e só percebi que precisava de um psiquiatra quando já estava super bem. Estava com muitas dúvidas sobre o que havia acontecido comigo, mas, infelizmente,  o psiquiatra não se mostrou atencioso em minhas perguntas, simplesmente me receitou a medicação e fez algumas anotações, pois a fila era grande.
   Hoje posso dizer que a solidariedade das pessoas é que me curou do meu primeiro surto. Sem essa mão amiga, provavelmente não estaria aqui escrevendo este blog, poderia estar morando até hoje nas ruas de Belo Horizonte, isso se estivesse vivo, pois a capital mineira é uma das cidades mais perigosas para os moradores de rua. Tive que enfrentar algumas situações complicadas, mas posso me considerar um cara de sorte, confesso que até cheguei a me perguntar se merecia toda aquela ajuda.
    Me lembro como se fosse hoje de um garoto, de uns doze anos, que era catador de materiais recicláveis. Eu estava dormindo em uma calçada, sem papelão e cobertor, quando ele apareceu com o seu carrinho de colocar os materiais recicláveis. Ele, então, ao me ver deitado na calçada, pegou um cobertor e me cobriu. Eu não estava falando com as pessoas ainda, e, então, mentalmente agradeci a ele por aquela gentileza. Guardo aquele momento até hoje em minha mente e sempre peço a Deus para que o mundo não tenha mudado o bom coração daquele menino.
    Também me lembro de um morador de rua que se aproximou de mim e me ofereceu pedaços de carne do seu marmitex. Me deu uma bronca, pois peguei a carne com a mão, estava ainda meio fora da realidade, mas o fato dele ter tão pouco e ter dividido o seu pão de cada dia comigo, me deixou e ainda me deixa comovido até hoje. Esses gestos, essas pequenas atitudes que foram o meu remédio contra a louca mania de perseguição que tomava conta de mim. Com o tempo, o quadro em minha mente mudou por completo. Eu, que antes estava enxergando inimigos por toda a parte, agora estava sendo ajudado por diversas pessoas, de diversas classes sociais, desde os mais ricos até os moradores de rua. Acho que, nesses cinco meses em que fiquei na rua, conheci pessoas e fiz mais amizades do que nos últimos cinco anos anteriores ao surto.
    Além da solidariedade, um outro aspecto positivo foi tudo que aprendi com esses acontecimentos. Percebi na pele que, quando estamos mal, descobrimos quem realmente nos quer o bem. No meu caso, pude descobrir a fidelidade e o amor de um ser chamado Cherry, a cadela do meu ex patrão, que não me abandonou um momento sequer. Faço questão de escrever o nome dela com letras maiúsculas, e acredito que esses seres tem alma e com certeza ela está em um bom lugar.
    Então gostaria de dizer para todos os portadores de esquizofrenia que confiem em suas famílias. Sua mãe e seu pai te querem bem. Eu sei que é difícil acreditar nas pessoas quando estamos surtados, mas, conversando com pais e mães de portadores pude perceber que eles sofrem tanto quanto nós por causa desse transtorno, inclusive boa parte dos livros que vendi foram mães e pais querendo conhecer um pouco mais sobre a patologia e assim tentarem entender um pouco mais seus filhos. Agradeço a todos que confiaram em mim e adquiriram o livro. Ainda estou disponibilizando, é só seguir as instruções no lado direito da página.
    Bem, o natal está chegando e não estou assim tão deprê. Talvez seja o efeito da sertralina, ou talvez seja pelo fato de todos os dias parecerem iguais para mim depois que parei de trabalhar. Ficava triste no final de ano e principalmente em Janeiro, pois é uma época de pouco serviço para o setor de entretenimento, principalmente de sonorização. O ano parece começar de verdade neste país somente depois do carnaval e então não era uma época legal para mim, pois adorava o que fazia. Hoje estou bem, mas não posso dizer como estarei amanhã, pois meu estado de ânimo muda de uma hora para outra. Prefiro dizer estado de ânimo do que humor, pois não fico mal humorado, rabugento. O que muda em mim é a energia, a alegria. Ficar triste não quer dizer mal humorado. Às vezes penso se sou um pouco bipolar, mas um psiquiatra disse que alguns sintomas são parecidos mesmo. Também não ligo para rótulos, denominações ou classificações. Penso que isso só é válido para se fazer o tratamento. Não acho legal sair rotulando as pessoas como "o esquizofrênico" ou "o bipolar", dizendo que os portadores são assim ou assado, que fazem isso ou aquilo. Claro que existem alguns comportamentos que são bem comuns aos portadores de esquizofrenia, mas cada um tem a sua maneira de ser e de agir.
   Baixei os filmes de Adam Sandler que ainda não vi e guardei no pen drive para assisti-los no natal. Assistir TV é complicado, pois tudo nesse dia lembra o natal. Acho que só vou ligar a TV para assistir o especial do Roberto Carlos. Vou comprar algumas coisas para comer e guardar na geladeira, pois não quero sair de casa nesse dia. Não é o natal dos meus sonhos, e, pra falar a verdade nem sonho com natais perfeitos. Seria melhor que o espírito de natal prevalecesse o ano inteirinho e que somente em um mês do ano poderíamos agir como agimos o ano todo.
     Sei que isso é um sonho meio impossível, mas, como diz o samba enredo: "sonhar não custa nada". Sonhar não faz mal a saúde, o que não podemos fazer é ir ao mundo dos sonhos e por lá permanecer, e ficar a vida inteira sonhando sonhos impossíveis e não agindo para que eles se concretizem. Gosto de sonhar, para fugir um pouco da realidade mesmo, algumas pessoas preferem as drogas, mas sonhando podemos voltar a realidade quando desejarmos e também não ficamos viciados. Sonhar é bom, pois de um modo, encontramos força para continuar e tentar mudar a nossa própria realidade.
     Desejo a todos um feliz natal e um ano novo com muita saúde e paz, que é o mais importante. Obrigado a todos os leitores, e a todos que me deram uma força para fazer o blog e espero nos encontrarmos em 2013.

 
 
 
 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Divagações esquizofrênicas 3

    Apesar de não condicionar o meu estado de espírito às datas, costumo fazer algumas análises e reflexões no fim de ano. Esse ano para mim não foi dos piores, foi a mesmice de sempre, mas creio que avancei em termos de  auto conhecimento, estou aprendendo a lidar melhor com as minhas paranoias e até que estou tendo um sono razoável, isso quando as coisas estão tranquilas na vizinhança. Mudar para onde moro atualmente me fez sentir a pessoa mais normal do mundo, já houve caso em que até que foi necessário o comparecimento de uma viatura da polícia, por causa de panelas. O funk é o estilo preferido por alguns vizinhos. Até ai, nada de mais, o problema é que eles acham que é o nosso preferido também e somos obrigados a ouvir a batida repetitiva do funk atual. Eles podem ter vários cd's de funk, mas a impressão que se dá é que estão ouvindo a mesma música o dia inteiro.
    Se por um lado as paranoias e alucinações diminuíram, esse ano os sintomas negativos apareceram. Desânimo, apatia, etc. Atualmente, são poucas coisas que acho graça, sinto saudades de mim mesmo. Diante de tanto desânimo, tive que me render aos medicamentos. Após várias pesquisas e conversas com amigos, cheguei a conclusão que a sertralina é o medicamento mais indicado para o meu caso. Eu não sou psiquiatra, mas o atendimento aqui em Ipatinga na área da saúde está deixando muito a desejar. Até que depois do meu post contando a atual situação da cidade, as coisas no posto de saúde melhoraram um pouco (será que eles viram? rsrs). O atendimento, que antes era só de segunda a quarta, passou a ser diário. Agora tem copo descartável para todos beberem água e as consultas estão demorando um pouco mais do que os dois minutos, que eram a média anterior(não é brincadeira não, cheguei até a cronometrar, podem olhar o vídeo no post!)
    Mas o problema é que só tem um médico para atender todo o pessoal que mora no centro e nos bairros adjacentes e, convenhamos que ele não é um expert nos problemas da mente. Então foi assim que eu cheguei no consultório dele:
    - Após avaliar os prós e os contras, cheguei a conclusão que estou precisando de um antidepressivo. No meu caso a sertralina seria o mais indicado, na dose de 50mg.
    - Mas a amitriptilina não serve? perguntou o doutor.
    - Ah não! Esse me dá muito sono, prefiro experimentar a sertralina, conheço uma farmácia que vende manipulado e é baratinho.
    Depois ele perguntou o que eu estava sentindo e disse que era o desânimo e que os meus exames não apontaram nada de errado. Então, seguindo as minhas orientações, preencheu a receita e fui embora.
    Claro que recomendo que ninguém faça isso, mas, como não tive outra alternativa, tive que consultar o "Dr. Google". E, como de médico e de louco todo mundo tem um pouco... Eu sou daqueles que gostam até de ler a bula dos remédios.
    Estou tomando a sertralina há cinco dias. Vou esperar mais um pouco parar tirar as minhas conclusões definitivas. No primeiro dia que tomei( foi numa manhã) senti uma preguicinha e um soninho gostoso. Fiquei bem relaxado e não estava me importando com nada. Liguei a televisão e comecei a achar graça em coisas que normalmente não consigo achar. E ai  comecei  a me fazer alguns questionamentos. Será que estou tomando uma droga parecida com a maconha? Eu só experimentei a maconha três vezes em toda a minha vida, e a sensação que tive naquele dia era mais ou menos parecida, a diferença era um pouco de sonolência que a sertralina causa. Estava meio aéreo e não era isso o que eu esperava de um antidepressivo. Mas resolvi continuar, pois o organismo tem que se adaptar a nova medicação e tals.
    Nos primeiros três dias, tive um pouco de insônia, então comecei a tomar o remédio de noite, e o meu sono agora está normal. Uma coisa positiva que tenho que ressaltar é que diminuiu o meu desconforto de sair de casa, principalmente de ir ao centro da cidade. Até o funk do vizinho está um pouco menos irritante. Mas, como aconteceu com a risperidona, estou meio robotizado emocionalmente. É uma sensação estranha, não sentir nada, é como se fosse uma lobotomia química. Não estou me importando com nada mais, minha barba está enorme e meu cabelo também está grande. Estou tranquilo, calmo, mas acho que mais do que deveria, e quase não escrevo o post desta semana. Vou esperar mais alguns dias para analisar a situação e decidir se continuo ou não com a sertralina. Estava precisando de um medicamento que me desse ânimo, e não que me deixasse assim tão zen. Ouvi falar que o zetron é ótimo para isso, mas, pelo que pesquisei, esse medicamento aumenta os níveis de dopamina nas conexões cerebrais( isso eu copiei do site, não sei falar assim como um psiquiatra rsrsrsrs) E, como atualmente o excesso de dopamina é uma das teorias mais aceitas no que se refere a parte biológica da esquizofrenia, cheguei a conclusão que esse medicamento seria perigoso para mim. Moro sozinho e não quero surtar novamente, chega de ir para as ruas.
    Voltando às reflexões de fim de ano e as minhas dúvidas e questionamentos, paro para pensar e chego à conclusão de que fui e sou uma boa pessoa. Não sou um santo, errei muito nessa minha vida e ainda erro até hoje. Me arrependo de muitas coisas que fiz e de tantas outras que não fiz nessa minha existência. Acho estranho quando uma celebridade vai na televisão, e, quando é perguntada sobre arrependimentos, elas sempre dizem que nunca se arrependeram de nada do que fizeram em suas vidas. Eles são perfeitos? Nunca erram? Eu já errei pra caramba, não fui um bom filho, nem um bom neto, falei coisas que não deveriam ser ditas, e várias outras coisas. Bem, se eu ficar falando aqui sobre os meus erros, acho que esse post seria longo por demais e aqui também não é um confessionário né?
    Mas, uma das coisas que mais me arrependo é a de ter falado pouco, e ficar engolindo sapos não é muito saudável. Deveria também ter me declarado para as garotas e mulheres que fiquei a fim de conhecer, um fora a mais ou a menos não é pior do que o arrependimento de não ver mais a pessoa que você sentia que poderia ser legal conhecer.
    Mas esse ano que está se acabando foi interessante para mim e as coisas que aconteceram me fizeram sentir uma pessoa melhor. Ao postar o meu primeiro vídeo no youtube, a minha intenção era de apenas fazer um desabafo tentando explicar que esquizofrenia não é sinônimo de loucura, agressividade, falta de capacidade de raciocínio, etc. Mas, para minha surpresa, com o tempo, muitas pessoas me mandaram mensagens de carinho dizendo que o vídeo as ajudaram bastante. Me sentia meio desconfortável gravando vídeos, então resolvi continuar tentando tirar um pouco o estigma que a esquizofrenia carrega fazendo algo que eu gosto de fazer, que é escrever. Não vou esquecer nunca o carinho que recebi das pessoas aqui no blog e esse tempo escrevendo me fez muito bem.
    Acho que o blog já cumpriu a sua missão, o que eu tinha para dizer, acho que já foi dito. Só a informação é que irá acabar com o preconceito e o medo que a sociedade tem da esquizofrenia. Fiz o que deu para ser feito, e agradeço a todos pelo carinho, só tenho que agradecer pela força que as pessoas me deram nesses sete meses de blog. Não sei se vou continuar a postar, não sei se é o efeito da sertralina que está me deixando assim, sem ligar para nada. Estou me sentindo bem de um lado, mas por outro estou meio robótico, sem emoções, é muito estranha essa sensação. Eu, que sempre fui muito emotivo e meio chorão, agora estou assim, frio. Estou num dilema terrível, fico assim, sem graça, mas tranquilo,  ou volto a ser uma pessoa com emoções? Penso em ficar com a segunda hipótese, pois não sou agressivo e fico mais em casa mesmo. Eis a questão: Remédios: tomá-los ou não tomá-los?
   Hoje(ontem) é  o tão falado dia 12/12/12, uma data cercada de mistérios. As opiniões divergem, uns dizem que é o início de uma nova era, já outros dizem que é o fim do mundo. Eu, como não ligo para datas, nem me dei ao trabalho de pesquisar sobre esse assunto. Já são 15:23 e até agora não aconteceu nada de diferente por aqui? Você sentiu alguma diferença em seu dia? Só por que existe uma coincidência de números é que irá acontecer alguma coisa? Ano passado foi a mesma coisa com o 11/11/11, até comunidades no orkut foram criadas sobre essa data, algumas pessoas disseram que o número 11 não é legal, pois foi nesse dia que as torres gêmeas foram derrubadas e outras coisas mais.  Porém, não aconteceu nada, apenas uma pequena paranoia coletiva e nada mais.
    Semana passada foi dia de pagamento e pequenas compras. A minha principal necessidade era comprar um bom fone de ouvido,  já que, pela terceira vez, arrebentei o do meu telefone. Na primeira loja, experimentei três, todos originais, pois gosto de um som com um mínimo de qualidade e com volume suficiente para me desligar do mundo em minha volta. Mas todos os três estavam com o som meio baixo e ai me lembrei que os fabricantes de fones de ouvido agora tem que obedecer uma norma que  não se pode ultrapassar o limite de tantos decibéis. Fiquei meio decepcionado, pois, com o volume no máximo, o som externo ainda era bem perceptível. Então começou a minha peregrinação pelas lojas do centro da cidade. Foram cerca de dez lojas e uns vinte fones de ouvido experimentados.  Nenhum deles me agradou, pois todos eles já estavam seguindo a tal norma.
   A minha última esperança estava nas barracas dos camelôs. Não tenho preconceito de comprar nos camelôs, já encontrei bons produtos por lá, e felizmente, foi o que ocorreu com o fone de ouvido! Já na terceira loja encontrei o que eu queria: um som alto e com qualidade! Vou até comprar um de reserva, pois com essa nova norma, o som dos fones estão meio baixos para o meu padrão.
    Eu também já me precavi de um futuro rompimento do cabo do fone de ouvido. Quem gosta de ouvir música no celular provavelmente já deve ter arrebentado um. Então, seus problemas acabaram! Sigam as dicas do mestre da gambiarra(bem feita!) e seus fones de ouvido durarão muito mais! Você só precisa de um pequeno pedaço de fita crepe, um outro pequeno de fita isolante e tesoura. Não tem mistério, é só dobrar o cabo como na foto ao lado e passar a fita crepe. Para dar um acabamento, passe por cima da crepe a fita isolante. Ai, toda vez que o cabo for espichado sem querer, não irá arrebentar a conexão.
    Então, depois da compra do fone de ouvido, algo aconteceu que quase me fez surtar novamente.  Como todo bom mineiro, resolvi tomar um suco de laranja e comer um pão de queijo. Assim que me sentei no balcão, uma menina já chegou com um suco de laranja sem que eu tivesse falado nada! Fiquei perplexo, olhos arregalados, paralisado, acho que até o meu coração parou nessa hora. Como ela descobriu o que eu queria? Estaria ela lendo os meus pensamentos? Será que vai começar tudo de novo? Pensei, pois, nos surtos que eu tive, estava convicto que as pessoas sabiam o que eu estava pensando. Fiquei parado, estático, esperando que a menina falasse alguma coisa, quando a outra balconista disse:
    - Não é pra ele não, o suco é pra aquele cara lá da ponta.
    Depois de ouvir aquilo, soltei o "ufa" mais aliviante de toda a minha vida. Era apenas um engano, ninguém estava lendo meus pensamentos, não estava pirando novamente. Foi apenas um susto, e depois até dei boas risadas. Quando pedi o meu suco de laranja, disse  para a menina que ela era uma vidente.
    Como disse anteriormente, não sei se vou continuar postando. Já sinto que o blog fez o que tinha que fazer. Mas ainda estou na dúvida se não é a sertralina que está me deixando assim meio desinteressado de tudo. Talvez seja só um tempo mesmo que eu precise. Talvez eu pare de tomar esse medicamento amanhã e já mude de ideia. Talvez o mundo se acabe mesmo como estão prevendo. Sei lá, tudo pode acontecer.
-obs: em relação, ao livro, independente de continuar o blog ou não, continuarei disponibilizando, para adquiri-lo é só ler a anotação do lado direito do blog.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Que país é este?


Resolvi mudar o título do post, pois achei que algumas pessoas poderiam me interpretar mal, mas o título anterior era só uma referência ao filme O advogado do diabo. Mas o conteúdo do post não foi mudado, pois creio que não estou infringindo nenhuma lei. Ou será que juízes são imunes às críticas? No facebook sinalizaram que o conteúdo do post é inadequado, mas o que essa juíza fez é  o que então?

     Semana passada, ao abrir a página inicial do navegador, me deparei com uma notícia que me deixou perplexo. Um garoto foi despejado do abrigo em que havia morado por toda a sua vida. Bem, até ai nada de tão escandaloso assim. O problema é que o menino é deficiente mental e foi abandonado pela família logo nos primeiros meses de vida. Ainda acha pouco? O garoto, além de deficiente mental, é soropositivo, cego, mudo e paralítico. É muita coisa para uma pessoa só. Já não bastasse o sofrimento que esse rapaz deve passar, e ainda vem uma "juíza" e o afasta das pessoas que o amam. 
   Às vezes me sinto envergonhado quando me pego reclamando da vida quando vemos coisas desse tipo acontecerem. Mas também não podemos condicionar a nossa satisfação se baseando na infelicidade dos outros. Devemos nos compadecer do sofrimento dessas pessoas, mas isso não pode fazer com que fiquemos felizes por ter problemas menores do que os outros. Se fosse assim, todos  os humanos teria que estar felizes, e somente o mais infortunado dos mortais teria razão de se sentir triste. 
É como se fosse um coxo que fica feliz ao ver um paralítico em sua cadeira de rodas. Ou seja, a sua felicidade está condicionada na desgraça alheia. 
     Mas, voltando ao tema do post, a "juíza" responsável pelo caso(foto acima) e que tirou garoto do seu verdadeiro lar e o afastou das pessoas que o amam, se chama ana cristina borba, da vara da infância e da juventude. Agora até fiquei com medo de falar sobre ela, pois foi um problemão para colocar a foto dela aqui, não consegui nem digitar no espaço em cima que está em branco. Sinceramente, demorei um pouco para acreditar no que estava lendo. Primeiro, pelo fato do garoto ter tantos problemas. Mas o que mais me deixou perplexo foi saber que um ser humano é capaz de tirar um garoto que já tem uma vida sofrida do seu verdadeiro lar, que é ao lado das pessoas que sempre cuidaram dele com o maior carinho. Essa juíza não tem alma? Não tem coração? Ela poderá dizer: "Ah! Mas eu só estava cumprindo com o meu dever", pois o abrigo só comporta jovens de até 16 anos. Mas ela não poderia esperar alguns dias até que se encontrasse um local adequando para o garoto? Ou então não poderia abrir uma exceção nesse caso, devido aos inúmeros problemas que ele tem? O menino foi praticamente jogado na sala de um pedagogo pelos oficiais de justiça, acatando as ordens dessa juíza. Engraçado como que a lei funciona rapidamente nesses casos, mas, para julgar políticos corruptos... A impressão que se dá é que a única lei benéfica que funciona no país é em relação à pensão quando um casal se separa, pois já vi até jogadores de futebol passando a noite em uma cela.  

    Uma outra coisa que me chamou a atenção foi que o fato não teve tanta repercussão assim nas redes sociais e nem na mídia de um modo geral. O caso da enfermeira(foto acima) que matou cruelmente um pequeno cachorro indefeso virou manchete no país inteiro. E também não é para menos, pois ela não agiu como um ser humano, nem vale a pena postar o vídeo das agressões, pois só de vê-las dá para ficar revoltado. Eu amo animais, e no facebook não resisto em compartilhar fotos engraçadas de animais, principalmente os cães. Me desculpem se estou falando um heresia, mas as provas de amor e fidelidade dos caninos me faz pensar se esses animais não possuem alma ou se são anjos enviados por Deus.      
cachorro ao lado da cova do seu dono 
Um filme que me faz pensar sobre isso é "Sempre ao seu lado", que foi baseado em fatos reais. Um cachorro, sempre esperava seu dono retornar do trabalho em uma estação de trem. Isso era uma rotina diária, até que o seu dono morreu e não voltou mais. Mas o pobre cachorrinho continuou a esperar o seu dono por mais dez anos! Ele acabou virando uma espécie de herói nacional e ganhou até estátua. 

    Eu mesmo, em um dos momentos mais difíceis da minha vida, que foram os primeiros surtos, tive o meu sofrimento amenizado e fui confortado por uma cadela chamada Cherry, já que as pessoas simplesmente começaram a se afastar de mim. Mas Cherry não me abandonou um momento sequer, até o dia em que tive que me mudar de cidade. Anos depois fiquei sabendo que ela teve que ser sacrificada, pois simplesmente parou de se alimentar e entrou em depressão depois da minha saída da firma onde trabalhava.(ela pertencia a esposa do dono da firma). Eu escrevi o nome da cadela com letras maiúsculas e o da juíza com letras minúsculas, pois tenho mais consideração por cachorros do que por pessoas como essa senhora que me parece não ter alma e nem coração. 
    Sinceramente, estou com receio de publicar este post, falando assim dessa maneira de uma representante da lei deste país, vá se saber se por acaso o que estou postando aqui não chegue aos ouvidos dela? O que poderá acontecer comigo? Poderá me processar por chamá-la de desalmada? Sinceramente não sei, não entendo de leis, já vi gente fazendo coisa muito pior e não acontecendo nada, é só ler os noticiários do dia a dia que veremos vários exemplos do que estou falando. Os ricos e os poderosos raramente são presos, a não ser que as provas sejam muito contundentes, e pra falar a verdade, acho que nem assim são presos, salvo pouquíssimas exceções. E quando são condenados, como por exemplo no caso do mensalão, podem ser soltos, sempre se encontra um jeito, uma brecha na lei. Nesse caso específico, os condenados do mensalão podem cumprir a pena em regime aberto, pois estão querendo alegar que não existem vagas para essas pessoas nos presídios. Engraçado que, para ladrão de galinha sempre sempre existe vaga né? Será que todo o trabalho do ministro Joaquim Barbosa foi em vão? Ou estão procurando um hotel cinco estrelas para colocar os condenados?
    Me desculpem se hoje estou um pouquinho amargo, mas ficar todo dia vendo essas notícias me deixa um pouco revoltado. O que mais a gente vê por ai é a polícia tendo um enorme trabalho para prender os contraventores(agora baixou o advogado em mim) e a justiça mandando soltar. E, por falar em policiais, o que acontece quando estes cometem um crime? São levados para a cela do quartel, que, quando não são confortáveis, chegam a ser até luxuosas, com direito a festinhas. 
Cela do Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar (BEP)
    Acho que a mídia peca um pouco é na falta de informação sobre o desfecho de alguns crimes. Alguém sabe o que aconteceu com a enfermeira que matou o cachorrinho? O que aconteceu com os policiais no Rio de Janeiro que não socorreram o coordenador do afroreggae? Quem não sabe do caso, os policiais, ao invés de socorrerem a vítima, que havia levado dois tiros, simplesmente foram até aos ladrões e "pegaram" para si mesmo o produto do roubo e depois liberaram os bandidos. Vendo assim nem dá para acreditar que isso é verdade, por isso vou deixar aqui o link que explica melhor o caso.

   A verdade é que não sabemos o desfecho desses e outros casos pois isso não dá ibope. Quando é alguém famoso que está envolvido, ai a história é diferente. Vide o caso do goleiro bruno, até hoje é notícia e vai continuar sendo até que o último envolvido seja julgado. Afinal o cara é rico, jogava no clube de maior torcida do Brasil e tudo mais. Aqui em Minas tem um programa chamado "tv verdade" que, para aumentar a audiência, praticamente todo dia anunciava que tinha uma novidade do caso bruno. E sempre deixavam essa parte para o final, para prender os telespectadores. E na verdade, não noticiavam nenhuma novidade, só suposições, para aumentar o ibope e garantir o emprego do apresentador. 
    Acho que deveria haver um maior interesse da mídia em nos informar sobre o desfecho desses casos de injustiça que envolvem pessoas não famosas. O brasileiro merece ser informado se a justiça está sendo cumprida ou não. 
   E o que aconteceu com o garoto deficiente mental? Pelo que deu para ler, ele foi transferido para um clínica particular, e as despesas estão sendo pagas pela prefeitura da cidade onde o fato aconteceu. Mas será que a juíza não poderia ter um pouco de sensibilidade e voltar atrás em sua decisão? Que lei é essa que tira uma pessoa do seu lar e o afasta das pessoas que o amam? Para falar a verdade, não acredito que a juíza irá mudar de opinião, pois, quem faz uma coisa dessas não pode ter coração. Que saudades da Cherry!


quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Natal bipolar


     ♫ Chove lá fora 
         e aqui tá tanto frio 

     Esse trecho da música do Lobão reflete bem o meu momento atual. O céu e os meus dias estão cinzentos. É que a DPN (depressão pré natal) chegou mais cedo esse ano. Ainda não vi nenhuma decoração natalina, as lojas ainda não estão com as famosas "promoções" de natal( promoção nada, no mês de Janeiro tudo fica mais barato, os vendedores só faltam agarrar a gente pelo braço). Na TV ainda não está passando nada referente à esta data, ainda não estou ouvindo pelas ruas aquelas tradicionais musiquinhas de natal tocadas na arpa paraguaia, mas já estou nesse estado lastimável. E, para avacalhar tudo, ao invés de ouvir uma música alegre, estou no momento ouvindo músicas tristes. Vou deixar para experimentar a sertralina no mês de Janeiro, pois sei que nenhum medicamento no mundo seria capaz de tirar essa apatia e desânimo que tomam conta de mim neste mês, que, para o meu caso, deveria se chamar "deprêmbro".
    Coincidência ou não, dia 19 fez onze anos que tive o meu primeiro surto. Claro que o surto não ocorreu exatamente nesta data, me baseio nela pois foi o dia em que foi dado baixa em minha carteira de trabalho. O surto é como uma bola de neve, vai crescendo aos poucos, e, se você não se cuidar,  pira mesmo pra valer. Não estava mais aguentando trabalhar, a mania de perseguição era enorme, e estava ouvindo muitas vozes. Havia tantos inimigos em minha mente, que achei que era mais fácil me auto exterminar do que ficar brigando com tanta gente. Não sou agressivo e nem fui, mesmo na fase aguda do surto, e até hoje me pergunto como aguentei tudo aquilo calado. A minha única reação foi fugir, fugir e fugir até o momento em que minhas energias acabaram. Bem, não vou aqui ficar relembrando essas coisas, pois já escrevi tudo sobre isso no livro.
    Sei que não sou o único a me sentir assim durante o período natalino. Sei que as taxas de auto extermínio aumentam um pouco nessa época, pelo menos é o que vi em uma revista há alguns anos atrás. Mas por que será?
  "Ah! Mas isso é falta de Deus!" Dirão alguns cristãos mal informados, que pensam que Jesus nasceu realmente no dia 25 de dezembro. Já me disseram isso uma vez, e foram duas pessoas que certamente não dão nem parabéns para o suposto aniversariante, se preocupando apenas com os presentes que irão receber e também se a mesa da ceia de natal está farta ou não. Não tem como ficar indiferente ao natal, ou as pessoas gostam muito ou então ficam deprimidas. Creio que isso tem um pouco a haver com esse lance da família, se ela é unida ou não, etc. Também existem as pessoas que vivem só e associam o natal a uma reunião de familiares, e então não tem como não ficar triste nesta data. Sem contar o apelo comercial que é nos imposto nessa época, deixando as pessoas que não receberam presentes um pouco tristes, principalmente as crianças que pensam que não foram boazinhas o suficiente para ganhar o presente de papai noel ou que, se não acreditam no bom velhinho, ainda não entendem por que existe tanta desigualdade no mundo.
    Mas eu não sou contra o natal. Eu não gosto, é bem diferente. Não vejo nada demais as pessoas marcarem no calendário uma época para se confraternizarem, trocarem presentes e fazerem inúmeras festas. Acho legal essas tradições, a alegria das crianças ao receberem os seus presentes, a alegria dos adultos, mesmo que induzidas por uma data criada pela igreja.
   Acho que todos tem uma noção de como surgiu o natal, o meu blog não tem uma função didática, o google está ai para todos e não sou muito adepto do control V + control C, mas vou aqui falar um pouco o que sei sobre o surgimento dessa data para os cristãos.
    O natal é uma adaptação da igreja a festas pagãs que ocorriam antes do nascimento de Jesus Cristo. Alguns povos celebravam o deus sol, e alguns países festejavam vários outros deuses. Era uma tradição bem forte em várias partes do mundo, inclusive em Roma. Aos poucos o cristianismo foi crescendo em Roma, e, para não afrontar os costumes do povo, foi criado o natal.  Apesar de não se ter nenhum registro da data de nascimento de Jesus, a igreja decretou que esse dia seria o do nascimento do Cristo, por volta do ano 337 dc.
   Vários costumes das festas pagãs foram incorporadas ao natal dos cristãos. A troca de presentes, a ceia de natal, as festas com muita comida e bebida, as decorações, etc. Para dar um toque cristão ao natal, foi incorporada a figura do papai noel. Muitos devem estar estranhando a figura de um homem magrelo ao lado, mas este é o verdadeiro bom velhino. O nome dele é São Nicolau, e foi um bispo ou monge que acabou sendo canonizado e virou um santo. Em vida, ele ficou conhecido pela sua generosidade, principalmente com os mais pobres. Ele tinha o costume de distribuir presentes para as crianças mais humildes, e estas, com o tempo, começaram a pensar que só seriam presenteadas se fossem boazinhas e bem comportadas. Com o tempo, a figura do papai noel foi mudando, e hoje ele é um velhinho de barba branca e gordinho. Acho que foram os artistas e pintores que moldaram essa nova imagem de papai noel. E a coca-cola deu uma boa forcinha ao usar a nova figura do bom velhinho em seus comerciais. Acho que o mesmo deve ter ocorrido com a imagem de Jesus Cristo. Ninguém sabe como era Jesus Cristo, se ele era alto ou baixo, gordo ou magro, se tinha cabelo ruim ou bom, etc. Pelo pouco que sei, Jesus, não é essa figura que vemos nas igrejas, um cara branco, de olhos azuis e cabelos longos. Acho que os pintores resolveram dar um toque de singeleza à figura de Jesus, e assim como aconteceu com o papai noel, a ideia pegou e hoje fica difícil não se lembrar da imagem ao ouvir o nome de Jesus. O mesmo se pode dizer de Maria, que também é alva e de olhos azuis.
    Deixando os fatos históricos de lado, como disse anteriormente, acho legal se criar uma data para confraternizações e festividades, só não acho certo inventarem uma data de nascimento para Jesus Cristo, que foi uma forma que a igreja encontrou para adaptar sua festa as tradições dos povos antigos. Não é por que eu não me dou bem no natal é que vou ficar por ai condenando a festa. Se outras culturas e povos tinham e ainda têm esse costume, por que os cristãos não podem ter? Mas poderiam deixar Cristo de lado e dizerem a verdade, ou seja, não existe registo sobre a verdadeira data de nascimento de Jesus.
    Para falar a verdade, não sou muito ligado a datas. Não condiciono o meu estado de espírito ao calendário. O que me deixa feliz ou triste são os fatos e os acontecimentos do dia a dia. E as pessoas também né? Sem contar que existem períodos em que fico muito alegre sem motivo aparente, e o inverso também acontece. Ai me vem a questão: a alegria e as emoções também tem um componente biológico, que tenha a haver com a química e o bom ou mau funcionamento do cérebro?
    Acho que devemos nos olhar como um todo, não somos só carne e osso, devemos entrar ai com a questão espiritual também. Não estou aqui falando de uma religião específica ou de uma seita, mas falo de acreditar e ter fé em algo que te faça sentir bem.
    Voltando as datas, outra que não gosto muito é a do meu próprio aniversário. E isso vem desde pequeno. Me lembro de uma remota cena de um aniversário, acho que de seis anos, em que me vejo na mesa em frente ao bolo, mas eu não estava feliz. O motivo sinceramente eu não sei. Só me lembro que estava desconfortável naquele momento. Acho que esse foi o último aniversário em que fizeram festa para mim. Acho que os meus familiares ficaram meio sem graça diante dos convidados naquele dia, também o aniversariante estava com uma cara fechada né? rsrsrsrs
    Até hoje não ligo para o meu aniversário, e, para falar a verdade, houve um ano em que simplesmente esqueci que estava fazendo aniversário, só me lembrei da data dias depois. Aniversário para mim significa estar um ano mais velho e, para me auto enganar e não ficar muito deprê nesta data, encontrei um método infalível para que isso não ocorra. Eu adianto a minha idade em um ano, por exemplo: hoje tenho 43 anos, mas boto em minha cabeça e saio falando para todo mundo que tenho 44. Com o tempo eu me acostumo com a ideia de estar um ano mais velho e acabo acreditando nisso. Então, quando chegar a data do meu aniversário, eu vou pensar que vou fazer 45 anos, mas, após refletir um pouco, irei lembrar que na verdade estarei fazendo 44, ou seja, fiquei uma ano mais novo em pleno aniversário! Não é o ideal, mas até funciona.
   Na época em que eu trabalhava, datas festivas eram sinônimo de trabalho, pois era operador de som. E, como gostava do que fazia, não era um martírio passar os feriados e datas festivas trabalhando. Até pelo contrário, ficava muito triste no mês de Janeiro, época de muita chuva e pouco serviço. Quinze dias era mais do que suficiente para as minhas férias.
   Hoje em dia, aposentado, não vejo muita diferença entre os dias, que, para mim são todos iguais. Só não gosto muito daqueles feriados em que tudo está fechado e ai tenho que providenciar um rango, pois não sei fazer nem ovo frito. Ovo cozido até que eu sei fazer.
   Bem, me desculpem se o post dessa semana foi meio deprê. Mas é o que estou sentindo no momento e não tem como disfarçar. Comecei a escrever o post ontem(28/11) mas nem terminei, de tão desanimado que estava. Hoje estou melhor e sei que tudo isso é uma questão de tempo e que tudo vai passar, até que o próximo natal volte juntamente com a DPN.


 
 -obs: as músicas não estão disponíveis no lado direito do blog, mas creio que o site que fornece as músicas deva estar com problemas.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Manias, que não as tem?


    Outro dia desse estava conversando com um amigo do grupo esquizofrenia, no facebook. Esta conversa me fez refletir sobre diversas situações, denominações e classificações que nos são impostas no dia a dia. Revejam o diálogo:
- Ele: Eu acho que tenho esquizofrenia. 
- Eu: Mas o que você tem? Mania de perseguição? Alucinações? Vozes de comando?
- Ele: Não, não tenho nada disso. É que tenho algumas manias, como contar quantas vezes bato o cigarro no cinzeiro, conto os degraus, os passos, etc. 
- Eu: Ah cara! Se é por causa dessas manias, então você pode se considerar o cara mais normal do mundo. Ficaria espantado se você me dissesse que não tivesse nenhuma mania ou esquisitice. 
    E a conversa durou um bom tempo. Falamos sobre remédios, surtos, as expectativas de cura para os transtornos mentais, etc. Papo de psicótico mesmo. Me lembrei do filme "O alienista", que é baseado no livro  de Machado de Assis. Se todo mundo que tiver uma mania for considerada louca, então a humanidade está completamente pirada. Mas, se a maioria tem manias, então o normal é ser louco. Então chego a conclusão, assim como o protagonista do filme, de que, se a exceção é ser normal, o verdadeiro louco é aquele que não tem manias. 
    Falei para o meu amigo para ter uma boa conversa com o psiquiatra e repensar se realmente é preciso de tomar os neurolépticos
    Se contar os passos é maluquice, então o que são essas esquisitices desses famosos:

- Angelina Jolie
-Um amigo de Angelina Jolie revelou, ao site "In Touch", algumas esquisitices da musa hollywoodiana. De acordo com a fonte, Angie tem o costume de guardar curativos usados.
"Quando os filhos de Angelina se cortam ou se arranham, ela guarda os curativos usados em um pote de vidro grande. Ela acha que está sendo artística, mas para outros, ela é apenas estranha", revelou.
O informante diz, ainda, que Angelina se tranca por quatro horas no porão, todos os dias, para se exercitar. Isso seria uma forma de fugir da família por um tempo. "Ninguém pode atrapalhá-la durante esse período", disse.
-No mesmo ano do suspense conhecia nos sets de ''Alto Controle'', comédia com John Cusack, seu futuro marido, Billy Bob Thornton, 20 anos mais velho. O casal vive nas páginas de fofocas da mídia, devido a esquisitices como usarem o sangue um do outro pendurado em um frasco no pescoço.

- Woody Allen
- O brilhante cineasta sabe a falta que fará o dia em que abandonar o mundo dos mortais. Acontece que o medo de Woody ultrapassa um pouco os limites normais. A cada 30 minutos ele checa a temperatura e faz questão de checar que está tudo bem com sua saúde. Eu hein?!

-Paul McCartney
 Oficialmente vegetariano o músico pede um cardápio personalizado toda a vez que sai em turnê. Isso não é nada! O local onde ele fica deve ter o número exato de 19 plantas de 1,8 m. de altura e 4 plantas com 1,2 m. Isso que eu chamo de amigo da natureza!

- Leonardo Di Caprio
-  Outro galã na lista das manias estranhas é Leonardo di Caprio. Desde a infância  o ator tinha a mania de não pisar em fendas. Com o tempo isso melhorou mas com a gravação do filme “O Aviador” Léo voltou a sofrer com a mania e chegava até mesmo a se atrasar para as filmagens porque tinha sempre de caminhar da mesma forma. Quando cometia algum deslize,ele refazia todos os passos. Acredita?!

Bem, o Michael Jackson nem precisa falar né? Todo mundo conhece as esquisitices dele, a foto também já diz tudo né?
Mas vamos registrar aqui, ainda mais nessa semana em que comemoramos o dia da consciência negra, que o cara não tinha vergonha de ser negro, como muitas pessoas diziam. Foi comprovado, depois de sua morte, que ele realmente tinha vitiligo e que era mais fácil branquear o pouco de sua pele que ainda não tinha sido afetada do que tentar voltar a cor original. 
   Acho que ele sofreu muito com esses e outros boatos que o seguiam depois da fama. Não estou aqui defendendo-o, e nem posso, pois não o conheço, mas creio que, nos casos de pedofilia, as pessoas queriam e se aproveitaram do dinheiro dele, já que as leis nos Estados Unidos são severas e realmente funcionam se os fatos forem comprovados. 
    Outro famoso que todos sabemos que tem suas esquisitices é o Roberto Carlos. Mas, depois de muitos anos com suas manias, acabou descobrindo que tem TOC. Hoje ele está se tratando e até brinca um pouco com suas esquisitices, o que é um bom sinal, pois, quando rimos de nós mesmos, quer dizer que já não damos tanta importância assim para as nossas imperfeições. 
    
    Bem, agora chega de falar das celebridades pois este é um blog sobre esquizofrenia e não um site de fofocas né? Sites sobre famosos é o que não falta por ai. Esses paparazzi não deixam escapar nada. A pessoa não pode nem ir a praia que vira notícia. Ela é fotografada à dezenas de metros de distância, com super câmeras que captam o menor detalhe. Só aquele negócio que colocam na lente das câmeras deve ter quase meio metro. E se a celebridade tiver celulite, ai então nem se fala. As lentes até captam os poros das gordurinhas acumuladas. Deve ser uma sensação bem estranha que uma pessoa famosa deve sentir quando vai à praia. Ela sabe que está sendo observada e fotografada, mas não sabe por quem e muito menos onde está o indivíduo. O alvo principal geralmente são as celulites, e não é à toa que muitas atrizes tem problemas em relação a alimentação, pois os fotógrafos são implacáveis. 
    Muitas vezes dou razão e acho até bom quando um artista dá uma apelada com esses paparazzis que passam do limite. Basta lembrarmos do caso da princesa Diana, que se foi deste mundo, tentando fugir de vários paparazzis que não a deixavam em paz. Imagino como deve ser a vida desses famosos internacionais, que nem podem sair de casa, pois o simples direito de ir e vir é violado, pois, basta saírem de suas casas que são praticamente parados por essas pessoas. 
     Bem, voltando ao assunto manias e esquisitices, eu também tenho as minhas. Já perdi a conta de quantas vezes me acharam esquisito ou diferente. E, sinceramente, levei isso como um elogio. 
    Uma mania que eu tinha e que sei que algumas pessoas têm é a de não pisar naqueles riscos das calçadas. Eu pisava só dentro dos quadrados, sempre tomava cuidado de não pisar nas marcas. Ainda bem que passou, era meio chato ter que ficar olhando para baixo. A sensação era de que estava em um jogo, que poderia cair se pisasse na marca. 
    Uma outra mania que tenho é a de ler os outdoors e cartazes que aparecem em minha frente, principalmente quando estou dentro de um ônibus. Fico bastante desconfortável dentro de um ônibus, ainda mais se estiver cheio. Para me desligar, além de ouvir música, fico lendo todos os cartazes que aparecem  pelo caminho. Isso tudo começou no meu primeiro surto, quando imaginava que as pessoas estavam "lendo" os meus pensamentos, principalmente quando olhavam para mim. Então, a arma que encontrei para que as pessoas parassem de saber o que eu estava pensando era ficar lendo os outdoors. Era uma sensação bem complicada essa, e bem estressante também, ainda bem que já passou e hoje só tenho alguns resquícios disso ai, que é um dos sintomas da esquizofrenia. 
    Agora, uma mania que sinto que não vai largar de mim tão cedo é a mania de perseguição. Já até falei sobre isso em dois posts, " A mania de perseguição que me persegue", 1 e 2. Claro que hoje isso está mais controlado, não saio por ai pelas br's desesperado como no primeiro surto, mas isso ainda me incomoda bastante. Ir ao supermercado, comprar uma roupa, coisas que antes eram agradáveis, hoje se tornou um pequeno martírio. Tenho sempre a sensação de que algum vizinho está olhando para o meu quarto. Ipatinga é uma cidade muito quente e tenho que deixar a janela e a porta abertas. Sempre acho que um alguém está olhando para o meu quarto, mesmo que o prédio ou casa esteja à duzentos metros de distância de mim. Já cheguei a descer para a rua, para conferir qual a visão que as pessoas têm do meu quarto quando estão passando pelo local. 
    Uma outra esquisitice que tenho é em relação as horas. O celular, o pc e a televisão devem estar marcando a mesma hora, se pudesse sincronizaria até os segundos. Também tenho uma mania com o pc em relação ao tempo. Muitas vezes chego até a cronometrar em quantos segundos o pc vai dar aquele som depois que o ligamos. Geralmente o meu dá o som em 38 segundos e quando passa disso fico preocupado com a saúde dele. 
   Agora uma mania que eu tenho e sei que muita gente tem é a de ficar mexendo na tampinha das pilhas do controle remoto. Quem nunca quebrou a tampinha e teve que passar uma fita isolante para quebrar um galho? É um mistério para mim isso, ficamos mexendo naquele troço sem a necessidade nenhuma, sabemos que é um plástico frágil, e mesmo assim ficamos mexendo até quebrar. Será que a psiquiatria já classificou essa mania?
      Bem, essa são uma das muitas manias e esquisitices que eu tenho. Acho que, se falasse todas, iria dar um outro livro. Mas isso não quer dizer que sou louco, faço parte da maioria nesse caso. Vem me falar que, você, que agora está lendo o post, não tem nenhuma mania? Nenhuma esquisitice, mesmo que pequenina? Pode falar sobre isso nos comentários, e se tiver com vergonha, pode postar como anônimo, ninguém vai ficar sabendo.
    Agora, se você respondeu que não tem nenhuma mania, então procure um psiquiatra urgente, pois você provavelmente não é uma pessoa normal.


    "A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal." 

(Raul Seixas)


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O "pan" nosso de cada dia


    São onze horas e quarenta e dois minutos da noite. Viro para a  direita, viro para a esquerda, fico de bruços, mas o sono não vem. Ai me lembro que esqueci de tomar o meu companheiro de todas as noites: o diazepan. Não adianta, a mente pode até esquecer, mas o corpo nunca esquece de nos dizer que está faltando algo para que possamos "relaxar" e assim tentar dormir e cair no sono, mesmo que este sono seja artificial e não nos ajude a recuperar as energias gastas em mais um dia de luta.
   Somente os jogos da seleção do Mano Menezes para me proporcionarem um sono profundo sem precisar de recorrer ao diazepan (ontem, 14/11/12,  conseguimos empatar com a "poderosíssima" seleção da Colômbia). O jogo foi tão ruim que apaguei antes mesmo de terminar o primeiro tempo...
    Me lembro como se fosse hoje a primeira vez em que pisei em um consultório de psiquiatria. Ainda estava morando nas ruas, devido à um surto psicótico que tive. Fui obrigado a fazer um enorme barraco na unidade de saúde do bairro Santo André, aqui em Belo Horizonte. O pessoal  não estava querendo me atender, pelo simples fato de que eu ainda não tinha  um endereço fixo. Disse então que o meu endereço a partir daquele momento seria a porta do posto de saúde, e que não sairia de lá enquanto não fosse atendido. Ai foi um reboliço danado, falaram que eu era doido, etc. Como é engraçado né? Quem usa os "serviços" do SUS deve entender o que eu estou falando: quando solicitamos algo aos funcionários com educação, somos mal atendidos e não nos dão atenção. Então, muitas pessoas dão um piti no local e são atendidos rapidamente. E ainda colocam aquele aviso na parede dizendo que desrespeitar funcionário público é crime. Mas também alguns funcionários nos dão a impressão que estão fazendo uma obrigação em nos atender, como se não fossemos nós que não pagássemos o salário deles. Digo alguns funcionários, pois existem pessoas atenciosas trabalhando no SUS, apesar de não terem condições mínimas de trabalho.



    Voltando então a minha minha primeira consulta com o psiquiatra. Já estava super bem, o surto havia passado há uns três meses. Estava super comunicativo e tendo um sono razoável, mesmo dormindo em um pedaço de papelão debaixo da marquise de um prédio. Não não estava mais enxergando inimigos por todos os lados, muito pelo contrário, estava me sentindo mais leve e bem disposto. Costumo dizer que a solidariedade das pessoas foi o meu melhor remédio naquela situação. 
    Mas ainda estava um pouco assustado com toda aquela piração pela qual passei. Muitas dúvidas ainda povoavam meus pensamentos. O que teria acontecido comigo? Seriam espíritos do mal que haviam se apossado de mim? Alguém teria colocado alguma droga em algo que havia bebido? Ou eu era realmente um louco? Aquilo tudo poderia voltar de uma hora para outra?
   Então, depois de muita insistência, consegui atendimento em posto de saúde no centro de Belo Horizonte. Estava muito ansioso para essa minha primeira consulta com o psiquiatra. Mas confesso que fui ficando desanimado ao constatar que as pessoas eram atendidas em menos de dez minutos. Me perguntei como seria possível resolver os problemas da mente de uma pessoa em tão pouco tempo. 
    Ao chegar a minha vez, entrei correndo para o consultório. A minha expectativa era de que o psiquiatra me receitasse um remédio milagroso que acabaria de uma vez por todas com os meus complexos e paranoias. Também queria um remédio que me faria dormir o sono dos justos. 
    O psiquiatra sequer me cumprimentou e também nem chegou a olhar para mim. Apenas perguntou o que eu tive. Fiquei um pouco desesperado, não sabia como contar em poucos minutos aquela loucura toda que havia acontecido comigo nos últimos meses. Sinceramente, não lembro do que disse, talvez tenha citado o tempo que permaneci no meio do mato. Só sei que, em menos de cinco minutos, após fazer algumas anotações, ele me passou um remédio chamado melleril. E, como eu tinha pedido algo para dormir, me receitou o lorazepan. 
    O que mais me deixou chateado nisso tudo, além do pouco tempo do atendimento, foi o descaso desse psiquiatra. Ele cometeu um equívoco, pois apenas perguntou o que havia acontecido comigo, e esqueceu de perguntar como eu estava me sentindo naquele momento. Como já disse, eu estava muito bem, comunicativo, tranquilo, em paz, já havia até recuperado o meu peso normal. Não tem como se fazer um diagnóstico e receitar um medicamento em cinco minutos. O que eu mais precisava naquele momento era de esclarecimento e talvez de um acompanhamento psicológico, para avaliar se eu correria ou não o risco de ter um novo surto. 
    Não tive nenhuma dessas coisas, e, como estava me sentindo bem, decidi que já era hora de voltar a trabalhar. Após algumas tentativas frustradas de trabalho em Belo Horizonte, resolvi voltar a trabalhar na mesma cidade onde desencadeei o meu primeiro surto. Não demorou muito e surtei novamente. Era como se fosse a repetição de um filme, pois fui muito caluniado naquele lugar. Sem contar as inimizades que tive por lá. O motivo dessas inimizades até hoje não descobri, pois, nunca tive problema parecido nas várias cidades por onde havia trabalhado. Voltei para as ruas novamente, só que dessa vez fui ajudado por pessoas que apareceram na hora certa e no lugar certo.
    Mas, voltando ao assunto diazepan, hoje não consigo ficar sem esse medicamento. Já cheguei a tomar dois por dia, quer dizer, a noite, antes de dormir. Já houve época em que não conseguia ir ao centro da cidade sem tomar um diazepan. Ficava desesperado só de constatar que a cartela do comprimido não estava no meu bolso. Hoje, com a situação mais ou menos estabilizada, consigo tomar apenas um na hora de dormir e pretendo ir diminuindo aos poucos até quem sabe um dia não ficar mais dependente dessa droga que prejudica um pouco a minha memória. 
    Já tentei parar de uma vez com o diazepan, mas estava ficando irritado facilmente e fiquei com receio que pudesse surtar novamente, pois a minha mania de perseguição começou a ficar bem acima dos níveis que costumo ter normalmente. 
    Por que os psiquiatras e médicos em geral não costumam alertar os seus pacientes sobre os riscos de dependência física e psicológica que esses ansiolíticos podem causar? Seria descaso? 
    Esses medicamentos apenas ajudam a conciliar o sono, não fazem milagres. Não irão fazer você esquecer seus problemas, não irão pagar suas contas e apagar da sua mente o que está tirando o seu sono. A não ser que você faça como o Michael Jackson fazia, tomando anestesia para dormir. Acho que os médicos também deveriam alertar que esses medicamentos com o tempo já não fazem o mesmo efeito, ou seja, a dose terá que ser aumentada com o decorrer dos anos.
o diazepan é apenas uma ajuda por um breve tempo... 

   Será que é tão difícil assim fazer essas duas pequenas recomendações? Demora tanto tempo assim? Alguns irão dizer: "Ah, mas isso está escrito na embalagem e na bula do remédio"... Até que está escrito, mas em qual tamanho? Por que nas embalagens do cigarro são colocadas aquelas fotos horríveis e na dos medicamentos não tem uma advertência mais visível? Será que é por que o cigarro está trazendo prejuízos ao governo devido as doenças causadas pelo tabaco? Já o diazepan não é tão caro assim, ou seja, traz prejuízos apenas a quem o usa. Sem contar que a maioria das pessoas que utilizam o SUS, não pegam a embalagem do produto e nem a bula, apenas as cartelas. E, mesmo se tivesse acesso a bula, muitos não entenderiam o que está escrito nela. Não estou aqui querendo dizer que o diazepan é um medicamento desnecessário, às vezes, em alguns casos de urgência, eles são muito úteis. Eu só quero dizer que seria muito útil os profissionais da saúde, antes de receitarem esse medicamento, fizessem essas advertências, pois grande parte das pessoas pensam que os "pans" são milagrosos, fazendo com que consigamos dormir o sono dos justos. 
    A minha memória dos fatos recentes já não está tão boa assim. O engraçado é que consigo lembrar de fatos antigos com detalhes. Percebi isso ao escrever o livro Mente Dividida. Pelo que pesquisei, um dos efeitos colaterais do diazepan é o esquecimento dos fatos recentes. Até que consigo dormir tomando o medicamento (quando os vizinhos deixam né?) mas a sensação de manhã é a de que não dormi quase nada, talvez pelo fato do diazepan não fazer com que cheguemos a fase do  sono rem, que é o sono reparador e que nos deixa mais dispostos e prontos para enfrentar um novo dia. 
     Existe um outro medicamento para dormir, que não é da família dos benzodiazepínicos, que se chama levozine. Esse faz até elefante dormir, mas o problema é que o efeito dele não cessa às sete horas da manhã, ficamos dopados até por volta do meio dia. Outro  problema acontece quando dá vontade de urinar no meio da noite. A sensação ao levantarmos é de que estamos bêbados, e o corredor fica estreito demais até chegarmos o banheiro. A solução seria o tradicional e velho pinico, que não gosto muito não. Tomei esse medicamento apenas por um dia, pois não posso ficar na cama até o meio dia né? 
    Então, ai vai o conselho: pensem duas vezes antes de começarem a tomar medicamentos para dormir. Isso pode ser para a vida inteira. Para mim vale o ditado: " Mais vale duas horas de sono natural do que duas com remédios". Tentem um chá de erva cidreira, um copo de leite morno antes de dormir, ouvir uma música suave, ver os jogos da seleção, etc. Tentem também resolver os problemas que estão lhe tirando o sono pois nenhum medicamento irá fazer isso por você.